Dicas de Roteiro

07/01/2013

Eu Ouço Vozes – Por Fred Ritzenberg

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: , ,

O artigo de hoje é do roteirista, diretor, produtor de filmes e professor universitário de roteiro Fred Ritzenberg, e foi tirado do site Script Frenzy:

i_hear_voice

“EU OUÇO VOZES”

Fred Ritzenberg compartilha os seus pensamentos sobre o desenvolvimento de personagens durante a reescrita.

Fred_Ritzenberg

Eu estava sentado no meu escritório na BDFI uma noite, quando olhei pela janela e vi um garoto, com um cabide dobrado, caminhando até um carro. Eu não sabia o que fazer. Deveria bater na janela e chamar sua atenção? Deveria chamar a polícia? Deveria correr pela rua e espantá-lo?

Enquanto eu estava me recompondo mentalmente, uma estudante entrou em meu escritório e me viu olhando para fora da janela. "Ah, aquele pobre cara trancou as chaves dentro do carro dele. Eu fiz isso na semana passada", disse ela.

Ok, então, nós dois estávamos assistindo a mesma coisa, mas vendo algo muito diferente. Então, me lembrei de uma experiência semelhante que eu tive cerca de 25 anos atrás, quando um garoto invadiu o carro da minha esposa e levou-o para um passeio.

A minha realidade estava sendo filtrada por essa experiência, assim como a da minha aluna estava por sua experiência recente, onde ela trancou as chaves no carro dela. No entanto, nós dois estávamos assistindo a mesma coisa. Quem vai dizer quem estava certo? Em outras palavras, tudo o que nós vemos é distorcido. Pense sobre o Rashomon de Kurosawa. A nossa percepção da realidade é filtrada através da distorção das nossas experiências de vida.

Ok, então para onde é que isto está indo? Aqui está a resposta. Para escrever um personagem, você precisa ver o mundo através de seus olhos… de seus olhos DISTORCIDOS. Então, o meu melhor conselho é escrever uma "biografia do personagem" sobre cada um de seus personagens. Escreva-a na primeira pessoa. Dessa forma, você se torna o personagem e vê o mundo da maneira como eles veem o mundo.Tente encontrar um "momento decisivo" em suas vidas que os fez quem eles são hoje.

O objetivo de escrever uma biografia do personagem é ajudar você a encontrar a VOZ de seu personagem. Uma vez que você tenha encontrado essa voz, ele/ela irá dizer-lhe como é que vai reagir a qualquer situação. Essa reação define quem eles são, e não quem eles pensam que são. Há uma grande diferença. "A adversidade apresenta um homem a si mesmo", disse Samuel Johnson.

Ao continuar com o processo de escrita, escrevendo versão após versão, você vai descobrir coisas novas sobre os seus personagens, então tenha em mente que as suas Biografias são documentos vivos. Elas vão crescer conforme a sua história se desenvolve.

Você também vai descobrir como cada personagem secundário ajuda a construir a história do protagonista. Eles estão lá por uma razão, e uma razão apenas, para nos ajudar a aprender mais sobre o protagonista. E certifique-se de que cada personagem esteja no centro de seu universo. Eles são seus próprios protagonistas.

Meu último conselho é, "Mate Seus Queridos". Acho que isto pode ser erroneamente creditado a Faulkner, mas quem quer que disse isso estava certo. Isso significa que nós não pensamos claramente quando estamos apaixonados. Já ouviu a expressão, "Idiota Apaixonado"? Nós não tomamos boas decisões quando estamos nos sentindo emotivos. Então, esteja aberto para mudar as coisas de que você gosta. Você somente pode dar à sua história a vida que ela merece.

E lembre-se, quando você estiver matando seus amados, use um bisturi, não um machado.

The voices aren't real

“EU SEI QUE AS VOZES NÃO SÃO REAIS.

MAS ELAS TÊM ALGUMAS IDEIAS REALMENTE ÓTIMAS!”

Boa escrita pra você hoje! =D

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: