Dicas de Roteiro

21/01/2013

3 Chaves Para Ter Sucesso Como Escritor

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:00
Tags: , ,

Este artigo é de autoria do escritor, professor e consultor de roteiros Dave Trottier, e tirado do site Keep Writing:

Escritor trabalhando

ESCRITOR TRABALHANDO.

DE VERDADE.

Se você quiser ter sucesso como escritor, decida agora mesmo que vai agir para alcançar esse objetivo. As seguintes 3 chaves vão abrir a porta para esse objetivo – o seu sucesso em potencial. Apenas lembre-se, você tem que transpor essa porta, uma vez que ela esteja aberta.

1. Simplesmente diga não

Por que você não pensou nisso antes? Pare de assistir televisão, ou pelo menos reduza o seu tempo de TV pela metade. Pense em outras tarefas de fracos benefícios e que consomem tempo que possam ser reduzidas para dar lugar a mais tempo de escrita. Ao invés de esperar que grandes blocos de tempo apareçam magicamente, escreva quando breves momentos de tempo tornarem-se acessíveis. Não é isso o que você faz quando lê um romance emocionante? Você pega 15 minutos aqui e 30 minutos lá. Eu tenho um cliente que escreveu um roteiro inteiro em quatro meses, e nunca passou mais de 45 minutos numa sessão de escrita. Torne isto divertido! Afinal de contas, escrever é verdadeiramente a sua própria recompensa.

Estabeleça metas de escrita realistas no início de cada semana, e então arranje tempo para alcançá-las. Se a sua musa não desce voando de Parnaso, avance de qualquer maneira. Nas palavras de Stephen Crane, "Você não pode esperar pela inspiração; você tem que ir atrás dela com um tacape." Lembre-se, o sucesso vem uma página de cada vez. Decida agora atingir o seu potencial dado por Deus.

2. Dispense aquelas vozes negativas

Você sabe quais. "Você nunca vai ser nada na vida", e "Esta é a maior perda de tempo desde que Dole concorreu para presidente." Ignore aqueles comentários dos pais e dos amigos invejosos e substitua-os por "Eu vou escrever uma página de diálogos agora" ou alguma outra coisa que seja afirmativa. É verdade que você pode nunca ser William Goldman, mas ele também nunca será você. Avance através dos seus medos e veja-os se dissipar como a névoa da manhã antes do sol.

Dê a qualquer plano de perfeição um bom chute nas nádegas. O seu objetivo é a excelência, não a perfeição. Nenhum roteiro é perfeito. E se você não atingir o seu objetivo de escrita esta semana, não se preocupe. Você vai alcançar os objetivos da próxima semana.

3. Coloque à venda quando você estiver pronto

Não envie cartas de consulta antes que o roteiro esteja pronto. Eu recomendo que você faça o que os profissionais de outras áreas fazem – criam um plano de marketing. Você vai encontrar conselhos úteis e planilhas no livro The Screenwriter’s Bible. Prepare-se para alguma rejeição, mas seja agradavelmente persistente em seus esforços.

Mais importante ainda, limpe sua mente e se concentre. Aqueles que alcançam o sucesso, o fazem principalmente porque são persistentes. Sim, há um pouco de sorte (eu chamo isso de timing) envolvida, mas você não pode acertar um home run se estiver lá na toca assistindo dramas tristes na TV. Você tem que avançar até a base… e continuar balançando… er… escrevendo!

Baseball Bat Rollerball Pen

Boa escrita pra você hoje! =)

11/01/2013

E Se Você Não For Nem Um Pouco Visual?

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: ,

Este artigo é do professor de roteiro D. B. Gilles, e foi tirado do site Holywoodlitsales:

imaginacao

Isso pode ser um problema se o seu sonho é ser visto como um dos poucos mestres da direção que estabeleceram a sua marca desde que o cinema começou. Há muitos diretores que tiveram uma grande carreira e fizeram filmes de enorme sucesso, mas eles não são considerados como mestres pelos críticos e cinéfilos sérios.

Chris Columbus tem tido uma carreira invejável como roteirista e diretor. A maioria de seus filmes fez uma tonelada de dinheiro (Esqueceram de Mim, o primeiro Harry Potter) [N.T.: Na verdade, ele dirigiu os dois primeiros filmes da franquia Harry Potter e o Esqueceram de Mim 1 e 2]. Mas você não vai encontrar muitas listas onde ele é qualificado como um mestre. Ele faz bons filmes, provavelmente consegue ficar dentro do orçamento, não é difícil… preencha mais alguns espaços em branco sobre as habilidades dele (e não me interpretem mal: eu acho que Chris Columbus fez muitos filmes bons). É só que, apesar de seu sucesso, ele ainda não atingiu o escalão superior de ser considerado um grande diretor.

E adivinha? A maioria dos diretores não alcança ao topo. Nem a maioria dos roteiristas.

Mas se o seu objetivo é fazer filmes que serão discutidos pelas gerações vindouras, um grande fator é a forma como eles aparentam. Como você usa a câmera. O quão "artístico" e "criativo" você é.

Então, se o seu forte não é a área visual, tudo bem, se você não estiver mirando na posteridade. Mas se você estiver, comece estudando os mestres reconhecidos, e aprenda.

imaginação-humana

Boa escrita pra você hoje! 😄

10/01/2013

História Primeiro, Personagens Depois

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: , , ,

O texto de hoje é do roteirista John August, e foi tirado do blog dele:

what's your story

Qual é a sua história?

Eu frequentemente me pego escrevendo metade de um roteiro e depois jogando-o na lixeira porque meus personagens perderam totalmente seu rumo. Como faço para me basear em meus personagens para me ajudarem, de forma que eles conduzam a história no rumo deles?

– Colin

No seu caso, eu lhe encorajaria a realmente descobrir o final de sua história antes de começar a escrever. Caso contrário, é muito fácil continuar a escrever cena após cena e acabar com personagens interessantes em uma confusão de história.

Uma armadilha que muitos escritores principiantes encontram – especialmente aqueles que já leram alguns dos livros mais famosos de roteiro – é tomar o truísmo "história impulsionada pelo personagem" literalmente demais. Sim, os filmes mais envolventes e de maior sucesso são aqueles em que os personagens parecem estar no controle de seu próprio destino, onde cada virada do enredo parece derivar de um elemento de sua personalidade.

Mas é ingênuo pensar que tudo que um escritor tem de fazer é criar personagens incríveis e vê-los ir trabalhar. A verdade é que grandes personagens são inúteis a não ser que os vejamos fazendo coisas interessantes – e criar essas coisas é o trabalho do roteirista. Não comece a escrever até que você saiba tanto quem são os seus personagens quanto o que eles vão fazer.

==================================================================

Boa escrita pra você hoje! =)

09/01/2013

E Se Eu For Mais Visual do Que Verbal?

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: ,

O texto de hoje é do professor de roteiro D.B. Gilles e foi tirado do site Hollywoodlitsales:

Imaginação

Sem problema. Eu pessoalmente desfruto de filmes que são carregados de diálogos, especialmente se eles forem espertos e inteligentes, ou seja, de David Mamet no seu melhor e, certamente, de Quentin Tarantino.

Mas eu também desfruto de filmes, especialmente curtas, que têm um diálogo mínimo e dependem quase inteiramente de imagens para contar a história.

No entanto, [não] estamos vivendo nos primeiros dias de Hollywood, quando havia apenas filmes mudos. E lembre-se que uma vez que os "falados" chegaram, o cinema mudo permaneceu em silêncio para sempre.

O seu filme bem visual deve ter diálogos suficientes para ajudar a conduzir a história. Eu já vi muitos filmes de estudantes em que havia muito pouco diálogo. Alguns deles funcionaram. E outros não. Os que funcionaram contaram com a extensa utilização de som. E edição. E, ah, sim, uma história interessante.

Eu já li roteiros de longa-metragem em que as primeiras páginas não eram nada além de descrição. Palavras intermináveis descrevendo aquilo que estamos olhando. Para um curta de treino que você irá financiar, tudo bem. Faça isso. Mas não adquira o hábito de escrever roteiros de longa-metragem onde o visual substitui o verbal. Se você quer que alguém compre o seu roteiro, eles podem não ficar tão animados com todas as suas direções de palco quanto você.

Então, para um filme de curta-metragem, torne-o tão visual quanto você escolher (e certifique-se de que você tem uma boa história para contar), mas quando você passar para um longa, eu recomendo ter mais diálogo.

artimaginationBoa escrita pra você hoje! =)

08/01/2013

Provas de DNA

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: , ,

Este texto é do roteirista William C. Martell e foi tirado do site dele, Script Secrets:

DNA

É importante certificar-se de que cada cena individual esteja focada nos objetivos do roteiro. Os pequenos objetivos têm de levar aos grandes objetivos. Pense no seu roteiro como um castelo de cartas. Cada cena é uma carta. Se você puder remover qualquer cena e a casa continuar de pé, aquela cena não deveria ter entrado em seu roteiro.

Não só cada cena deve mover a história para a frente, como cada cena também deve ser um microcosmo da história. Cada cena deve conter o DNA necessário para clonar o roteiro inteiro. Você deve ser capaz de ler qualquer cena de seu roteiro e ter alguma ideia do que se trata o roteiro todo. Qual é o conflito central do seu roteiro? Como é que ESTA cena explora esse conflito? Isso é parte do que eu chamo de Escrita de Roteiro Orgânica – Cada cena tem que ser integral para o caso, não apenas material de enchimento. Cada cena deve expor o personagem, mover a história para a frente, e lidar com o conflito central do roteiro… o DNA do roteiro.

========================================================

Boa escrita pra você hoje! =)

07/01/2013

Eu Ouço Vozes – Por Fred Ritzenberg

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 07:00
Tags: , ,

O artigo de hoje é do roteirista, diretor, produtor de filmes e professor universitário de roteiro Fred Ritzenberg, e foi tirado do site Script Frenzy:

i_hear_voice

“EU OUÇO VOZES”

Fred Ritzenberg compartilha os seus pensamentos sobre o desenvolvimento de personagens durante a reescrita.

Fred_Ritzenberg

Eu estava sentado no meu escritório na BDFI uma noite, quando olhei pela janela e vi um garoto, com um cabide dobrado, caminhando até um carro. Eu não sabia o que fazer. Deveria bater na janela e chamar sua atenção? Deveria chamar a polícia? Deveria correr pela rua e espantá-lo?

Enquanto eu estava me recompondo mentalmente, uma estudante entrou em meu escritório e me viu olhando para fora da janela. "Ah, aquele pobre cara trancou as chaves dentro do carro dele. Eu fiz isso na semana passada", disse ela.

Ok, então, nós dois estávamos assistindo a mesma coisa, mas vendo algo muito diferente. Então, me lembrei de uma experiência semelhante que eu tive cerca de 25 anos atrás, quando um garoto invadiu o carro da minha esposa e levou-o para um passeio.

A minha realidade estava sendo filtrada por essa experiência, assim como a da minha aluna estava por sua experiência recente, onde ela trancou as chaves no carro dela. No entanto, nós dois estávamos assistindo a mesma coisa. Quem vai dizer quem estava certo? Em outras palavras, tudo o que nós vemos é distorcido. Pense sobre o Rashomon de Kurosawa. A nossa percepção da realidade é filtrada através da distorção das nossas experiências de vida.

Ok, então para onde é que isto está indo? Aqui está a resposta. Para escrever um personagem, você precisa ver o mundo através de seus olhos… de seus olhos DISTORCIDOS. Então, o meu melhor conselho é escrever uma "biografia do personagem" sobre cada um de seus personagens. Escreva-a na primeira pessoa. Dessa forma, você se torna o personagem e vê o mundo da maneira como eles veem o mundo.Tente encontrar um "momento decisivo" em suas vidas que os fez quem eles são hoje.

O objetivo de escrever uma biografia do personagem é ajudar você a encontrar a VOZ de seu personagem. Uma vez que você tenha encontrado essa voz, ele/ela irá dizer-lhe como é que vai reagir a qualquer situação. Essa reação define quem eles são, e não quem eles pensam que são. Há uma grande diferença. "A adversidade apresenta um homem a si mesmo", disse Samuel Johnson.

Ao continuar com o processo de escrita, escrevendo versão após versão, você vai descobrir coisas novas sobre os seus personagens, então tenha em mente que as suas Biografias são documentos vivos. Elas vão crescer conforme a sua história se desenvolve.

Você também vai descobrir como cada personagem secundário ajuda a construir a história do protagonista. Eles estão lá por uma razão, e uma razão apenas, para nos ajudar a aprender mais sobre o protagonista. E certifique-se de que cada personagem esteja no centro de seu universo. Eles são seus próprios protagonistas.

Meu último conselho é, "Mate Seus Queridos". Acho que isto pode ser erroneamente creditado a Faulkner, mas quem quer que disse isso estava certo. Isso significa que nós não pensamos claramente quando estamos apaixonados. Já ouviu a expressão, "Idiota Apaixonado"? Nós não tomamos boas decisões quando estamos nos sentindo emotivos. Então, esteja aberto para mudar as coisas de que você gosta. Você somente pode dar à sua história a vida que ela merece.

E lembre-se, quando você estiver matando seus amados, use um bisturi, não um machado.

The voices aren't real

“EU SEI QUE AS VOZES NÃO SÃO REAIS.

MAS ELAS TÊM ALGUMAS IDEIAS REALMENTE ÓTIMAS!”

Boa escrita pra você hoje! =D

Próxima Página »

%d blogueiros gostam disto: