Dicas de Roteiro

21/07/2012

Por Que a Comédia Torna Tudo Melhor

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:00
Tags: , ,

O artigo de hoje complementa o de ontem, e também foi escrito por D.B. Gilles e tirado do site Movieoutline:

caneca de bacon

Os chefs dizem que o bacon torna tudo o que eles cozinham, melhor. A comédia é assim também. Mesmo o mais sombrio e mais triste drama precisa de uma risada ou de um momento leve periodicamente, também conhecido como alívio cômico.

As tragédias gregas clássicas tinham frases engraçadas. O drama elisabetano tinha o tolo, o bobo da corte.

A peça de Arthur Miller, A Morte de um Caixeiro-Viajante, não tem uma risada por minuto, mas é muito engraçada, além de ser uma das maiores tragédias americanas. Os dramas de fala dura do David Mamet, como Glengarry Glen Ross e Speed-the-Plow, são extremamente engraçados.

Pense nos filmes mais sombrios e mais deprimentes que você já viu e, com raras exceções, haverá o momento ocasional de humor. Um personagem vai dizer ou fazer algo que gera uma risada, um sorriso, ou pelo menos um aceno de cabeça de apreço.

A maioria dos roteiros cinematográficos de comédia que li não são engraçados o suficiente, ou não são engraçados de modo algum. Personagens unidimensionais dizem falas supostamente engraçadas que são idiotas, banais, óbvias e fáceis. (Não há nada mais fácil do que escrever uma piada suja). Esses mesmos personagens estão em situações que, na maioria das vezes, não são críveis. Quantas vezes você já assistiu a um filme e pensou consigo mesmo: "Eu não acredito nisso?".

Alguns podem argumentar que isso é uma comédia e não tem que ter muita lógica ou situações baseadas na realidade. Isso pode funcionar nas sitcoms televisivas menores, mas as melhores comédias cinematográficas, certamente as comédias românticas, são baseadas em alguma semelhança de como a vida realmente é.

Muitas comédias da última década estão baseadas em torno de uma premissa, e as piadas são escritas para complementá-la, ao invés de ter um personagem em uma situação cômica que deve se esforçar para conseguir o que ele ou ela quer. As piadas e as falas engraçadas surgem organicamente conforme o personagem se move em direção ao seu objetivo.

A questão que os roteiristas de comédias precisam se perguntar é: onde você encontra material para o humor? Onde você encontra as ideias para as falas que você quer que um personagem diga e das quais a plateia ria – e, antes disso, para que alguém importante leia o roteiro.

Existem duas maneiras:

  • Você pode olhar para a sua vida pessoal e encontrar material inspirado por seus amigos, familiares, colegas de trabalho, namoradas, namorados, esposas, maridos, filhos etc.
  • Você pode olhar além de sua própria vida e mergulhar no mundo da cultura pop, das personalidades, da política e das celebridades.

Imagine-se como uma mosca nas paredes das pessoas reportadas pelos muitos sites da Internet, programas de fofocas e revistas. Um tempo atrás, Ashton Kutcher postou uma foto de Demi Moore em roupas íntimas. Russell Brand postou uma foto de Katy Perry sem maquiagem. Será que alguma delas ficou chateada? Será que eles tiveram uma briga enorme? Se sim, sobre o que foi essa briga? Ambas as situações poderiam inspirar esquetes incrivelmente engraçadas.

Estes são apenas dois exemplos que vêm à mente. Pegue uma personalidade ou celebridade de sua escolha e imagine o que se passa em suas casas por trás das portas fechadas.

Como é ter sido casada com Rush Limbaugh? A esposa nº 1 foi quando ele era jovem e estava dando duro. A esposa nº 2 veio assim que a sua carreira decolou. A esposa nº 3 tirou a sorte grande. O que seria se essas três mulheres se reunissem e fofocassem sobre a vida com Rush? Ele está atualmente na esposa nº 4. O que se passa pela mente dela? Será que ela secretamente se pergunta se vai ser sua última esposa? Ela já quis conversar com as outras esposas?

Eu posso imaginar algo engraçado: O Clube das Ex-Esposas de Rush Limbaugh. Ou uma paródia das ex-esposas de Limbaugh como esposas-irmãs mórmons.

Falando em mórmons, Glenn Beck é um ex-católico que se tornou um mórmon. Quando ele estava pensando em se converter, ele ligou para o Donny Osmond, o Rick Schroeder ou a Jewel para descobrir os prós e contras?

Falando em conservadores de direita, imagine sobre o que Glenn Beck e Rush Limbaugh conversariam se eles se topassem em um clube de strip-tease. Embaraçoso! Mas potencialmente engraçado.

Kate Gosselin está apavorada de que nunca vá encontrar um homem, porque ela tem 8 filhos? Quem é a sua confidente? A mulher que faz suas manicures? Como essa conversa se desenrolaria? Ela já pensou em namoro online? Quais as qualidades que ela procura em um homem? Precisa ter feito uma vasectomia? Deve ter uma baixa contagem de espermatozoides?

Sobre o que Sarah Palin e seu marido conversaram quando Bristol ganhou 7 quilos durante sua temporada no Dançando com as Estrelas? Sarah estava com inveja por sua filha estar recebendo atenção? Ela estava feliz pela garota estar ficando gorda? Ela estava preocupada de que a Bristol tivesse tido relações sexuais com seu parceiro de dança e engravidado novamente? Há humor em algum lugar aí.

Como é ser a assistente pessoal de Amy Winehouse, e qual é a típica Lista de Coisas a Fazer? Paul McCartney e Ringo Starr já brincaram entre si sobre qual será o último sobrevivente dos Beatles? Sobre o quê Simon Cowell e Steven Tyler mandariam mensagens de texto um ao outro?

Pense nisso como um exercício mental para lhe ajudar a usar personalidades a fim de te fazer cavar no terreno da escrita de comédias, que você pode nunca ter considerado.

Escolha um punhado de celebridades e imagine o que se passa em suas vidas privadas. Tente escrever uma esquete ou um roteiro cômico de 4 páginas para o YouTube ou o Funny or Die.

Você pode fazer o mesmo com as pessoas que estão em sua vida. Imagine o que o cara assustador do trabalho faz quando chega em casa, ou a mulher que toca o órgão para o coro da igreja, ou o cara com um olho caído que organiza a carne no supermercado.

Escrever diálogo engraçado não é fácil. É um desafio escrever, em um roteiro de 110 páginas, dezenas de falas que mantenham o leitor e o público rindo.

Fazer estes exercícios pode abrir algumas novas portas para ajudá-lo a ficar inspirado a escrever diálogos mais engraçados e de qualidade superior.

youre-funny-turn-your-sense-of-humor-into-a-lucrative-new-career

Clique na capa do livro para comprá-lo

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: