Dicas de Roteiro

04/03/2012

O Vilão

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 09:00
Tags: , ,

Atendendo a um pedido de um colega nosso por informações sobre anti-heróis, publicaremos alguns artigos sobre o assunto. O texto de hoje foi escrito por Melanie Anne Phillips (criadora do software StoryWeaver e co-criadora do Dramatica) e publicado originalmente no site Storymind:

Coringa

Um vilão é a antítese dramática de um herói, e, portanto, tem os quatro seguintes atributos:

  • Ele é o Antagonista
  • Ele é o Personagem de Influência
  • Ele é o segundo em destaque em relação ao Personagem Central
  • Ele é um Cara Mau

Pelas nossas definições para este livro: O Antagonista é o Principal Obstáculo na trama – o principal obstáculo para a realização do objetivo geral da história.

O Personagem de Influência é o personagem mais persuasivo – o que assume a posição de advogado do diabo em relação à questão pessoal ou moral sobre a qual a história parece ser.

O Segundo Personagem Mais Proeminente é o que se destaca mais fortemente entre os jogadores, excetuando o herói.

O Cara Mau é o porta-estandarte da imoralidade – o personagem cuja intenção é fazer a coisa errada.

Juntando tudo, então, um vilão tenta impedir que a meta seja alcançada, representa o contraponto à posição do público na história, é o segundo personagem mais proeminente, e procura fazer a coisa errada. Agora podemos ver que quando criamos um herói que era um cara mau e outro que era um antagonista, estávamos na verdade tomando emprestado atributos do vilão. Da mesma forma, o vilão pode pegar emprestado atributos do herói. Por exemplo, podemos moldar um personagem com os quatro seguintes atributos:

  • Antagonista
  • Personagem de Impacto
  • Segundo Mais Proeminente
  • Cara Bom

Tal personagem poderia ser um amigo de um anti-herói (um herói que é um Cara Mau), tentando impedi-lo de cometer um erro terrível. Imagine que o anti-herói esteja tentando alcançar um objetivo, represente a posição do público, seja o mais proeminente, mas tenha más intenções. O Cara Bom variação de vilão teria boas intenções e, portanto, tentaria frustrar o plano maligno do anti-herói (antagonista), mudar sua mente (personagem de impacto) e seria o segundo jogador mais destacado depois do anti-herói.

Outra variação do vilão típico poderia ser:

  • Protagonista
  • Personagem de Influência
  • Segundo Mais Proeminente
  • Cara Mau

Na verdade, é esta combinação que é utilizada com mais frequência em histórias de ação/aventura. Esse personagem põe as coisas em movimento ao instigar um plano maligno (protagonista/cara mau), tenta atrair o "herói" para o lado do mal (personagem de influência), mas é o segundo em relação ao "herói" somente em destaque.

Como podemos ver, trocar atributos entre o herói e o vilão abre um mundo de oportunidades para a criação de personagens mais interessantes e menos típicos. Mas estas não são as únicas maneiras de trocar atributos. Por exemplo, só porque o herói é um Cara Bom, não significa que o vilão tem que ser um Cara Mau.

Suponha que temos os dois seguintes personagens:

Herói Típico:

  • Protagonista
  • Personagem Principal
  • Personagem Central
  • Cara Bom

Vilão Atípico:

  • Antagonista
  • Personagem de Impacto
  • Segundo Mais Proeminente
  • Cara Bom

Aqui nós temos uma história sobre duas pessoas, uma tentando realizar alguma coisa, a outra tentando impedir isso. Uma representando a posição do público na história, a outra sendo a mais influente, com um argumento de mensagem de oposição. Uma é a mais proeminente; a outra, a segunda no interesse do público, mas ambas acreditam que estão fazendo a coisa certa.

Estes dois personagens estão dramaticamente em oposição. Eles estão em conflito, tanto externa, quanto internamente. Mas cada um é levado a fazer o que ele acredita que seja certo. Então, quem está certo? Bem, na verdade, é sobre isso que uma história construída em torno desses personagens seria!

Na verdade, a mensagem do autor se centraria em convencer o público de que um desses personagens estaria equivocado e o outro, devidamente fundamentado. Uma história assim forneceria uma excelente oportunidade para explorar uma questão moral que não cai facilmente na clareza do preto e branco. Seria uma boa chance de passar a impressão de ser profundo, sério e provocante – e tudo pelo simples fato de ter dois Caras Bons competindo.

A esta altura, deve estar bastante claro que se você tem escrito apenas com heróis e vilões, você não tem feito nada de errado, mas esteve limitando as suas possibilidades criativas. E, no entanto, nós mal começamos a explorar as maneiras pelas quais os personagens podem trocar os atributos para criar mais variedade e interesse.

Vilão

Boa escrita pra você hoje! =)

%d blogueiros gostam disto: