Dicas de Roteiro

01/12/2011

5 Dicas Sobre Como Tornar a Sua Comédia Romântica Adorável… Er, Relacionável

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:40
Tags: , ,

Olá, pessoal! Estamos de volta com o artigo escrito pela roteirista e atriz Lauren Miller, e tirado do site Script Frenzy:

Lauren Anne Miller

Pedimos à roteirista Lauren Miller suas dicas sobre como escrever uma comédia romântica relacionável. Manda ver, Lauren!

Quem não gosta de amar uma comédia romântica? Ninguém, isso sim! Mas quantas vezes você não vai ao cinema morrendo de vontade de gostar do novo filme tipo garota-persegue-o-cara, garota-perde-o-cara, cara-ganha-garota-de-volta, e sai do cinema um pouco… bem… não-apaixonado?

Infelizmente, acho que isso acontece um pouco mais frequentemente do que não acontece, e eu pensei em algumas coisas que podem tornar a sua comédia romântica a coisa mais adorável e relacionável que você já viu.

1. Mantenha os seus clímax românticos verdadeiros. Ok, todos nós amamos Richard Gere subindo a escada de incêndio, e todos nós amamos Tom Hanks encontrando Meg Ryan no topo do edifício Empire State, mas estes são apenas sonhos extremamente ficcionais e completamente irrealistas. Sim, eles são divertidos de se imaginar que é você no lugar da mocinha, mas estes gestos grandiosos fracassam nas telas com muito mais frequência do que têm sucesso. Manter isso verdadeiro para os seus personagens vai lhe dar uma chance de se conectar com o seu público de uma forma que é muito mais provável de soar verdadeiro para o lado romântico dentro dele.

Por exemplo, pense em sua própria vida. Qual é a coisa mais romântica que alguém já fez por você? Talvez você pudesse roubar isso! Ou pense sobre as coisas que você gostaria de fazer, e imagine que você está lá fora fazendo-as um dia e o objeto de sua afeição aparece inesperadamente.

Acho que o que acontece é a necessidade de manter os seus sentimentos românticos naturais para a vida cotidiana do seu personagem. Se uma personagem é pobre e tem qualquer tipo de responsabilidade, provavelmente não pode parar tudo e seguir até o topo do Empire State Building um cara que ela ouviu no rádio.

Pegue o filme Ligeiramente Grávidos: Ben Stone é um super perdedor. Ele não consegue fazer a Allison se apaixonar por ele, construir-lhe uma casa enorme para seu bebê, ou dar-lhe um enorme anel de diamante. Então, o que ele fez? Ele deu a ela uma caixinha e prometeu dar-lhe um anel um dia. E ele conseguiu um pequeno, mas agradável apartamento para ela e decorou uma parede para se parecer com um quarto de bebê. Eu não sei quanto a você, mas eu fiquei extremamente emocionada com isso. Foi totalmente real, e no reino da realidade de Ben Stone.

2. Dê alguma profundidade às suas mulheres! Na maior parte, existem dois tipos de mulheres em comédias românticas:

  1. A burrinha desajeitada super-quente que já teve muitos namorados, mas nenhum que realmente a entendesse.
  2. A ultra-bem-sucedida empresária durona super-quente que se esqueceu de como amar, até que o artista/perdedor mostra-lhe como viver de novo.

Se você é uma mulher, faça a si mesma esta pergunta: "Você é uma dessas pessoas?" E se você é um homem, faça a si mesmo esta pergunta: "Você realmente conhece uma dessas mulheres?" Esperamos que a resposta para essas perguntas seja "não". Porque, normalmente, as mulheres são uma mistura de tantas coisas diferentes! Não tenha medo de deixar a sua personagem feminina ser um pouco de tudo. E deixe que as emoções dela sejam reais! Dê a ela um defeito irritante e dê-lhe algo pelo qual ela seja admirada. E dê-lhe alguns passatempos que sejam reais (e não apenas futebol porque isso a torna agradável para o protagonista masculino). Ela deve ser alguém de quem você iria ser amigo, e você deve conhecê-la melhor do que ninguém. Eu aposto que Nora Ephron sempre soube o que a Sally Albright estava fazendo com o seu dia.

3. Mantenha o mundo em que os seus personagens vivem real. Quantas vezes já não assistimos a comédias românticas em que a personagem principal é uma humilde assistente numa organização sem fins lucrativos, e no entanto tem o guarda-roupa mais fantástico e o melhor apartamento de Nova Iorque que você já viu. Nada me desconecta mais de um filme do que quando isso acontece. Se alguém está dando duro em seu trabalho, quero vê-lo dar duro em toda parte! Não tenha medo de escrever que o seu personagem é apenas normal em algumas coisas, nem todo personagem tem que ser o mais bem vestido, o mais esperto, o mais limpo, o mais desorganizado. O que você está vestindo neste instante? É isso o que seu personagem deve estar usando! Para onde você vai com seus amigos? É para lá que o seu personagem deve ir! Quais são as cores de suas paredes? Você já adivinhou… as paredes do seu personagem devem ser dessa cor também! Se o mundo em que o seu personagem está vivendo não é real para você, então não vai ser real para o público também.

4. Não force os seus personagens a ficarem juntos. Mais uma vez, manter isso real ajuda especialmente aqui. Digamos que você goste de comida picante e de basquete. Você vai se apaixonar por todas as outras pessoas que também gostam de comida picante e de basquete? Você realmente tem que dar a seus amantes a chance de verdadeiramente se apaixonarem um pelo outro.

O melhor exemplo em que posso pensar é Harry & Sally – Feitos Um Para o Outro. Uau. Eles conversavam entre si. Eles brigavam um com o outro. Eles eram vulneráveis ​​um com o outro, e passaram a conhecer um ao outro melhor do que ninguém jamais conheceu antes. Não foi porque ele a achou bonita, e não foi porque ela o achou engraçado. Eles realmente se conheciam, e no final, quando eles perceberam que não podiam viver um sem o outro, nós não acreditamos nisso? Talvez essa seja uma das melhores comédias românticas DE TODOS OS TEMPOS? Pode apostar.

5. Por favor! Não Nova Iorque! As pessoas se apaixonam em outros lugares, sabia. Ok, não é que uma comédia romântica não possa se passar lá (o lugar é tão incrível!). Mas quantas vezes as pessoas podem se apaixonar lá? Vamos lá! Espalhe a riqueza para outras cidades! E para as pequenas cidades! Use lugares normais onde as suas pessoas normais vivem. Dê a elas uma chance de serem românticas também! E lembre-se, se tiver que ser em Nova Iorque, muito provavelmente o seu apartamento será do tamanho de uma caixa de sapatos e não terá degraus de entrada com vasos de flores alinhados.

Boa escrita pra você hoje! =)

Anúncios

3 Comentários

  1. Cinema e’ magia, e’ sonho, e isto e’ ainda mais real para comedias romanticas.

    Para emocionar o público em uma comedia romantica, geralmente este publico que ver uma historia como a de Cinderela, alguem que podia ser voce, mas que chegou onde voce so no sonho consegue chegar. Nao se vai no cinema para ver uma historia de alguem como voce que chegou onde voce conseguiu chegar, porque nao se vai no cinema ver a historia de si proprio (para isso vamos ao espelho ou relemos nosso diario).

    A cena de um pobretao que larga seu emprego para correr atras de sua amada funciona muito mais do que a cena de um assalariado que vai pagar o carne de prestacao da geladeira antes de casar. Provavel que nem voce nem ninguem quer ver sua propria rotina no cinema,

    Assim, a regra numero 1 e’ que a menos que sua vida tenha momentos inusitados, nao transporte para seu roteiro o lado ordinario de sua existencia sob o risco de nao conseguir extrair originalidade de sua propria experiencia.

    Se Ben Stone tivesse ganhado na loteria, ou roubado um banco para conquistar a Allison, desde que ficase dentro do genero (isto e, em comedia romantica nao iria roubar o bilhete de loteria com uma metralhadora nem estourar os miolos de um bancario para obter o que queria) teria dado igualmente certo.

    Nao limite a imaginacao do personagem `as constricoes materias/financeiras deste personagem, porque e’ cinema, nao artigo de jornal. Em cinema, como em Forrest Gump, pode-se tudo, e em comedia romantica entao, pode ate muito mais.

    Quanto a regra numero 2, se voce for limitar seus personagens a possibilidade que eles pudessem existir no mundo real, voce esta no oficio errado de roteirista de ficcao. Voce nao coloca seu personagem nesta prova dos nove (a menos que opersonagem se pareca com alguem que conheci nao posso escreve-lo? Isto nao e regra de ficcao)

    Voce tem que criar o personagem. Ele nao tem de existir no mundo real. Nao confunda. O que de fato importa e’ que voce lute contra o estereotipo. O esterotipo tambem nao existe na realidade, mas nao e’ o modelo do que se quer para um personagem. Exemplificando:nao e porque a Debora Secco vai ser cotada para estrelar seu roteiro que voce vai criar o personagem loiro e burro, por exemplo (ainda mais porque a Secco pode sempre pintar o cabelo), nem e’ porque a Julia Roberts mandou dizer que participa de graca de seu filme que voce vai escrever uma mulher preocupada em fazer caras e bocas e rir com os olhos. O genero da comedia romantica tem personagens “classicos”, mas ser classico nao significa ser estereotipado. Nao significa ainda que voce tem de espelhar seus personagens na realidade ou em pessoas reais. O que importa numa comedia romantica e’ o jogo de sentimentos, e seus personagens podem ser tao improvaveis quanto absurdos, desde que eles sintam emocoes que a audiencia vai querer viver/sofrer com eles e que nao seja o perfil de algo que voce ja viu mil vezes (o que e estereotipo hoje pode ter sido original a 50 anos, mas o que voce quer criar e aquilo que seja original hoje). Nao diga: vou escrever sobre uma mulher-fruta so porque todas as mulheres deveriam ser maduras. Se voce busca sua inspiracao num perfil, provavel vai acabar com um estereotipo no papel, um personagem que vive emocoes programadas para o seu tipo, nao que cria seu carater a partir dos conflitos que enfrenta dentro de sua historia.

    Regra 3: eu so espero que voce nao viva num quarto de alvenaria sem acabamento, porque se vive e voce for transferir sua realidade para a tela do cinema, e melhor que voce escreva no genero do Cidade de Deus e nao no genero Pretty Woman. Mesmo que seu quarto seja pintado. Imagine se eu vou colocar esta cor abobora que esta neste momento em torno de mim no cenario de meu filme. Nao sei nem onde estava com a cabeca quando coloquei esta cor abobora na parede – e hoje nao posso muda-la pois nao pertence mais a mim mas sei que no meu roteiro, nao vai entrar nenhuma parede cor abobora. O roteirista nao roteiriza sua vida. Isto seria auto-biografia, e o risco e de quase sempre ser historias chatas. De novo, a mnos que sua vida tenha elementos excepcionais.

    A Regra 4 parece dizer respeito ao fato que dois santos nao formam necessariamente uma santidade, o que faz sentido. Para fazer dois personagens serem feitos um para o outro (que e o caso de comedias romanticas) eles nao tem de ser iguais um ao outro, e nao podem ter nascido do mesmo cordao umbilical. O que nao quer dizer que voce tenha de ir para o extremo oposto, de criar dois personagens que sao completamente diferentes em tudo e por um capricho do destino resolvem terminar juntos, porque provavelmente voce ira cair no manequeismo de ficar listando para um personagem aspectos de personalidade oposto ao do outro so para forcar a diferenca. Seus personagens tem que ter uma realidade em comum. Fazer a jovem cavaleira bilionaria se apaixonar pelo treinador de cavalo casado e pai de filhos pode ser uma boa ideia para uma comedia romantica (sim, na vida real, e receita de tragedia e mau gosto). Mas fazer a jovem cavaleira bilionaria se apaixonar pelo criador de cavalo-marinho nao vai ter nada a ver. Total.

    Quanto a Regra numero 5, com o google, porque nao Nova Iorque? Percorra as ruas que o carrinho percorreu e encontre aqui o ali sua escadinha com vasos alinhados, e imagine que por detras de uma daquelas portinholas tem uma warehouse do tamanho do space craft de Star Wars. Espaco , alias, nunca foi empecilho a um bom roteiro em nenhum genero (exceto o genero epico) desde que um diretor conseguiu botar 13 homens numa sala e filmar uma excelente historia de drama sem sair dali.

    Eu costumo aconselhar marinheiro de primeira viagem a escrever sobre areia, como outro dia disse a um que queria escrever com o cenario da Inglaterra Vitoriana para comecar com uma cidadizinha paulista mesmo, apenas porque ja e dificil escrever um primeiro roteiro, imagine se voce for gastar anos em estudar o seu cenario escolhido. Vai encalhar na praia. Por isto a unica razao que vejo para nao escolher Nova York seria o fato de voce nunca ter estado em Nova York, nao ter morado la, ou nao conseguir se inspirar com o mouse e o bonequinho da google. Mas nunca pela razao de Nova York ja ter sido palco de inumeras comedias romanticas. Pois se voce decidir que seu gorila negro e peludo vai levar sua loira semi-nua para o alto de um edificio, que vai fazer? Transferir sua equipe de filmagem para Dubai? Faze-lo escalar o Concorvado? Mete-lo no alto da Torre Eifel? Nova York tem seu charme, e se quer sua comedia romantica la, so nao se esqueca de botar roupa na loira se resolver ter neve ao fundo.

    Cheers

    Comentário por Regia Mendonca — 01/12/2011 @ 17:42

  2. ficase=ficasse; quase sempre ser= quase sempre serem; a mnos= a menos; manequeismo= maniqueismo; space craft= spacecraft; Torre Eifel= torre Eiffel.

    Comentário por Regia Mendonca — 01/12/2011 @ 17:56

  3. cidadizinha= cidadezinha

    Comentário por Regia Mendonca — 01/12/2011 @ 18:01


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: