Dicas de Roteiro

26/09/2011

A Jornada Cômica de John Truby

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:00
Tags: , ,

O artigo de hoje foi tirado do site Storylink e é de autoria do guru de roteirismo, John Truby:

comedy2

Escrever é uma arte, e, sem dúvida, é a arte mais complicada do mundo. É por isso que eu coloco tanta ênfase em técnicas específicas e práticas. Grandes palavras esotéricas e slogans inspiradores podem soar bem, mas eles não põem a história na página.

Arrasa-quarteirões são história
Verão é tempo de grandes filmes arrasa-quarteirão. O que a maioria das pessoas não percebe é que os arrasa-quarteirões não surgem das estrelas ou dos efeitos especiais. Eles surgem da história. Filmes de grande sucesso usam um número de técnicas singulares de história que o público ama. Muitas delas têm estado por aí por centenas, talvez milhares, de anos. Você apenas tem que saber o que elas são, e como aplicá-las em um roteiro.

Uma técnica que eu ensino no meu Curso de 22 Passos de Estrutura de História tem a ver com escrever comédia, um dos mais populares de todos os gêneros, e a fundação de vários arrasa-quarteirões de verão.

O Problema da Comédia
A comédia coloca um problema sem igual para quem deseja escrever um arrasa-quarteirão. Um verdadeiro arrasa-quarteirão é um com apelo mundial. O estúdio tem que ser capaz de vendê-lo fora dos Estados Unidos. Histórias de ação e histórias míticas viajam muito bem, porque são dois gêneros com base em uma linguagem universal. Mas a comédia está notoriamente presa ao seu lar de origem. O que é engraçado nos EUA pode não ser engraçado na Alemanha, Itália e Japão.

Vantagens da Jornada Cômica
A solução é uma técnica conhecida como a Jornada Cômica. A Jornada Cômica lhe dá uma série de vantagens ao tentar vender uma comédia para o mercado mundial. Primeiro, ela permite que você crie a comédia a partir da estrutura, e não do diálogo. Isso porque ela está usando a estratégia narrativa conhecida como ironia. A ironia diz que a vida é repleta de fracassos em alcançarmos nossos objetivos, ou chegarmos a um objetivo diferente do que pretendíamos. Aquele objetivo é a espinha dorsal da história.

Por que isto é tão valioso? Porque o diálogo é específico; a estrutura é universal. A estrutura viaja; o diálogo fica em casa.

Uma segunda vantagem da Jornada Cômica é que ela lhe dá os benefícios da viagem – tais como o movimento da história, a ação heroica e a mudança do personagem – e acrescenta os benefícios da comédia – como a ironia e o riso. Esta é uma combinação muito poderosa e popular.

Uma terceira vantagem da Jornada Cômica é que essa é uma excelente maneira de fazer crítica social, uma vez que o seu herói encontra muitas pessoas diferentes, de muitos estratos da sociedade, pelo caminho. Isso tende a dar à sua comédia um tema mais forte, o que é sempre uma boa ideia, e lhe permite povoar a sua história com uma riqueza de personagens divertidos e peculiares.

Chaves para a Jornada Cômica
Então, como você inicia uma Jornada Cômica? Comece concentrando-se no seu herói. Você provavelmente já ouviu falar do quão importante é para a comédia originar-se do personagem. Na Jornada Cômica, uma das maneiras de fazer isso é criar uma pessoa pomposa que encontra uma dura realidade, ou uma pessoa normal que encontra pessoas pomposas ou insanas. Note que, de qualquer forma, você cria um contraste cômico que lhe permite soltar os personagens, a fim de esvaziá-los ao longo do roteiro. Isto é crucial. Muitos filmes de comédia morrem após os primeiros 20 minutos porque o contraste cômico essencial desaparece.

A seguir, dê ao herói um objetivo que o force a viajar. Esta é a espinha dorsal da história e é a linha em que você pendura todos os seus encontros cômicos. Como a Jornada Cômica é inerentemente episódica, também é uma boa ideia dar a esse objetivo uma certa urgência. Quanto mais intensa a linha de desejo do herói, mais encontros cômicos você pode pendurar nela, sem que ela desabe.

Traga a família
Um dos melhores truques para uma grande Jornada Cômica é inventar uma razão para o herói levar a família junto no passeio. Mais uma vez, a natureza episódica da jornada é o seu maior problema. Numa história de Jornada Cômica, esta qualidade surge da sucessão de oponentes que o seu herói encontra ao longo do caminho. Cada vez que o seu herói encontra e supera um adversário, essa é uma mini-história. Daí a sensação episódica.

Mas se você trouxer a família no passeio, o herói tem uma oposição contínua que nunca vai embora. Você arranja um fio condutor para a jornada, bem como outros personagens além do herói que o público pode vir a conhecer e a investir.

O próximo truque é descobrir uma sequência lógica para o desfile de pessoas que o herói encontra. Esta é outra maneira de superar a sensação episódica da história, e é a principal maneira de você construir o seu tema satírico. Por exemplo, os personagens podem tornar-se progressivamente mais perigosos, mais pomposos, de classes mais altas, ou mais poderosos.

Acima de tudo, ao escrever a Jornada Cômica certifique-se de que os encontros do herói criem comédia, e não apenas conflito. Risadas só acontecem quando uma pessoa inflada é perfurada. Estruturalmente, existem apenas dois modos disso acontecer. Uma pessoa pomposa continua topando contra uma dura realidade, ou uma pessoa sã continua encontrando e expondo um bando de gente pomposa ou falsa. Em cada encontro alguém deve ser esvaziado, ou você estará desperdiçando a cena.

Se você quiser alguns modelos para estudar antes de escrever a sua Jornada Cômica, você tem muitos a escolher. Alguns dos mais famosos são Don Quixote, As Aventuras de Huck Finn, As Viagens de Gulliver, Pequeno Grande Homem, Os Irmãos Cara de Pau, Crocodilo Dundee, Thelma e Louise (uma Jornada Cômica de amizade que termina tragicamente), os filmes de férias do National Lampoon, Rain Man, Perfume de Mulher, Babe – O Porquinho Atrapalhado, e Procurando Encrenca.

A Jornada Cômica é apenas uma das centenas de técnicas de história que você pode usar para ser bem sucedido. A coisa mais importante é perceber que o sucesso vem de dominar o ofício. É preciso muito trabalho e muito estudo, mas as recompensas são tremendas.

pencils

Boa escrita pra você hoje! =)

Anúncios

3 Comentários

  1. Mais uma postagem arrasa-quarteirões , parabéns!
    Estou aqui lendo e aprendendo.

    Ariane Mevi

    Comentário por Ariane Mevi — 26/09/2011 @ 19:49

  2. Boa noite Valéria, olha eu aqui novamente, desta vez eu gostaria de tirar uma duvida: Quando for enviar o roteiro para algum agente ou produtora é certo ou errado sugerir o ator ou atriz para o papel de protagonista?
    Abração e boa noite

    Ariane Mevi

    Comentário por Ariane Mevi — 27/09/2011 @ 02:44

    • Oi, Ariane! 😀

      Na verdade, esse é um erro comum. Eu sei que a tentação é enorme, a gente quer ver o personagem que criamos ser levado às telas do jeito que imaginamos, mas o máximo que podemos fazer é (sutilmente) descrevermos o personagem com as características mais marcantes do ator ou atriz em questão, assim talvez o diretor e o diretor de elenco se inspirem a lembrar daquele profissional ao escolher quem interpretará o papel. Mais que isso, só mesmo a gente produzindo e/ou dirigindo o nosso roteiro. (E nem assim garantimos que aquele(a) ator/atriz queira trabalhar conosco. :-/ )

      E que bom que você está gostando e aproveitando os textos do blog, Ariane, isso é ótimo! Sabe, quando eu comecei, só tinha 1 (UM!!) mísero livro sobre roteirismo no mercado, e “The book is on the table” era a frase mais complexa que eu conhecia em inglês. A minha frustração era enooooorrrme!! Fui ralar num cursinho de línguas bem na época da democratização da internet no Brasil, e logo que eu tive um computador à disposição, descobri o universo de informações sobre esta arte que havia lá fora. Fiquei nas nuvens!! Mas logo em seguida, me senti muito angustiada por não ter nada daquilo na nossa língua, para que todo mundo pudesse aproveitar. Meu sonho era divulgar tudo para que outros também se sentissem nas nuvens como eu me senti quando as portas do conhecimento se abriram para mim. Infelizmente, eu não sou rápida nem hábil o suficiente para traduzir tudo o que eu quero e devo, mas com o trabalho de formiguinha espero ir movendo um grãozinho de areia por dia, quem sabe em muitos anos não dê para alguém subir no pequeno morrinho resultante e se sentir pelo menos um pouquinho mais perto das nuvens, né? Por isso, eu fico genuinamente feliz e grata por gente como você, que está aproveitando o conteúdo do blog e se inspirando e animando a escrever, registrando no papel os universos, personagens e histórias maravilhosas que estão escondidos dentro de si. Obrigada de coração por tornar o meu trabalho significativo, Ariane! Se Deus quiser, muito em breve essas histórias estarão pelo mundo, emocionando e tocando a mente e a alma de milhões de pessoas e tornando o mundo mais rico e mais belo. Estou aqui na torcida! =)

      Um beijo grande e obrigadão pela visita, Ariane! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 27/09/2011 @ 09:32


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: