Dicas de Roteiro

24/09/2011

Os Críticos Primeiros Dez Minutos de Um Episódio-Piloto

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:00
Tags: , ,

O artigo de hoje foi tirado do blog Screenwriting Goldmine, escrito por Phil Gladwin:

Alguém chamou um escritor

Alguém chamou um Escritor?

Eu passei um tempo fascinante no fim de semana. Atualmente, eu estou gastando muito do meu tempo tentando vender uma nova série de TV aqui no Reino Unido, e como parte deste exercício, eu sentei com um amigo e um monte de caixas de coletâneas de DVD.

Ao longo de um par de horas, nós assistimos os primeiros dez minutos de um grande número de episódios-piloto de TV.

Na verdade, foram, literalmente, os dez minutos de abertura e nada mais – nós usamos um cronômetro para nos certificarmos disso.

Nós descobrimos duas Regras muito claras que os melhores programas pareceram cumprir significativamente mais acentuadamente do que os de menor sucesso.

Isso é narrativa básica, realmente, mas veio como um lembrete muito, muito oportuno para mim, que estou planejando um episódio-piloto no momento, e estava me permitindo todo o Ato 1 para chegar ao mundo real do programa. Depois deste fim de semana, eu sei que esse é um grande erro.

Eu estou transmitindo isso, não como uma grande sabedoria qualquer – para ser honesto, eu deveria ter sido capaz de destacar isso para todos vocês anos atrás – mas como algo que vocês podem achar interessante, e como um exemplo de como vocês podem de fato aprender assistindo as coisas com um distanciamento analítico. (Como se você precisasse se convencer disso, né?)

Regra 1: Entre nos domínios do seu programa nos primeiros 10 minutos. Se o programa será, na sua essência, sobre um chefe da máfia tendo problemas com sua família e indo a um psiquiatra, então mostre isso a todos nós nos primeiros 10 minutos.

Se tratar-se de uma cabeleireira que vai ter problemas com seu casamento, mostre-nos a mulher, mostre-nos os cabeleireiros, mostre-nos o seu homem, mostre-nos porque eles têm problemas, e nos dê o cara que vai ser o cuco no ninho.

Se for um programa de crianças sobre uma senhora na porta ao lado que luta contra alienígenas, mostre-nos as crianças, mostre-nos a sua realidade, e mostre-nos a senhora da porta ao lado lidando com alienígenas.

Simples e óbvio, mas quantos de vocês seriam tentados a ir por um caminho mais oblíquo? Eu sei que eu seria, até ter sentado lá e visto, com os meus próprios olhos, a velocidade com que esses programas chegaram ao ponto.

Regra 2: Mostre-nos o seu personagem principal (ou o personagem-foco do episódio, se for um verdadeiro programa de conjunto), e nos dê algumas contradições intrigantes sobre eles, muito, muito rápido.

Se o chefe da máfia é um cara legal mas tem a capacidade de uma violência terrível, você pode nos mostrar essas duas coisas. Se se esperasse que os caras com quem você está lidando fossem policiais truculentos, mas na verdade eles são inteligentes e articulados, bem, certifique-se de conceber uma apresentação para mostrá-los sendo inteligentes, articulados, e tendo soluções espertas em seu trabalho, conforme eles fazem seu trabalho.

Pense como um comerciante do mercado. Exiba a sua barraca!

Nós gastamos cerca de uma hora neste exercício, e foi divertido, e não fomos rigorosos demais nisso. Eu suspeito que se tivéssemos sentado lá e realmente analisado as ​​coisas, teríamos encontrado muito mais regras, mas essas duas foram as grandes. Se você fizer isso também, eu tenho certeza de que vai descobrir todo um conjunto de verdades que você pode não ter suspeitado de que existiam antes.

O que é particularmente fascinante foi a maneira que os programas dos quais você não deve ter ouvido muito tenderam a falhar nisto de algum modo, e como os programas que se tornaram lendas cumpriram isso com muita clareza.

E ISSO é definitivamente algo para se pensar.

Em geral, eu recomendo fortemente que você se acostume com a ideia de assistir um monte de material assim, cronômetro na mão. Mantenha registros de quando momentos particulares ocorrem – quanto tempo você avança nos filmes e nos episódios de TV antes dos personagens principais, grandes reviravoltas e momentos de apresentação ocorrerem. Veja se você consegue ver padrões em diferentes filmes. É incrível o que até mesmo alguns experimentos como este irão revelar.

========================

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

6 Comentários

  1. Mais uma postagem maravilhosa, como sempre, esta de parabéns.

    Ariane Mevi

    Comentário por Ariane Mevi — 24/09/2011 @ 11:38

    • Oi, Ariane! 😀

      Puxa, obrigada! Saber que gostou ilumina o meu dia. Valeu mesmo! =)

      Comentário por valeriaolivetti — 25/09/2011 @ 08:20

  2. Olá, Valéria.
    Simplismente adorei este post. Estarei aguardando pelo “How To format a Tv Script”. É muito as vezes aprender mais e mais.
    Enfim, eu tenho uma pergunta (voltei as perguntas), mas tipo: Acabei um roteiro… Eba! Um piloto e sinto que está perfeito, eu estava lendo o post sobre reescrever e vou esperar um pouco para eu começar a reescrever. Então, quando eu começo o segundo episódio ? Assim que eu acabar a primeira versão, ou esperar a versão reescrita ?

    Um abração e uma ótima semana.
    Igor

    Comentário por Igor — 25/09/2011 @ 13:53

    • Oi, Igor! 😀

      Pode aguardar, o texto está ficando bacana, ontem mesmo eu dei uma boa adiantada nele! Quanto à pausa para reescrever, eu creio que isso é de cada um. Eu, por exemplo, dou cerca de um mês para voltar ao episódio e reescrevê-lo, mas para não ficar parada, eu trabalho no episódio seguinte durante este tempo. Só que tem uma coisa: a minha série tem histórias diferentes em cada capítulo, se você está escrevendo uma série em que a história é contínua durante a temporada toda, acho que não deve ser muito bom continuar algo que você pode acabar mudando radicalmente na reescrita do primeiro episódio. Que tal escrever alguns argumentos de longas durante uma ou duas semanas, ou até mesmo um par de curtas — por que não? Assim você não perde o hábito da escrita e dá uma arejada nas ideias para poder voltar à sua história com uma perspectiva nova e revigorada. Com o tempo, você encontrará o seu estilo de trabalho e o melhor modo de manter a criatividade fluindo — O importante é não parar nem desanimar.

      Um abração, Igor, uma ótima semana pra você também! =)
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 26/09/2011 @ 11:32

  3. Excelente post, Valéria!

    Realmente, os primeiros dez minutos, seja de um filme ou de um episódio piloto tem que deixar o público ciente do que é esse filme. E a partir daí dar seguimento ao roteiro.

    E, mais importante ainda, é a questão da pesquisa, da análise de filmes, para conhecer esse que é o nosso mundo. Isso é essencial.

    É isso, Valéria!

    Um beijão.

    Comentário por Paulo Henrique — 25/09/2011 @ 17:12

    • Oi, Paulo Henrique! =)

      Realmente, isso me abriu os olhos! Eu já sabia que os dez primeiros minutos eram fundamentais nos longas cinematográficos, mas nunca percebi que eles também tinham essa importância num seriado cuja história se desenvolve durante uma temporada inteira. É muito interessante descobrir isso, a gente não pode mesmo bobear. Estudar, pesquisar, analisar, não importa quanto tempo se passe, estaremos sempre descobrindo coisas novas. Mas isso que é fascinante, não é mesmo? O aprendizado nunca será um peso se fizermos o que amamos, mas sim um incentivo a descobrirmos coisas novas e nos aventurarmos por novos caminhos. A aventura da vida! :mrgreen:

      Um beijo grande, Paulo, uma ótima semana pra você! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 26/09/2011 @ 11:46


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: