Dicas de Roteiro

11/09/2011

“Dez Regras Para Escrever Ficção”: Michael Morpurgo

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:00
Tags: ,

Esta é mais uma lista de dicas tirada do site do jornal britânico The Guardian:

maquinas-de-escrever-05

1. O pré-requisito para mim é manter o meu poço de ideias cheio. Isto significa viver uma vida tão completa e variada quanto possível, para ter as minhas antenas esticadas o tempo todo.

2. Ted Hughes me deu este conselho, e ele faz maravilhas: registre momentos, impressões fugazes, diálogos entreouvidos, as suas próprias tristezas, confusões e alegrias.

3. A noção de uma história é para mim uma confluência de acontecimentos reais, históricos, talvez, ou da minha própria memória, para criar uma fusão emocionante.

4. É o tempo de gestação que conta.

5. Uma vez que o esqueleto da história esteja pronto, eu começo a falar sobre ela, principalmente para Clare, minha esposa, sondando-a.

6. No momento em que me sento e encaro a página em branco, eu estou entusiasmado para avançar. Eu a conto como se estivesse conversando com o meu melhor amigo ou um dos meus netos.

7. Uma vez que um capítulo é esboçado – eu escrevo com letras muito pequenas para não ter que precisar virar a página e encarar a próxima vazia – Clare o coloca no processador de texto e imprime-o, às vezes com os seus próprios comentários acrescentados.

8. Quando eu estou lá no fundo de uma história, vivendo-a conforme escrevo, eu sinceramente não sei o que vai acontecer. Eu tento não me impor a ela, não brincar de Deus.

9. Uma vez que o livro esteja terminado em sua primeira versão, eu o leio em voz alta para mim mesmo. Como ele soa é extremamente importante.

10. Com toda edição, não importa o quão sensível – e eu tenho tido muita sorte aqui – eu reajo de mau humor no início, mas depois eu sossego e vou em frente, e um ano depois eu tenho o meu livro em minha mão.

=========================

Boa escrita pra você hoje! =)

Anúncios

2 Comentários

  1. Excelente, Valéria!!!

    Esta, talvez tenha sido a melhor lista de dicas até aqui.
    Muito boas.

    A nº 2 é excelente, registrar todos os momentos, sentimentos e acontecimentos. Um dia quem sabe isso pode ser útil. Na verdade, em todo roteiro que você tiver fazendo será útil.

    A 5, então. Falar sobre é muito interessante, para poder perceber a história, senti-la. E fazer com a própria esposa deve ser muito bom. É sempre bom uma opinião diferente.

    Beijos, Valéria!!!!!

    Comentário por Paulo Henrique — 12/09/2011 @ 09:03

    • Oi, Paulo Henrique! 😀

      Que bom que você gostou! Eu seguia a nº 2 com frequência, antes eu tinha diários, depois passei a fazer simples anotações, mas ultimamente tenho andado preguiçosa, preciso voltar urgentemente a isso, é uma excelente maneira de encher o poço. O único problema é que com a internet o volume de informações e curiosidades interessantíssimas aumentou tanto e com uma velocidade tão espantosa que fica difícil a gente registrar tudo o que nos marca ou assombra. Mas é necessário dar um jeito de fazer isso, essa é uma técnica muito importante, e funciona!

      A nº 5 tem seus prós e contras. Eu costumo fazer a primeira versão do roteiro antes de mostrá-lo para os outros. Porque só na primeira versão que eu vou vendo as contradições, os furos de enredo, a pobreza no desenvolvimento de personagens e da história. E é uma ralação pra corrigir. Por isso, se eu mostro a história na sinopse ou no argumento, inevitavelmente me dirão que a história é fraca e mal desenvolvida (o que de fato é verdade).

      Se eu não faço isso, as pessoas ficam querendo escrever outra história no lugar, mudar tudo o que eu queria dizer, tentando inventar elas mesmos o que faltou. Aí fica aquele mal-estar chato, né? Por isso que é bom a gente ter a história o mais engrenada possível antes de mostrá-la, para evitar desgostos de ambas as partes. Mas depois de tudo consertado e arrumadinho, as reações são bem diferentes, por isso vale a pena o esforço. :mrgreen:

      Um beijo grande, Paulo Henrique, gostei muito da visita! 😀 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/09/2011 @ 13:17


RSS feed for comments on this post.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: