Dicas de Roteiro

06/09/2011

“Cinco Regras Para Escrever Ficção”: P.D. James

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:01
Tags: ,

Esta lista de dicas foi tirada do site do jornal britânico The Guardian:

teclas de máquina de escrever

1. Aumente o poder de suas palavras. As palavras são a matéria-prima do nosso ofício. Quanto maior o seu vocabulário, mais eficaz a sua escrita. Nós, que escrevemos em inglês, somos sortudos de termos a língua mais rica e mais versátil do mundo. Respeite isso.

2. Leia abundantemente e com discriminação. Escrita ruim é contagiosa.

3. Não apenas planeje escrever – escreva. É somente escrevendo, não sonhando com isso, que desenvolvemos o nosso próprio estilo.

4. Escreva o que você precisa escrever, não o que é atualmente popular ou o que você acha que vai vender.

5. Abra a sua mente para novas experiências, particularmente para o estudo de outras pessoas. Nada do que acontece com um autor – por mais feliz que seja, por mais trágico que seja – é jamais desperdiçado.

==============================

Eu me pergunto seriamente quantas línguas do mundo esta escritora já estudou a fundo para afirmar com tanta veemência que o inglês é a língua mais rica e mais versátil do mundo. Francamente. De resto, até que as dicas são boas.

E boa escrita pra você hoje!

Anúncios

7 Comentários

  1. Perdoe a minha ignorancia mas se get it e get that faz uma lingua versatil, o ingles pode ate ter uma chance! A sujeita me faz pensar nos alemaes que pensavam que so se podia se filosofar na lingua deles.. alias, fossemos crer e teriamos todos ido cheirar gas por nao nascermos arianos… que mania um tem de acreditar ter nascido parte de um povo escolhido, ou que aquilo que se adventa e’ inacessivel a outros humanos… mentalidade bitolada, pequenes, de quem so enxerga o proprio umbigo porque a barriga esta estourando… o que sera que ela quer dizer com rica? Que vale mais dolares? Que tem mais cores? Que exerce mais poder? Que tem mais detalhes? Que tem mais vocabulos? Embora o ingles possa ter mais de um milhao e 200 mil vocabulos, contra uns 400 mil da lingua portuguesa, numero nao significa riqueza nem versatilidade… experimente um Fernando Pessoa para saber com quantos paus se faz a canoa!

    Comentário por Regia Leila — 06/09/2011 @ 12:14

  2. Alem disto, esta regra numero 1 vai de encontro a outras duas regras propostas pela outra autora:
    4. A menos que você esteja escrevendo algo muito avant-garde – todo retorcido, emaranhado e “obscuro” – esteja alerta para as possibilidades de paragrafação.
    5. A menos que você esteja escrevendo algo muito pós-modernista – auto-consciente, auto-reflexivo e “provocador” – esteja alerta para as possibilidades do uso de palavras familiares comuns no lugar de palavras polissilábicas “grandes”.

    E obvio que um maior vocabulario da mais possibilidades ao escritor de obter um melhor trabalho, mas dai a pensa que escreve melhor quem conhece mais palavras e uma grande bobagem….

    Comentário por Regia Leila — 06/09/2011 @ 12:19

    • Oi, Regia Leila!

      Concordo em número e grau contigo. Acho que este tipo de pretensão é comum em países que estão dominando culturalmente o resto do mundo. Na época de meus pais, há uns 50, 60 anos, o francês ocupava este lugar. Esta seria a língua mais bela, a mais chique, a mais especial de todo o planeta. Você não seria “gente”, não seria “civilizado”, se não falasse francês. E agora, quem pensa e diz isso? Sabe-se lá qual língua dominará daqui a 50 anos, o chinês talvez, e as pessoas repetirão esta mesma ladainha. Elas confundem dominação cultural com superioridade cultural. É só mudar a política e a economia dos países, que a dominação cultural (e por consequência, o prestígio) muda radicalmente, de acordo com a direção dos ventos da História. A mudança vem para todos os países e culturas, mais cedo ou mais tarde, e traz sempre um ponto de vista diferente para todos nós, para vermos as coisas sob nova perspectiva. Acredito que isto também acontecerá com esta escritora, se ainda ela estiver viva para ver.

      Muito legal suas observações, Regia Leila, obrigadão pela contribuição!
      Um grande abraço,
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 06/09/2011 @ 13:58

  3. É, também não gostei muito da forma como ela escreveu a primeira dica. Poderia ter colocado “uma das mais”, e não “a”; mas gostei das dicas.
    =)
    Tô precisando escrever mais!

    Comentário por Milton G. Machado — 07/09/2011 @ 20:22

    • Se ela tivesse dito “uma das mais” já seria pretensioso, mas daria pra passar, só que eu acho que ela acredita mesmo que fala e escreve na melhor língua do planeta. Não deixa de ser algo infantil, mas enfim…

      *suspiro*

      E eu também tô precisando escrever mais!

      Ai ai… *suspiro duplo*

      Comentário por valeriaolivetti — 08/09/2011 @ 10:50

  4. Boas dicas ;D

    Comentário por Marcos Volk — 07/09/2011 @ 21:12

    • Que bom que gostou, Marcos! Obrigada pela visita! 😀

      Comentário por valeriaolivetti — 08/09/2011 @ 10:45


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: