Dicas de Roteiro

05/09/2011

“Dez Regras Para Escrever Ficção”: Anne Enright

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:00
Tags: ,

Esta lista foi tirada do site do jornal The Guardian:

teclado_maquina_escrever

1. Os primeiros 12 anos são os piores.

2. O modo de escrever um livro é efetivamente escrever um livro. Uma caneta é útil, digitar também é bom. Continue colocando palavras na página.

3. Apenas maus escritores pensam que seu trabalho é realmente bom.

4. Descrição é difícil. Lembre-se de que toda descrição é uma opinião sobre o mundo. Encontre uma posição para defender.

5. Escreva de qualquer maneira que você goste. Ficção é feita de palavras em uma página; a realidade é feita de outra coisa. Não importa o quão "real" a sua história seja, ou o quão "inventada": o que importa é a necessidade dela.

6. Tente ser preciso sobre as coisas.

7. Imagine que você está morrendo. Se você tivesse uma doença terminal, você terminaria este livro? Por que não? A coisa que irrita este eu com 10 semanas-para-viver é a coisa que está errada com o livro. Então, mude-a. Pare de discutir consigo mesmo. Mude-a. Vê? Fácil. E ninguém teve que morrer.

8. Você também pode fazer tudo isso com uísque.

9. Divirta-se.

10. Lembre-se, se você se sentar em sua mesa por 15 ou 20 anos, todos os dias, sem contar fins de semana, isso muda você. Simplesmente muda. Pode não melhorar o seu temperamento, mas corrige outra coisa. Isso o torna mais livre.

=========================

Boa escrita pra você hoje! =)

Anúncios

6 Comentários

  1. Muito legal, eu gostei das regras 3 e 9

    Apesar da 1 ter me desanimado um pouco rsrsr

    Comentário por Leandro Leite (@LeandroLeite_) — 05/09/2011 @ 11:53

  2. escrever nao tem regra… a nao ser as gramaticais…que o diga a minha colecao impublicavel de zillions de poemas, uma boa parte em guardanapos, envelopes de cartas e porque nao dizer papel higienico que teriam ja se degradados no ambiente se nao fosse aquilo que registrei neles (e salvei por vicio em guardar o que escrevo em papel descartavel)… o que tem regras sao formatos como roteiros, romances, contos, piadas, cada um tem suas regras para se adaptar ao fim que se destina… porque escrever? Pela mesma razao que escovamos os dentes, para mante-los em bom estado/ manter nossa capacidade criativa em forma porque o que nao se poli se embasca. E porque reescrever? Para dar brilho ao assoalho, porque a primeira cera quase sempre mela.

    Se voce gosta de escrever no escuro, curta sua habitude, e se sua mae queixa-se que voce nao a ajuda porque esta sempre escrevendo, diz a ela que esta preparando curriculos…

    beijos

    Comentário por Regia Leila — 05/09/2011 @ 15:22

  3. Oi Valéria!!!

    O nº 7 é muito interessante.

    Já o nº 8 é totalmente o contrário do seu post de outro dia. Mostra que cada pessoa tem o seu estilo de escrever, de lidar com esse processo difícil da escrita.

    Em relação ao nº 3, mostra como o escritor/roteirista sempre deve pensar em como melhorar o seu livro/roteiro. Deve-se fugir do comodismo.

    Enfim, Valéria, mais um belo post, com grandes dicas.

    Abraços!!!!!

    Comentário por Paulo Henrique — 05/09/2011 @ 17:10

  4. Oi, Leandro, Regia Leila e Paulo Henrique!

    Você está certa, Regia Leila, na verdade, essas não são exatamente “regras”, mas sugestões – cada um irá acolher aquelas com que mais se identificam, ou que acham mais necessárias ao seu trabalho. Ah, e a sua metáfora de reescrita foi ótima! Perfeita! Rs!

    Eu também achei muito legais as número 3 e 9, deveriam estar sempre em nossas mentes, para não cairmos nem na arrogância (e no comodismo, como você bem disse, Paulo) nem no trabalho rotineiro chato e burocrático (sem diversão, é melhor desistir, escrever já é difícil o suficiente, não é mesmo?).

    A número 7 é bem drástica. Nunca pensei nisso, pode até funcionar, mas não estou muito a fim de experimentar, não! Rsrs!

    A número 8 é o exemplo perfeito de como “cada cabeça, uma sentença”. Eu ainda prefiro deixar a minha escrita bem longe do álcool. O meu fígado agradece de joelhos! :mrgreen:

    E, finalmente, a número 1 é mesmo um balde de água fria, mas o consolo é saber que a persistência, a disciplina e o estudo sério serão sempre muito bem recompensados. Eu realmente acredito nisso de corpo e alma.

    Um abração, Leandro, Regia Leila e Paulo Henrique! Obrigada pelos comentários, eu adoro essa interação! 😀
    Valéria Olivetti

    Comentário por valeriaolivetti — 06/09/2011 @ 13:35

  5. Que bom, descobri que não sou um mau escritor! Nunca acho o que escrevo bom o suficiente.
    Gostei da dica 5 porque ultimamente estou escrevendo muito para os outros, quando deveria escrever sobre o que eu gosto, para mim, para que eu goste. A opinião dos outros sobre isso tem que ser a consequência e não o motivo…

    Estou adorando esses posts!

    Comentário por Milton G. Machado — 07/09/2011 @ 20:08

    • Rsrs! É, estamos juntos nessa, também acho que tudo o que eu escrevo é uma porcaria, não importa o que os outros digam, eu nunca estou satisfeita. Mas, por outro lado, isso também é terrível. 🙄

      E o número 4 tem a ver com o 5. Se a gente declara nosso ponto de vista sobre a vida e o mundo, no fundo já estamos escrevendo para nós mesmos e, junto com o nº 5 e o 9, chegamos ao 10: nós realmente mudamos nossa personalidade com a coragem e a disciplina de escrever, ao longo dos anos. E esse é o maior pagamento que podemos receber pelo nosso trabalho (os milhões de dólares vêm em segundo lugar. Rsrs! :mrgreen: )

      Comentário por valeriaolivetti — 08/09/2011 @ 10:59


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: