Dicas de Roteiro

11/08/2011

História

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:00
Tags: , , ,

Olá! Hoje temos um artigo bacana do site Film School Online, que tem um curso interessante de cinema, com mais de 300 páginas sobre Roteiro, Direção, Fotografia, Edição, Som e Produção, ou seja, cobre todas as matérias práticas de uma faculdade de Cinema. Esses cursos são pagos, mas baratíssimos perto da maioria dos cursos presenciais de um mês de duração que existem por aí. O texto a seguir é um dos sete artigos gratuitos que eles disponibilizaram como exemplos (eu traduzirei todos eles este mês):

História

Os Fundamentos da História

O roteiro conta uma história usando personagens e ação.A armadilha mais comum ao escrever o roteiro é fazê-lo unidimensional. Histórias que se concentram demais na ação tendem a ser superficiais, enquanto aquelas que se concentram demais nos personagens tendem a ser enfadonhas. As melhores histórias evitam isso desenvolvendo uma ação claramente definida e personagens complexos e realistas. Ambos estes ingredientes são essenciais para o valor temático e de entretenimento de um roteiro.

Para alcançar este equilíbrio, o personagem principal, ou protagonista, deve estar envolvido em duas linhas de história. Uma linha de história lida com a sua motivação externa, e a outra lida com a sua motivação interna. As histórias interna e externa são concretizadas através de conflito e tema.Vamos dar uma olhada nestes elementos:

Motivação Externa

A motivação externa é sobre o objetivo exterior do protagonista (ou seja, desejo). Este objetivo deve ser tangível e se manifestar em ação física. A ação não precisa ser de alta energia, mas deve ficar claro para o público. A motivação externa é resolvida quando o protagonista tem sucesso ou fracassa em alcançar o seu objetivo.

A motivação externa é relativa à ação física, de modo que ela fornece a maior parte do valor de entretenimento do roteiro. Ela se move a história para a frente, mantendo o público interessado no resultado. Sem uma forte motivação externa, há pouca aceleração e o resultado é um roteiro chato.

Em O Poderoso Chefão, a motivação externa de Michael é vingar o fuzilamento de seu pai. Em Rocky – um Lutador, a motivação externa de Rocky é vencer a luta pelo campeonato.

Rocky – um Lutador

Motivação Interna

A motivação interna é sobre a necessidade interior do protagonista (ou seja, falha de caráter). Ela não é plenamente reconhecida pelo protagonista, apesar do fato de ela governar o jeito negativo como ele trata a si mesmo e as pessoas que se importam com ele. A motivação interna pode ser a culpa, a ambição ou o egoísmo, para citar alguns. Ela é resolvida quando o protagonista a reconhece e a supera.

A motivação interna é geralmente causada por uma experiência traumática do passado do protagonista. A motivação interna é, em última análise, sobre relacionamentos, então é deste modo que o personagem e o tema são explorados.

Em O Poderoso Chefão, a história interna de Michael é sobre a sua transformação em um assassino impiedoso. Embora ele siga os passos de seu pai para se tornar o Don, ele faz isso sem nada da compaixão de seu pai, matando igualmente os inimigos e os membros da família. Diferentemente da maioria dos protagonistas, Michael mostra um crescimento negativo no final da história, ao invés de positivo.

Em A Escolha de Sofia, Sophie é assombrada pela culpa depois de ser forçada a escolher qual de seus dois filhos deveria morrer numa câmara de gás nazista.

A Escolha de Sofia

Motivação Interna x Externa – A motivação interna dá profundidade à história porque ela explora personagem e tema. É, no entanto, lenta e depende muito da motivação externa para fisgar o público com ação excitante. Por esta razão, a motivação externa é chamada de espinhado roteiro.

Conflito

Conflito

Conflito é a oposição entre os personagens. Quando defrontado com o conflito, o protagonista é forçado a agir. Conforme a história avança, cada novo conflito deve tornar-se aparentemente mais intransponível e exasperador do que o anterior. Em última análise, o protagonista deve desenvolver um plano de ação para ter sucesso.

Ambas as histórias interna e externa devem conter conflito. A história externa envolve o conflito com um adversário que impede o protagonista de alcançar o seu objetivo. A história interna envolve o conflito com um aliado, tal como um interesse amoroso ou um amigo, que está tentando ajudar o protagonista. A história interna lida com uma luta pessoal, por isso dá ao protagonista profundidade e realismo.

O conflito pode ser na forma de uma disputa, um desafio, uma deficiência, uma decisão, uma ameaça ou um obstáculo. Ele cria tensão na plateia e curiosidade em relação ao resultado. Isso contribui para uma história interessante e que se movimenta rápido. Conflito, portanto, é o elemento mais eficaz da história para manter o público envolvido. É a essência do drama!

Tema

Boa escrita pra você hoje! =)

Anúncios

5 Comentários

  1. Muito Legal!
    Acho que descobri o que pequei no meu ultimo roteiro! Ficou muito superficial. Apesar de ja pensava assim.. Agora eu sei o porque eu pensava assim.
    E no entando, acho que nesse meu novo roteiro, estou conseguindo manter o equilibrio.

    Comentário por Douglas Cavalcante — 11/08/2011 @ 22:19

    • Que bom que você gostou! Isso que você passou acontece comigo o tempo todo: sempre que eu aprendo algo novo, fico me perguntando por quê eu não coloquei aquilo no meu roteiro (depois que a gente aprende, parece tão óbvio!), e tenho que correr para corrigi-lo. A técnica de escrever roteiros é um universo imenso, quando eu comecei, nunca poderia imaginar que passaria tanto tempo estudando e ainda estaria diariamente aprendendo! Mas, talvez também por esta razão, isso é muito divertido! :mrgreen:

      Um abração, Douglas, e um ótimo fim de semana pra você! =)
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/08/2011 @ 09:37

  2. Boa noite, Valéria.
    Estou “tentando” montar um desenho de animação e achei no seu blog muitas informações que me ajudaram muito.
    Gostei principalmente da forma clara e objetiva como você expõe cada elemento, o que facilita a avaliação e aplicação em nosso próprio trabalho.

    Muito obrigado pela ajuda, tudo de bom e boa sorte sempre!

    André Oliveira.

    Comentário por André Oliveira — 14/08/2011 @ 20:07

    • Oi, André!

      Desculpe a demora na resposta, é que eu estive tão atarefada que nem pude passar no blog nos últimos dois dias (eu já tinha até deixado os posts adiantados e agendados por causa disso). Mas estou super feliz que você esteja aplicando os textos que traduzo na sua animação. Aliás, dei uma passadinha no seu blog, e A-M-E-I!!! Para quem gosta de desenho é maravilhoso! Eu não desenho chongas, mas adoro esta área. Você está de parabéns, estou torcendo para que você complete o seu filme logo, para que todos nós possamos assisti-lo! 😀

      E logo que este dia chegar, não esqueça de passar aqui pra divulgá-lo! Vou fazer um post só pra ele! :mrgreen:
      Um abração, André, boa sorte e muito sucesso! =D
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 16/08/2011 @ 09:39

  3. Oi, Valéria!

    Eu estava justamente escrevendo um post para falar ao pessoal sobre as dicas que consegui com seus textos.

    Nossa, obrigado pelo incentivo! 😀
    Estou na luta aqui para aprender a operar o programa de animação (Flash) mas, com calma, (diz a lenda que) eu chego lá.
    (Sou da época dos “mil novecentos e mesa de luz”)

    Mais uma vez, grande abraço e te aviso quando o trabalho estiver pronto!

    André Oliveira.

    Comentário por André Oliveira — 16/08/2011 @ 11:37


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: