Dicas de Roteiro

10/07/2011

As 12 Perguntas Essenciais Que Todo Escritor Deve Responder – Parte 4

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:14
Tags: , , ,

Aqui está a quarta parte de nossa série tirada do site Storymind e de autoria de Melanie Anne Phillips:

pergunta3

3. A Abordagem do Personagem Principal – Fazer ou Ser

Alguns dos personagens que você cria como autor escolherão Fazer, eles tentam realizar seus objetivos através de atividades (fazendo as coisas). Outros personagens escolhem Ser, eles tentam realizar seus objetivos trabalhando-os internamente (sendo de certo jeito). Quando se trata do Personagem Principal, esta escolha de Fazer ou Ser terá um grande impacto sobre a forma como ele aborda o problema da história. Se você quiser que o seu Personagem Principal prefira resolver os problemas externamente, escolha o tipo Fazer. Se você quiser que o seu Personagem Principal prefira resolver os problemas através do trabalho interno, escolha o tipo Ser.

Abordagem: o tipo de técnicas que um personagem usa para resolver problemas, os quais favorecem ou o esforço mental ou o físico.

Por temperamento, os Personagens Principais (como cada um de nós) têm um método preferencial de abordar Problemas. Alguns preferem adaptar o seu ambiente a si mesmos através da ação, outros preferem adaptar o seu ambiente a si mesmos através da força de caráter, do carisma e da influência. Não há nada intrinsecamente certo ou errado com cada Abordagem, no entanto, isso afeta o modo como alguém irá responder aos Problemas. Escolher "Fazer" ou "Ser" não impede um Personagem Principal de usar a outra Abordagem, mas apenas define o modo provável de ele Abordar primeiro um Problema, usando o outro método somente se o primeiro falhar.

Exemplos de personagens do tipo Fazer são John McClane (interpretado por Bruce Willis) em Duro de Matar, ou Harry Callahan (Clint Eastwood) em Perseguidor Implacável. A novata agente do FBI, Clarice Starling (Jodie Foster), em O Silêncio dos Inocentes também responde instintivamente aos eventos através da ação, razão pela qual seu supervisor acredita que ela vai se tornar uma boa agente do FBI quando se formar do treinamento.

Um exemplo de um personagem do tipo Ser com uma abordagem intrínseca à resolução de problemas através da deliberação é Frank Horrigan (interpretado por Clint Eastwood) no filme Na Linha de Fogo.

Advogado Ned Racine (interpretado por William Hurt) em Corpos Ardentes também é do tipo Ser. Ele parece impulsivo em matéria de amor, mas delibera sobre as suas opções antes de concordar em ajudar a sexy Matty Walker (Kathleen Turner) a herdar a fortuna de seu marido.

O tipo Ser pode parecer uma vítima em uma história onde as ações precedem as decisões. Em uma história influenciada pelas decisões, entretanto, o de tipo Ser é frequentemente o mentor ou o supervisor nos bastidores, colocando freios nos personagens que são do tipo Fazer. Em uma série policial de TV como Lei & Ordem, um tipo Ser pode ser o Chefe de Polícia ou o Promotor, em vez de um Detetive sob disfarce ou um Promotor Público Assistente, cujo trabalho é processar criminosos no tribunal.

Muitas duplas famosas de filmes contêm tanto um tipo Ser e um Fazer, como Butch e Sundance (interpretados por Paul Newman e Robert Redford) em Butch Cassidy, os personagens-título de Thelma & Louise (Geena Davis e Susan Sarandon) ou Billy Ray Valentine e Louis Winthorpe III (Eddie Murphy e Dan Ackroyd) em Trocando as Bolas.

Exemplos de personagens tipo Fazer e Ser:

FAZER SER
John McClane, Duro de Matar Ned Racine, Corpos Ardentes
Harry Callahan, Perseguidor Implacável Frank Horrigan, Na Linha de Fogo
Clarice Starling, O Silêncio dos Inocentes Laura, À Margem da Vida
Frank Galvin, O Veredicto Francine Hughes, Cama Ardente
Dr. Richard Kimble, O Fugitivo William Munny, Os Imperdoáveis
Luke Skywalker, Guerra Nas Estrelas  
James Bond, todos os filmes de James Bond  

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

4 Comentários

  1. Oi,queria saber como mandar fazer uma carta de apresentação,sabe,apresentar uma série.Já vi q vc tem um post falando sobre isso,mais não sei,se esse post se aplica a carta de recomendação para uma série.Quantas temporadas eu tenho q escrever,para mim apresentar o meu trabalho?Outra pergunta é,quando vc escreve uma cena de novela a parte que tem fotos,imagens,exemplo do Rio de Janeiro,praia e tal é vc q coloca no roteiro?bjs!

    Comentário por Lorena — 11/07/2011 @ 18:39

    • Oi, Lorena!

      O exemplo daquele post se aplica a séries também, só que você vai escrever a sinopse da série como um todo e, se quiser, em outro parágrafo, a sinopse do episódio que você está enviando para análise. Quando os americanos criam uma série em especulação, geralmente eles escrevem a sinopse e o argumento de todos os episódios da primeira temporada (que geralmente tem uns 12 episódios, a metade de uma temporada normal) e escrevem um, dois ou até três episódios antes de enviar um deles (o melhor) pra um agente ou produtor. Você decide quantos acha que precisa ter prontos para se garantir. Tem gente que planeja várias temporadas antes de escrever a primeira. Se você tem ideias para preencher tantas temporadas assim, aproveite pra botar logo no papel, acho que não custa nada, e você só tem a ganhar com isso, mas não precisa enviá-las pra ninguém, é só para deixar registrado, para uso futuro.

      Quanto a imagens no roteiro, em qualquer tipo de roteiro que seja, de filme, série, novela, a gente nunca põe nenhuma imagem nele, mesmo que tenhamos lindas fotografias do cenário que estamos descrevendo, mesmo que façamos desenhos incríveis daquele mundo alienígena que criamos. Tudo deve ser descrito apenas com palavras, sempre. Adicionar qualquer desenho, foto ou imagem num roteiro é um dos sinais mais gritantes de amadorismo, e o agente/produtor pode rejeitá-lo só de folheá-lo, sem nem lê-lo, só por causa das figuras.

      É isso, Lorena, espero ter ajudado!
      Um abraço grande,
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/07/2011 @ 12:11

  2. Oi Valéria, tenho lido seus posts e tenho gostado bastante. Tem sido muito útil para mim, tenho resolvidas muitas dúvidas minhas. Para quem ama esse mundo de roteirista ver um blog como o seu serve de grande ajuda nas nossas frequentes dúvidas. Esta sua série atual então, em 13 partes, está me deixando ansioso para ler cada post.

    Seu trabalho é espetacular, primoroso. O tempo que você deve perder para traduzir e organizar tudo deve ser tão grande quanto o prazer de compartilhar conosco todas essas informações e visões sobre roteiro.

    Antes dos agradecimentos, quero saber como você está, se ainda está doente. Espero, realmente, que você esteja muito bem.

    Bom! Muito obrigado e mais uma vez parabéns pelo seu trabalho. Continue nos brindando com seu blog.

    Um beijo grande!!!!!

    Comentário por Paulo Henrique — 20/07/2011 @ 16:17

    • Oi, Paulo Henrique! 😀

      Antes de tudo, muitíssimo obrigada pelas suas lindas palavras de força e incentivo, fico super feliz que o blog esteja ajudando e inspirando, e você está certíssimo, todo o trabalho compensa pela alegria de caminhar lado a lado de gente como você, que tem tanto amor e carinho por esta arte e ofício quanto eu — poder compartilhar esta paixão é a melhor coisa do mundo!!

      E você também estava certo: estive muito doente. Já nem me lembro mais de quanto tempo estou acamada, mas faz mais de um mês. Um dos meus irmãos ficou gripado e eu, já estando boa de duas gripes consecutivas sem pausa entre elas (isso só me aconteceu pouquíssimas vezes na vida!), achei que já estava super imunizada e poderia me aproximar dele sem problema, para ajudá-lo. Quem me dera. Com o organismo ainda fraco, acabei pegando a terceira gripe (não, infelizmente não eram os mesmos velhos vírus conhecidos meus, era uma turma novinha que eu tive o (des)prazer de conhecer intimamente!). Eu tive menos de uma semana de “saúde” entre a segunda e a terceira gripes e só agora estou forte o suficiente para poder sair da cama. Tenho ficado tanto tempo deitada e com febre que a minhas costas doem e desenvolvi um torcicolo brabo que ainda por cima me atrapalha a relaxar. E estou tão entupida de remédios que o meu pâncreas e o meu fígado estão ensaiando uma greve geral para registrarem sua insatisfação com o trabalho extra. Dureza.

      Mas acho que esta semana conseguirei voltar devagarzinho. Tenho a caixa postal cheia de e-mails pra responder e vou procurar traduzir um pouquinho aqui e responder um tantinho lá, assim a gente consegue recuperar a velha rotina e deixar tudo em dia, né?

      Obrigadão novamente pela força e pelo carinho, Paulo Henrique, isso não tem preço. Espero retribuir um tantinho de tudo isso terminando a série atual que você está apreciando, e postando muitos e muitos outros posts bacanas pra sempre te inspirar e ajudar no seu trabalho! 😀 Um super abraço! =)
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 26/07/2011 @ 11:27


RSS feed for comments on this post.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: