Dicas de Roteiro

18/06/2011

As 12 Perguntas Essenciais Que Todo Escritor Deve Responder – Parte 2

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 16:00
Tags: , , , ,

Oi, pessoal! Estou de volta com a segunda parte de nossa série tirada do site Storymind e de autoria de Melanie Anne Phillips:

Book question

1. A Determinação do Personagem Principal – Se Altera ou É Firme?

O Personagem Principal representa a posição do público na história. Portanto, se ele muda ou não tem um enorme impacto na experiência da história que o público vivencia e na mensagem que você está enviando a ele. Alguns Personagens Principais crescem a ponto de mudar a sua natureza ou atitude a respeito de uma questão pessoal central, como Scrooge em Um Conto de Natal. Outros crescem em sua determinação, agarrando-se à sua natureza ou atitude contra todos os obstáculos, como o Dr. Richard Kimble em O Fugitivo.

A Mudança pode ser boa se o personagem estiver no caminho errado, para começar. Ela também pode ser ruim, se o personagem estava no caminho certo. Da mesma forma, manter-se Firme é bom se o personagem estiver no caminho certo, mas ruim se ele estiver equivocado ou errado.

Pense sobre a mensagem que você deseja enviar para o seu público, e se o caminho do Personagem Principal deve representar o modo apropriado ou inapropriado de lidar com a questão central da história. Então selecione a mudança ou a firmeza do Personagem Principal de acordo com isso.

Você quer que a sua história leve o público ao ponto de alterar ou ao de reforçar a visão atual dele? Curiosamente, escolher um Personagem Principal firme pode levar o público a mudar, e escolher um personagem que mude pode influenciar o público a permanecer firme. Por quê? Depende se o seu público compartilha ou não do ponto de vista do Personagem Principal, para começar.

Suponha que o seu público e o seu Personagem Principal NÃO concordem quanto ao modo de proceder em relação à questão central da história. Mesmo assim, o público ainda vai se identificar com o Personagem Principal, porque ele representa a posição do público na história. Assim, se o Personagem Principal desenvolve a determinação de permanecer firme e é bem sucedido, então a mensagem para o seu público é: "Mude e adote a visão do Personagem Principal se você deseja ter sucesso em situações semelhantes."

Claramente, uma vez que mudar ou permanecer firme pode levar tanto ao sucesso ou ao fracasso em uma história, quando você leva em conta onde o público se coloca, um grande número de diferentes tipos de impacto no público podem ser criados por sua escolha. Ao responder esta questão, portanto, considere não somente o que você quer que o seu Personagem Principal faça como um indivíduo, mas também como isso influencia a mensagem da sua história e onde o seu público se situa em relação a essa questão, para começar.

Exemplos de Personagens Principais que Mudam & que são Firmes:

MUDA

É FIRME

Scrooge, Um Conto de Natal Jó, A Bíblia

William Munny, Os Imperdoáveis

Dr. Richard Kimble, O Fugitivo
Luke Skywalker, Guerra Nas Estrelas Laura, À Margem da Vida
Judah Rosenthal, na história Crimes, em Crimes e Pecados Cliff Steam, na história Pecados, em Crimes e Pecados
James Bond, 007 A Serviço Secreto de Sua Majestade James Bond, na maior parte dos outros filmes de 007
Frank Galvin, O Veredicto David Moscow, em Quero Ser Grande

Mudar ou permanecer firme

Boa escrita pra você hoje!

Story Touch

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 10:34
Tags: , , , ,

Olá, pessoal! Daqui a pouco eu estarei de volta com a continuação de nossa série, mas neste momento eu gostaria de repassar pra vocês um e-mail que recebi sobre o lançamento do software de desenvolvimento dramático Story Touch, desenvolvido pelo diretor Paulo Morelli. Aí vai:

Story Touch

Depois de três anos de desenvolvimento, Paulo Morelli, diretor de Cidade dos Homens, Viva Voz e O Preço da Paz e sócio da O2 Filmes, apresenta ao mercado o STORY TOUCH. Trata-se de um software para roteiristas, redatores, diretores e analistas de roteiro.

Uma ferramenta de desenvolvimento dramático em que é possível escrever e analisar o roteiro ao mesmo tempo.

Morelli define o STORY TOUCH como o “Final Cut” do roteiro. “É como se fosse mesmo uma partitura. Em primeiro lugar, é muito fácil ‘navegar’ pelo roteiro e perceber visualmente os tamanhos das cenas (e portanto o ritmo da história).”

Fernando Meirelles, sócio de Morelli na O2 Filmes, completa: “O STORY TOUCH permite ao roteirista ter uma noção clara do nível de gordura, de açúcar, de sal ou de hormônios em sua história.

Poder visualizar graficamente um roteiro completo em apenas uma página certamente revelará muitos aspectos escondidos ao autor."

Se quiser saber mais sobre o software, acesse o site:  http://www.storytouch.com/

story_touch

Eu achei a proposta bem interessante e diferente, vou dar uma conferida na versão gratuita pra sentir o gostinho do programa.

Eu volto em breve com um novo post. Até lá! =)

12/06/2011

As 12 Perguntas Essenciais Que Todo Escritor Deve Responder – Parte 1

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:54
Tags: , , , ,

Hoje começamos uma série em 13 partes tirada do ótimo site Storymind, que pertence a Melanie Anne Phillips (que também é a autora desta série de artigos) e é criadora do software de roteiro StoryWeaver, assim como co-autora do software Dramatica:

perguntas essenciais

As 12 Perguntas Essenciais:

Visão Geral

Existem 12 Perguntas Essenciais que todo autor deve saber responder a respeito de sua própria história. As próximas dicas irão explorar o significado e a melhor maneira de responder às 12 Perguntas Essenciais do Dramatica. As perguntas estão divididas em três áreas – Personagem, Enredo e Tema.

Perguntas sobre os Personagens:

1. A Determinação do Personagem Principal – Se Altera ou É Firme

2. O Crescimento do Personagem Principal – Começar ou Parar

3. A Abordagem do Personagem Principal – Fazer ou Ser

4. O Sexo Mental do Personagem Principal – Masculino ou Feminino

Perguntas sobre o Enredo:

5. Condutora da História – a Ação ou a Decisão

6. Limite da História – Determinado por Tempo ou por Opção

7. Resultado da História – Sucesso ou Fracasso

8. Julgamento da História – Bom ou Ruim

Perguntas sobre o Tema:

9. Domínio – quatro opções: Universo, Física, Mente ou Psicologia

10. Preocupação – uma escolha entre quatro, dependendo da escolha do Domínio

11. Alcance (Assunto) – uma escolha entre quatro, dependendo da escolha da Preocupação

12. Problema – uma escolha entre quatro, dependendo da escolha do Alcance (Assunto)

Por que 12 perguntas? Imagine a estrutura de uma história como a rede de vigas que formam a estrutura de um arranha-céu. Cada lugar em que duas ou mais vigas se ligam para formar um cruzamento é um ponto-chave de stress na estrutura. Nas histórias, todo lugar em que duas ou mais forças dramáticas convergem é um ponto-chave da história.

Se você quiser saber algo sobre a forma do edifício em geral, os quatro pontos mais importantes são os quatro cantos. Uma vez que estes estejam determinados, todo o resto cai dentro desse perímetro.

Enredo, Personagem e Tema são como três edifícios diferentes em uma história – três diferentes tipos de estruturas. O melhor modo de conseguir identificar o contorno completo de cada um é definindo os quatro cantos.

Ao responder às 12 Perguntas Essenciais, você determina o formato básico de cada uma das três áreas em que todos os outros pontos da história devem cair, às quais todos os outros pontos da história devem se adaptar. É como determinar o pano de fundo ou a arena na qual todos os elementos da história deve ser disputados.

E quanto ao Gênero? O Gênero é como um quarto edifício na história. Ele fornece o quarto canto da estrutura completa. Na verdade, ele determina como os outros três edifícios (Personagem, Enredo e Tema) irão se relacionar entre si.

Por que não existem mais quatro perguntas para o Gênero, tornando-se 16 Perguntas Essenciais? Porque o Gênero não é uma estrutura real como as outras três áreas, mas uma descrição de como as outras três se relacionam entre si. É mais como uma cidade no céu.

O Gênero é determinado pela forma como você CONTA a história, as outras três descrevem a história que será contada. Como resultado, o Gênero é dependente do talento, da inspiração e da mística qualidade artística do autor. É por isso que nenhum computador jamais vai escrever uma história tão significativa quanto uma pessoa é capaz. Em contraste, pensar que as histórias são SÓ arte e que nada definitivo e mecânico existe é ir para o extremo oposto.

Até o Dramatica, a arte de contar histórias geralmente era considerada como sendo inseparavelmente entrelaçada com a substância da estrutura da história. Como resultado, os autores muitas vezes criaram belas expressões de estruturas com defeito.

Ao responder as 12 Perguntas Essenciais no Dramatica, os autores podem obter uma boa compreensão dos imperativos estruturais que eles determinaram para suas histórias. Então, usando essa estrutura de Modelo de História como tela e paleta, eles podem atrair as suas respectivas musas para expressarem a essência intangível do coração humano de uma forma significativa e compreensível.

MAPA DAS NOVE MUSAS DOS TEMPOS MODERNOS

Mapa_das_nove_musas_dos_tempos_modernos

Boa escrita pra você hoje, e até a parte 2!

11/06/2011

Como Reescrever Um Roteiro

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:45
Tags: ,

O artigo de hoje foi tirado do site Screenwriting Basics e é de autoria de Michael Firth Rogan:

Escrever (4)

Então você terminou o seu roteiro épico de 165 páginas sobre animadoras de torcida zumbis mutantes e está pronto para começar a apresentá-lo para os agentes e produtores. (A maioria dos quais têm mais em comum com líderes de torcida mutantes do que você pensa.)

Mas antes de você enviar o seu roteiro, aqui estão algumas dicas para reescrevê-lo.

Dica 1 – Não faça nada

Eu sei. Você acabou de digitar "fade out" e está pronto para seguir em frente. Mas eu diria que é bom esperar um mês, ou pelo menos duas semanas, antes de começar a reescrever.

Por quê? Porque você está próximo demais do material. Você vai se concentrar nas pequenas coisas, como gramática, diálogos, quando deveria estar trabalhando na construção de emoções e conflitos. Então, dê uma pausa, e coloque o roteiro na gaveta por algum tempo.

Dica 2 – Corte as primeiras 5 páginas

Mas você precisa dessas páginas, certo? Elas são fundamentais para definir o personagem e o cenário e… blá-blá-blá.

Eu aposto cinco dólares que você não precisa delas. Não acredite em mim… mostre o roteiro para outras pessoas, sem as cinco primeiras páginas. Se ninguém perceber, você não precisa delas.

A verdade é que a maioria dos escritores fica demasiado longa e repetitiva nessas páginas iniciais. Vá direto ao ponto. (Lembre-se, os leitores querem saber o que está acontecendo. Então deixe que eles façam um pouco de trabalho de detetive.)

Dica 3 – Versões Focadas

Em vez de reescrever a partir do fade in até o fade out, eu gosto de repassar o roteiro várias vezes, mas com uma intenção bem focada em cada reescrita.

Então… talvez eu faça uma reescrita onde eu não me concentro em nada além da ortografia. Outra… nas descrições de cenas. Talvez outra seja para impulsionar o conflito. Enquanto outra trate do diálogo.

Daí eu vou fazer uma reescrita para cada personagem principal. Talvez eu tente adicionar algumas imagens simbólicas de forma sutil.

Depois de fazer de 10 a 20 destas (com objetivos muito claros), isso vai me ajudar a permanecer nos trilhos e me certificar de que cobri tudo.

Eu garanto que se seguir estes 3 passos, você terá um roteiro amarrado, focado e muito melhor. (Mesmo que seja sobre zumbis mutantes.)

=> Michael Firth Rogan é um blogueiro e ninja em meio período. <=

rewrite

Boa reescrita pra você hoje!

10/06/2011

Dê a Si Mesmo Um Presente Que Durará o Ano Todo

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:51
Tags: , ,

Oi, pessoal! O artigo de hoje é de autoria da consultora de escrita, divulgação e venda de livros, Diane Thomas, e foi tirado do site e-Books Crossroads:

pen and journal

Dê a si mesmo um presente que irá durar por muito tempo no futuro…

Há muito tem sido sábio o conselho aos escritores o de manterem um diário de pensamentos e ideias de histórias, cenas e personagens que surgem em suas cabeças e que podem, de outro modo, se perderem.

Este não é apenas um bom conselho para os escritores, mas para qualquer um no mundo dos negócios também.

Existem tantas ideias boas que passam por nossas mentes, mas que, devido às atividades do dia e aos prazos que devem ser mantidos, são logo esquecidas. Uma dessas ideias pode ser aquela que vai conquistar a Internet como um furacão e gerar milhões de dólares – mas, infelizmente, ela já se foi há muito tempo, esquecida.

Parece improvável? Realmente, não é. Alguma vez você já teve uma ideia de passagem e então viu essa mesma ideia ser materializada mais tarde por outra pessoa? Isso acontece o tempo todo…

Eu uso um caderno espiral apenas para este fim. Na verdade, eu uso um caderno de 3 matérias. Para os meus propósitos, as divisórias estão marcadas como Websites, Projetos e Publicidade.

Este pouco de organização ajuda quando eu estou procurando por ideias específicas ou coisas que eu sabia que queria fazer, mas simplesmente não tinha tempo quando a ideia me passou pela cabeça. Funciona muito bem e custa apenas uns dois pares de reais!

Você pode anotar um novo aplicativo móvel, um diagrama de um fluxograma, escrever um problema que precise de uma solução, ideias para um site, o lançamento de um produto ou eBook, novas ideias de marketing que você queira experimentar, simplesmente qualquer coisa que possa ser valiosa no futuro.

Muitas dessas ideias nunca serão usadas, mas saber que aquelas poucas que são teriam se perdido se eu não as tivesse anotado, faz valer a pena o esforço deste exercício.

Eu sei que você tem milhares de ideias dentro de você apenas esperando pelo momento certo, quando você poderá colocá-las em uso. Tudo o que você tem que fazer é botá-las no papel de modo que, quando for a hora certa, você estará pronto!

Um simples caderno espiral pode simplesmente mudar o seu futuro. Nesta época de feriado, dê o primeiro passo para tirar aquelas ideias de sua cabeça e botá-las no papel.

"Uma grande ideia deve ser tida, não daquilo que se está fazendo, mas daquilo que se possa algum dia fazer. Caso contrário, não há sentido em se continuar trabalhando."
– Hilaire Germain Edgar Degas

Journaling

Ainda não estamos em época de feriado, mas como vem um daqui a umas duas semanas, preparem-se! =) E bom diário para todos!

09/06/2011

Como Escrever Ótimos Diálogos em Roteiros

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:40
Tags: , ,

Olá! O artigo de hoje foi tirado do site Screenwriting Basics e é de autoria do consultor de roteiros Sean Platt:

dialogo

Se você quer escrever um ótimo roteiro, aprender a escrever diálogos convincentes e realistas é uma obrigação. Veja como reforçar o seu diálogo e evitar os maiores erros cometidos pelos roteiristas amadores.

Um dos maiores erros que os aspirantes a roteirista cometem é escrever trechos extremamente longos de diálogo. Você deve se esforçar para dizer o que deseja de uma forma rápida e concisa, para fazer a conversa do personagem fluir e se encaixar no ritmo do filme. Usar várias frases para transmitir uma ideia simples faz a sua escrita parecer desajeitada, e você irá perder rapidamente o interesse do seu leitor.

Aprender a ser econômico nos seus diálogos de roteiro é uma grande vantagem para os escritores. Você também deve evitar o uso de vocalizações e sons em seu roteiro para tentar transmitir o que seu personagem está pensando ou sentindo. Usar descrições das expressões faciais ou gestos do seu personagem também é algo que você deve evitar.

Outro erro que os amadores cometem quando escrevem diálogos em um roteiro é simplesmente não conhecerem as personalidades de seus personagens bem o suficiente para diferenciarem cada uma de suas falas. Se não há nenhuma maneira de saber qual personagem está falando sem olhar para os nomes dos personagens no roteiro, então você não fez o suficiente para estabelecer a maneira particular de falar própria deles.

Se você pensar na série de filmes Guerra Nas Estrelas, vai reconhecer que cada personagem tem a sua própria maneira particular de falar. Você nunca confundiria o jeito jovem e esperançoso de falar de Luke Skywalker com o discurso mais sofisticado, maléfico e ameaçador de Darth Vader.

Um grande personagem nessa série é o Yoda e a sua maneira completamente diferente de falar. A princípio, pode parecer perturbador, mas logo se torna parte do charme do personagem e o distingue completamente de todos os outros personagens.

Não exagere neste artifício. Afinal, só pode haver um Yoda, e o personagem de Jar Jar Binks fracassou completa e miseravelmente e seu jeito de falar na verdade enfureceu o público. A questão é fazer pleno uso da caixa de ferramentas do escritor ao variar o ritmo, o vocabulário, a cadência e a dicção para dar a cada um de seus personagens a sua voz própria e única, de acordo com suas personalidades e passados.

Há alguns autores como Quentin Tarantino que podem se safar ao quebrarem as regras e escreverem longos solilóquios e deixarem seus personagens ficarem bastante prolixos. Parte da razão pela qual ele se safa disso é porque ele é um sucesso já comprovado e também porque seus filmes geralmente são apoiados por financiamento de empresas independentes e não pelos grandes estúdios.

Para os roteiristas novatos que estão tentando entrar no negócio, é aconselhado ser econômico nos diálogos do roteiro. Aperfeiçoe a sua capacidade de apresentar um diálogo claro e rápido para lhe arranjar um lugar ao sol e para ser o mais versátil possível. Como na maioria das áreas de atuação, conforme você constrói uma reputação e um histórico, vai ganhar mais liberdade para sair fora das práticas mais aceitas e experimentar com diferentes formas de diálogo e de ritmo.

Em suma, se você quiser entrar no ramo de roteirismo, terá que aprender a escrever diálogos que sejam envolventes e, ao mesmo tempo, econômicos. Use os diálogos para transmitir os pensamentos e reações do seu personagem, em vez de depender de vocalizações e notas sobre expressões e gestos. Certifique-se de dar a cada um de seus personagens uma voz única que o faça se destacar. Lembre-se dessas coisas e você estará no caminho certo para criar o tipo de diálogo que vende roteiros.

conversa_de_bebado

Boa escrita pra você hoje!

Próxima Página »

%d blogueiros gostam disto: