Dicas de Roteiro

28/05/2011

Como Escrever Um Roteiro de Videogame

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 21:02
Tags: , ,

Oi, pessoal! Smiley de boca aberta É sempre muito difícil achar textos sobre este tipo de escrita de roteiro, mas encontrei recentemente este artigo que ensina ao menos o básico. Ele foi tirado do site How To Write Anything, e é de autoria de Will Kalif:

videogame-3

Escrever um roteiro de um videogame é algo que oferece ao escritor alguns desafios peculiares que não são encontrados em nenhum outro lugar do reino da escrita.

O primeiro desafio é que não existe nenhum método estabelecido ou padronizado de escrever um roteiro de um jogo.

Muitas empresas diferentes empregam seus próprios métodos de escrita com base em seus métodos de criação de jogos. Estes métodos são frequentemente patenteados ou mesmo ad-hoc.

Outro grande desafio para escrever um roteiro de jogo é que nenhuma outra disciplina de escrita tem o mesmo aspecto de interatividade. Em nenhum outro tipo de escrita o escritor tem que considerar o que o público vai fazer.

Um roteirista de jogo tem que levar em consideração os muitos caminhos ramificados que um jogador pode escolher do começo ao fim de um roteiro.

Escrever um roteiro de videogame oferece desafios que vão muito além da esfera normal da escrita. Mas também é algo que pode ser tremendamente gratificante no âmbito da sua criatividade. Aqui vão algumas orientações e dicas para escrever um roteiro de videogame:

Os videogames de hoje são baseados em mundos complexos, e eles contam histórias. Um jogador não mais avança simplesmente através de telas repetitivas matando goblins e demônios numa busca em direção à meta final.

O jogador agora espera progredir através de um mundo onde haja uma rica história e uma infinidade de decisões a serem tomadas. Isto aumenta a complexidade de escrever um roteiro de videogame e também contribui para a riqueza da criatividade envolvida.

A primeira coisa sobre a qual você precisa pensar é que escrever um roteiro de videogame não é o mesmo que escrever um roteiro de filme. Os dois processos são semelhantes, e você realmente escreve um tipo de roteiro de filme para o seu videogame na forma de um storyboard, mas isso é apenas parte do processo.

Há toda uma série de materiais vinculados que você precisa para escrever o seu roteiro de jogo. Aqui está um resumo do que você precisa para escrever, e por quê.

♦ Saiba quem vai precisar do seu roteiro

Ao escrever um roteiro de um filme, você sabe que existem muitas pessoas que precisam do roteiro para seus trabalhos. Há coisas que são importantes para o diretor e há coisas que são importantes para os atores.

Esta mesma coisa se aplica a roteiros de videogames. Você tem de escrevê-lo de diferentes maneiras para os diferentes membros de uma equipe que projeta videogames.

Aqui estão algumas coisas básicas que você deve saber para que possa atender às necessidades dos vários membros-chave de uma equipe ou empresa que projeta videogames.

Escreva um Resumo Executivo da história em prosa

Esta é a parte mais importante do seu roteiro de jogo e é isto que vai afundar ou fazer flutuar o seu roteiro.

Este resumo tem que contar uma história atraente e original, e deve contar a história completa, da cena de abertura (através dos passos importantes por todo o caminho) até a conclusão do jogo.

Um resumo como este pode ser de praticamente qualquer tamanho e é muito fácil isso ter dez páginas escritas ou mais.

Lembre-se de que os videogames de hoje são muito complexos e as histórias podem ser muito complexas também. Este resumo também é a parte mais importante do roteiro. Você o ofereceria para desenvolvedores de jogos para ver se eles estão interessados ​​em desenvolver o jogo. Este resumo executivo é o seu cartão de visita, o que você usaria para aquele contato inicial com possíveis empresas desenvolvedoras de jogos.

♦ Escreva uma História e um Pano de Fundo do Seu Mundo

Os videogames são mundos completos e os projetistas de jogos precisam saber como é o mundo e que tipo de história ele tem. Isto ajudará os projetistas a visualizarem qual será a aparência do mundo.

♦ Crie um fluxograma para o jogo inteiro

O seu jogo vai ser muito complexo e haverá muitas decisões que o jogador terá que tomar, e cada decisão abre todo um novo caminho para o jogador seguir.

Criar um fluxograma é a melhor maneira de acompanhar todos os caminhos possíveis através do jogo.

♦ Crie sub-jornadas e escreva um resumo em prosa de cada jornada

Sub-jornadas podem ser simples ou complexas, mas cada uma é uma história em si e você deve contar estas histórias.

Estas sub-jornadas são fortemente afetadas pelas escolhas que o seu jogador faz no jogo, e o seu fluxograma será muito importante para essas missões.

Será que o jogador completa todas ou algumas destas jornadas? Existem sub-jornadas que são absolutamente necessárias para mover a história do jogo para a frente?

Você precisa responder a estas perguntas e fazer o fluxograma de todas as diferentes possibilidades.

♦ Crie descrições e biografias para todos os personagens principais do jogo.

Os projetistas de jogos precisam de uma imagem completa dos personagens do jogo. Isto não significa que você tenha que desenhar os personagens. Mas você realmente precisa dar uma descrição escrita de como você os imagina, mesmo que seja uma descrição bem básica. Isto é necessário para os modeladores e artistas de design gráfico ajudarem a trazer a sua visão à vida.

Como os seus personagens aparentam, como eles agem, como eles falam e quaisquer outras características que sejam importantes para você e para o jogo devem ser comunicadas aos artistas.

Muitos dos personagens não-jogadores que você criar aparecerão repetidamente. E suas histórias estarão profundamente enraizadas no tecido do seu mundo. Você precisa descrever esta relação em detalhes para os projetistas do jogo.

♦ Escreva interações com personagens não-jogadores

O seu jogo provavelmente envolverá a interação com personagens não-jogadores (NPCs – do inglês, Non-Player Characters). Você deve escrever o diálogo e o fluxograma das escolhas que o jogador pode fazer.

Estas interações são frequentemente críticas para a história e podem levar o jogador a caminhos bem diferentes rumo à conclusão do jogo.

♦ Escreva cenas de transição

Cenas de Transição, ou Cutscenes, são animações curtas ou filmes que vêm antes ou depois dos principais pontos de virada da sua história.

Uma cena de transição deve sempre ser escrita para realçar ou descrever a história. Uma cena de transição também é uma recompensa dada ao jogador por atingir um marco importante no jogo.

♦ Escreva o roteiro efetivo de storyboard

Este é o passo final em todo o processo de escrita de roteiro de videogame, e é o mais detalhado. Você faz este passo por último porque precisa de todos os materiais de apoio para compreender e descrever isto corretamente.

Esta parte é muito semelhante àquela de um roteiro de filme. Você avança através de cada cena da sua história e detalha todas as informações necessárias.

========================================================

Aqui está um exemplo:

Cena 1:

Locação: Uma catedral escura, com janelas de vitrais. Um NPC está ajoelhado diante de um caixão de pedra no centro do aposento principal. Música: a música de fundo de um órgão tocando introduz a cena, mas vai baixando. Personagens: O jogador principal, o NPC chamado Thomas, sete criaturas transmorfas. Objetivo do Jogador: Descobrir a localização do covil subterrâneo. Ação: O jogador deve iniciar uma discussão com Thomas; após o primeiro contato, nós ativamos a cena de transição (1), onde Thomas se metamorfoseia em uma criatura transmorfa e convoca seus asseclas. O personagem principal deve lutar com os asseclas transmorfos e então reiniciar a discussão com o Thomas.

Fluxograma: Nenhuma decisão é tomada neste momento: Se a batalha for concluída, Thomas revela a entrada para o esconderijo subterrâneo e o jogador avança para esse nível. Se o jogador for derrotado na batalha, reverter para a cena de transição de morte (11) e passar para a tela de tentar novamente.

Observações: O jogador está preso na catedral e não há saída. O único jeito viável de sair é iniciando contato com o Thomas. Criaturas transmorfas aleatórias podem ser ativadas se o jogador explorar a catedral antes de falar com o NPC.

Fim da Cena

========================================================

A Importância da Colaboração

Escrever um roteiro para um videogame é uma atividade de intensa colaboração.

Fazer videogames, por sua própria natureza, é um empreendimento altamente criativo e de equipe, e se você estiver escrevendo um roteiro que esteja sendo transformado em videogame vai rapidamente perceber que o jogo final e o roteiro podem ser bastante diferentes do seu original.

Durante o curso do desenvolvimento, muitos fatores, incluindo o orçamento, a entrada de outros membros na equipe, e até os requisitos da tecnologia podem transformar o seu jogo de muitas formas diferentes. Esta é uma parte normal do processo e você tem que ter uma mentalidade de trabalho em equipe, de colaboração e de mudança.

 

O PROBLEMA (para nós, mulheres):

VIDEOGAMEvideogame (2)

 

A SOLUÇÃO (para ambos):

Melhor controle de videogame de todos

Aqui vão uns links adicionais, para a diversão dos viciados experts: 50 coisas que aprendi jogando videogame

e (Mais) 50 coisas que aprendi jogando videogame

No próximo post teremos um artigo que complementa o de hoje: Como Escrever Um Manual do Jogador de Videogame.

Boa escrita pra você, e até lá!

Anúncios

4 Comentários

  1. Olá! Gostaria de ter dicas para roteiro de NOVELAS e SÉRIE…como se deve escrever,todas as regras!

    Comentário por rebeca — 30/05/2011 @ 19:04

    • Oi, Rebeca!

      Infelizmente não achei ainda textos sobre como escrever no formato de novelas mais utilizado aqui no Brasil. Mas vou ficar de olho, se surgir algo, eu avisarei logo aqui no blog. No excelente site do Fernando Marés tem vários capítulos de novelas e de minisséries pra você conferir, aqui está o link: http://roteirodecinema.com.br/roteiros/televisao.htm

      Quanto a textos sobre séries, nos EUA tem vários estilos, dependendo do tipo de seriado que você está escrevendo, e eu já publiquei alguns textos sobre isso. Se você quiser conferi-los, basta procurar pelo título no Índice de Posts que fica na coluna aqui à direita. Mas estou volta e meia adicionando mais textos sobre o assunto, é só ficar ligada! 😀

      Um abração, Rebeca, e obrigada pela visita! Suas sugestões já estão anotadas! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 31/05/2011 @ 11:33

  2. Falando em roteiros de games… Quem puder jogue L.A. Noire (para PS3 e XBox 360). IN-CRI-VEL. Uma história maravilhosa, ambientada nos anos 40 com Aaron Staton (Ken Cosgrove de Mad Men) você resolve diversos casos incluíndo os mais famosos da época, como o de Elizabethn Short conhecida como Dália Negra.

    Para quem é fã de séries, assim como eu, vai se divertir muito! O jogo parece uma série de drama processual com casos aparentemente independentes, mas que ao final de uma sequência deles se torna um grande arco. Você precisa usar sua intuição e dedução ao interrogar suspeitos e dizer se estão mentindo ou dizendo a verdade. Vale a pena só pela história.

    A Rockstar Games postou uma curiosidade no twitter que o roteiro de L.A. Noire teve o total de 2.000 páginas! O game também possui a participação de diversos atores conhecidos pelo público.

    E como jogos de video games não estão no caminho do meu EGOT, não me envolverei em roteiros desse tipo ainda. 😄

    Comentário por Fernando — 30/05/2011 @ 19:42

    • Oi, Fernando, como vai? 😀

      Agora eu fiquei com água na boca! Acabei de assistir o trailer do jogo. Eu queria ter um desses consoles, só pra jogar ele! Ai, ai. Só me resta esperar que saia logo a versão para PC, fazer o quê? E esse tipo de jogo é muito raro, né? Só o que vejo por aí são aqueles de tiroteio e ação, sem história nenhuma. Ou então de quebra-cabeças, também sem história (ou apenas um arremedo de história, apenas pra justificar um quebra-cabeça depois do outro). Sinto falta dos de “adventure” com personagens interessantes e viradas na história. Agora… DUAS MIL PÁGINAS?!!! Me deu até um troço aqui por dentro só de pensar em escrever isso!! Ah, eu tô fora! Rsrs! Já decidi: nem novelas nem jogos, não tenho estrutura pra tanta escrita assim não! Eu começo a ficar empolada de alergia, só de pensar! Rsrs!

      Valeu pela dica, Fernando, vou ficar aguardando ansiosamente o lançamento pra PC! Ah, e estou torcendo pra valer por seu EGOT! De verdade! =D
      Um beijo grande! =)
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 31/05/2011 @ 11:59


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: