Dicas de Roteiro

10/04/2011

As 10 Melhores Dicas Para Cineastas de Curta-Metragens

Oi, pessoal! Estou de volta, HD arranhado fora, HD novo já formatadinho com todos os arquivos para o blog salvos (Ufa!! De agora em diante, backup pra todo lado, igual eu faço com meus roteiros!) e tudo rodando 100% por aqui (se não fosse por meu irmão caçula, eu estaria frita! Ele é meu herói!! Teve que usar um monte de programa de Linux, Unix e o escambau a quatro pra salvar os dados, detectar e resolver o problema, e eu, pobre de mim, mal sei mexer no Windows! Eita, santa iguinorânça! Smiley decepcionado).

Mas, deixando esses problemas cabeludos para trás, agora voltamos com este artigo de autoria de Dan Rahmel, e tirado do site dele, Coherente Visual (vamos falar um pouquinho sobre cinema em geral, para variar):

Camera1

Algumas dicas importantes que podem tornar o seu curta-metragem o melhor possível

Aqui está uma lista de alguns dos elementos mais importantes para se ter em mente ao fazer um curta-metragem. Seguir estas orientações o ajudarão a evitar as armadilhas mais comuns. Embora estas sejam apenas sugestões, elas certamente vão melhorar tanto o seu filme quanto a sua experiência de fazer cinema.

1. Certifique-se de ter uma história que valha a pena contar
Você assistiria o curta-metragem todo se outra pessoa o tivesse feito? A resposta para um número surpreendente de curtas é Não. Faça a si mesmo esta pergunta antes mesmo de começar a escrever o roteiro.

2. Não inicie a produção sem um orçamento
Filmes, não importa o quão simples, custam dinheiro – e dinheiro é sempre limitado. Ao certificar-se de que você tem um orçamento (uma planilha simples vai servir), você pode decidir antecipadamente onde quer gastar o dinheiro que tem. Sem um orçamento, você quase pode garantir que irá gastar mais dinheiro do que planeja, ou terminar sem o filme acabado.

3. Consiga todas as autorizações antes de filmar

Você precisa, precisa, PRECISA de permissões de atores, de colaboradores artísticos/musicais, e de quem mais produzir conteúdo que aparece no filme. Obter assinaturas de autorização antes da filmagem é simples e e te toma alguns instantes. Depois da filmagem, pode ser difícil ou até impossível. Não seja pego nessa, faça isso agora.

4. Faça o filme mais curto do que você deseja

Roteiristas e diretores muitas vezes deixam coisas no filme que o público realmente pode passar sem. É tão doloroso aparar as coisas que foram difíceis de filmar. Certifique-se de fazê-lo. O seu público vai lhe agradecer.

5. Ao usar atores não-profissionais, escolha um elenco com personalidade
Eu acredito que atuações ruins sejam tão comuns em curta-metragens porque as pessoas são convidadas a interpretar personagens que não se parecem com as suas personalidades. Um ator profissional pobretão pode retratar a arrogância e a confiança de um bilionário – mas a maioria dos amadores não consegue. Se o seu protagonista é um pão-duro na fase anal, não escolha um preguiçoso desleixado para interpretá-lo.

Microfone girafa (boom)

6. Invista em um bom som 
Som ruim torna muitos curtas-metragens (até mesmo aqueles com boas histórias) insuportáveis. Não existem substitutos verdadeiros para um microfone girafa decente. Implore, compre ou pegue um emprestado, e ele irá triplicar as chances de seu filme ser assistível.

7. Corrija-o agora, não na pós-produção
Sem a Digital Domain ou a WETA trabalhando para você, a maior parte das correções de pós-produção não aparentam/soam muito bem e tomam MUITO tempo. Se você tem um erro no enquadramento, no diálogo, ou em qualquer outra coisa que possa ser consertada na filmagem, faça isso!

8. Não faça zoom em uma tomada
Não toque nesse botão de zoom! Um cinegrafista realmente bom pode fazer um zoom parecer OK. Em quase todos os casos, porém, usar o zoom é o ápice de um triste esforço. Se você precisa se aproximar de uma pessoa, use um carrinho dolly, um planador de câmera, ou um corte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA         Fig Rig

steadicam_Ultragrua2

    9. Conheça os clichês dos filmes independentes/curtas
    Os clichês mais comuns incluem usar sequências de sonho, muitos efeitos de transição, longas sequências de crédito, ou acordar com um despertador tocando. Parece que até já existem alguns sites dedicados exclusivamente à citar clichês de filmes independentes/curtas. Saiba quais são esses clichês para que você possa fazer uma escolha inteligente sobre a possibilidade de usá-los ou não.

    10. A menos que você esteja rodando em filme, evite exteriores à noite
    A escuridão é inimiga da maioria das filmadoras. Você vai se familiarizar com o ruído na imagem [N.T.: Imagem granulada, manchada, sem nitidez, velada, distorcida etc.], o desvio de cor, a queda da definição, e muito mais se você escolher gravar à noite sem um pacote de iluminação de tamanho médio. Geralmente é muito mais fácil mudar o roteiro do que lidar com todos estes problemas.

    noite17noite19noite27noite121noite0

Bastidores da filmagem de uma sequência noturna do longa brasileiro Besouro (clique no link para ler detalhes)

Boa escrita e boa filmagem pra você! Alegre

Anúncios

4 Comentários

  1. Oi Valeria

    Obrigado pelas dicas. Gostei bastante da número 4, “Faça o filme mais curto do que você deseja”. Acho que é comum adicionar cenas desnecessárias quando a gente cria uma história, tamanho é nosso envolvimento com aquele universo. Nem sempre essas cenas acrescentam algo de valor para a audiência.

    Sempre leio teus posts. Muito bacanas! 😉

    abs
    Diego

    Comentário por Diego — 10/04/2011 @ 13:48

    • Oi, Diego! 😀

      Antes de tudo, de nada! :mrgreen: E obrigada por estar sempre me acompanhando, isso me deixa super feliz! :mrgreen: :mrgreen:

      Eu gostei também da número 4, especialmente porque é aplicável também ao roteiro (a 1 e a 9 também são importantes para nós, roteiristas), mas a que mais me surpreendeu foi a número 8. Nossa, nem sei quantos curtas eu já assisti com tomadas terríveis com zoom! E o incrível é que pouca gente fala nisso, deveria vir até no manual da câmera: “AVISO – Se for gravar um filme de ficção, EVITE fazer zoom nas cenas!” Isso com certeza pouparia muito sofrimento para os cineastas novatos. Rsrs!

      Um abração, Diego, e muito obrigada pela visita! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 11/04/2011 @ 06:47

  2. Oi Valéria.
    Ufa, graças a deus que voltou, já estava com saudades. Então, primeiramente, estou meio que dirigindo um musical no colégio, misturei “The Rock Horror Picture Show” com “Romeu e Julieta”, nem sei como, mas consegui. Eu entrei em uma nova série, e espero que dê certo, mas eu tenho uma coisa que estou fazendo, é tipo uma nova tatica.

    Eu primeiro faço tudo no word, como se fosse um livro e eu faço 50 paginas, e tenho metas, tipo, 5 paginas por dia. Depois, eu vou no celtx e formato para um roteiro. Isto no caso seria o que ? Um argumento ?

    Um abração e uma ótima semana.
    Igor!

    Comentário por igor — 10/04/2011 @ 22:43

    • Oi, Igor, como vai?

      Eu devo confessar, também estava morrendo de saudades, acho que não consigo mais viver sem o blog e sem vocês! Rsrs! :mrgreen:

      Que legal, você está fazendo um musical, esse é um desafio e tanto! Muito interessante, fiquei super curiosa! 😀

      Eu também sigo o mesmo esquema de escrita que você, só que no papel ao invés do Word. Isso deixa a gente mais livre para escrever, a formatação às vezes nos restringe demais, por isso eu deixo para quando eu passo à limpo o texto. Eu já escrevo mais ou menos na linguagem de roteiro, separando os diálogos e as cenas, se você faz o mesmo, não importando se está 100% no formato ou não, isso já é o rascunho do roteiro (ou a primeira versão, se preferir). Mas se você não coloca muitos diálogos e está escrevendo mais na linguagem literária do que na cinematográfica, então seria mais um argumento.

      Um abraço grande, Igor, e obrigadão pela visita e pela companhia – como sempre, adorei! :mrgreen: 😀
      Ah, e sucesso pro seu musical! =D
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 11/04/2011 @ 06:57


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: