Dicas de Roteiro

17/03/2011

Avós Morrendo

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:27
Tags: , ,

Este artigo é do site Script Secrets e foi escrito pelo roteirista William C. Martell:

ghost_world

O Independent Feature Project [Projeto de Longa Independente] (IFP – agora FIND) é uma organização criada para apoiar projetos de cinema independente. É uma organização fantástica que ajuda a unir escritores, diretores e pessoal de equipe de filmagem. Eles exibem filmes independentes para os membros, com sessões de Perguntas & Respostas depois. Quando os membros do IFP fazem filmes, eles são frequentemente exibidos no Egyptian Theater, em Hollywood, seguidos de uma recepção para os cineastas. Como estas recepções geralmente oferecem cerveja grátis, eu normalmente estou lá. O meu amigo Kris e eu já vimos centenas de filmes independentes que nunca encontraram distribuidores em sessões do IFP.

As pessoas que acham que filmes de ação são fórmula pura, deveriam ver uma centena de sessões do IFP. O filme habitual é sobre um rapaz incompreendido cujos pais acham que ele deveria crescer e encontrar um emprego de verdade, mas a sua avó o entende… e então ela morre. Os protagonistas de muitos destes filmes são agorafóbicos – não só o mundo não os compreende; eles, na verdade, temem o mundo exterior. Às vezes, quando as avós morrem, eles tornam-se mais retraídos; outras vezes, é isso que lhes dá a força para se aventurar no mundo lá fora. Este tipo de história tornou-se um cliché tão grande que até já existe um filme do IFP que é uma paródia dos típicos filmes do IFP, chamado A COZINHA E O PORÃO, sobre um menino que tem vivido no porão desde que seu pai morreu e acredita que a mulher que alega ser a sua mãe seja uma impostora. Após 45 minutos dos típicos clichês auto-indulgentes dos filmes independentes, é revelado que a mãe É uma impostora, que o garoto tem razão para se sentir incompreendido – eles acham que ele pode ser meio alienígena. É claro que, na altura em que isto é revelado (e nós finalmente percebemos que eles estavam tirando sarro dos clichês), eu já tinha cochilado um par de vezes.

Estes "Filmes de Avós Morrendo" são todos histórias muito pessoais – pessoais demais!

É importante que o seu roteiro seja emocional e pessoal – se você não se importa com a sua história, como pode esperar que 20 milhões de pessoas se importem? Mas para conseguir que esses 20 milhões de pessoas compareçam e soltem seus 10 dólares para começo de conversa, tem que ser uma história que eles estejam interessados em ver.

Tem que ser algo que eles queiram ver, ANTES DE TÊ-LO VISTO.

O seu roteiro sobre um cara escondido no porão de casa pode ser o roteiro mais incrível e emocional jamais escrito. Ele pode prender o público a partir da primeira página e nunca mais largar. Ele pode contar o segredo da vida… Mas 20 milhões de pessoas não vão pagar 10 dólares para ver um filme sobre um cara em seu porão. Eles querem ser ENTRETIDOS. Eles não vão ficar na fila, a menos que acreditem que a sua história será algo que vai levá-los para longe de seus problemas por duas horas. Uma história que vá ser apaixonada e sincera… e divertida.

Você escreveu a história mais incrível – uma que faz o leitor chorar – mas uma plateia não sabe se o filme é bom ANTES de o terem visto.

O que os atrai para assisti-lo em primeiro lugar?

Ninguém foi ver GHOST WORLD – APRENDENDO A VIVER no cinema – um ótimo filme! Um filme que me fez rir e chorar. Isso porque todo mundo foi ver O PLANETA DOS MACACOS no cinema – um filme péssimo.

GHOST WORLD é uma "avó morrendo". Pode ser um grande filme, mas é sobre uma garota que se forma no ensino médio e percebe que agora deve ser uma parte do mundo ela despreza, a fim de sobreviver. Ele é pequeno. Pessoal. Não é interessante para 20 milhões de pessoas com 10 dólares para gastar, que querem fugir de seus problemas por um par de horas.

Claro, se eles o vissem, gostariam dele… mas eles simplesmente nunca quiseram vê-lo. O ASSUNTO era desinteressante. Eu não conheço muitas pessoas que gostaram de O CÓDIGO DA VINCI após assisti-lo, mas eles com certeza entraram na fila para pagar 10 dólares para vê-lo. Parte disso foi o falatório pela campanha publicitária – mas havia algo para se promover. Você tem Tom Hanks tropeçando em uma enorme conspiração – que Jesus se casou e teve filhos! Agora a igreja enviou este monge assassino para matá-lo. Ei, eu pagaria 10 dólares por isso! Eu realmente paguei 10 dólares por isso – ideia legal, execução fraca.

A sua ideia central é um dos elementos mais importantes em um roteiro. E um dos mais difíceis de pegar o jeito. Se um produtor não consegue ver a POSSIBILIDADE de fazer dinheiro com um filme feito a partir do seu roteiro, por que comprá-lo em primeiro lugar? Se o seu assunto for algo que parece que não teria nenhuma dificuldade em atrair 20 milhões de pessoas com 10 dólares… você pode ter uma venda.

Isto não significa que você deva fazer nas coxas alguma ideia com a qual não se importa, significa que você deve encontrar a história que VOCÊ quer contar e que um PÚBLICO queira ouvir. Essa é a parte difícil – encontrar a história que seja ambos.

O público só saberá o quão brilhante é o seu roteiro DEPOIS de terem pago para vê-lo. Por que eles estão pagando para ver o filme? Em que mundo interessante a sua história (pessoal) se passa? Como esta história PESSOAL também irá interessar aqueles 20 milhões de pessoas com 10 dólares para gastar em uma sexta-feira à noite?

200429986-001

Boa escrita pra você hoje! Garoto paquerando

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: