Dicas de Roteiro

26/02/2011

Contrastes Humanos

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 10:02
Tags: ,

O artigo de hoje é do roteirista William C. Martell e foi tirado do site dele, Script Secrets. O texto tem spoilers, mas é interessante mesmo para quem ainda não assistiu o filme. Quem quiser, pode baixá-lo gratuitamente aqui e assisti-lo antes o filme já é de domínio público e o download é legal.

 Sullivans Travels poster

Quando eu era criança, a minha vida era um inferno. Eu era gordo, vinha de uma família proletária em um bairro que estava tornando-se rapidamente uma comunidade-dormitório para os ricos de São Francisco à procura de um estilo de vida suburbano. Eu era um garoto esperto na época em que garotos espertos apanhavam por serem espertos. Os filmes eram a minha fuga. Por duas horas eu poderia viver a vida de outra pessoa – de alguém que vivia num tipo de mundo de aventuras sobre o qual eu só podia sonhar. Eu poderia ser tão melífluo quanto James Bond, ou legal como John Shaft, ou tão durão quanto Harry Callahan. Enquanto meus problemas da vida real cresciam como uma bola de neve, por duas horas eu podia viver em um mundo onde os problemas eram resolvidos rapidamente… e a meu favor. Eu acho que teria enlouquecido sem a fuga que os filmes proporcionavam. A primeira vez que vi a clássica comédia de Preston Sturges, Contrastes Humanos [Sullivan’s Travels, 1941] foi no UC Theater em Berkeley; eu já estava fazendo curta-metragens e escrevendo roteiros.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>  SPOILERS À FRENTE  <<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

Sullivan é um diretor de cinema mundialmente famoso durante a Grande Depressão, que planeja fazer um filme sério sobre a situação dos desabrigados, intitulado: E Aí, Meu Irmão, Cadê Você? [Oh Brother, Where Art Thou?] (Os Irmãos Coen roubaram o título para seu filme sobre a era da depressão.) Como o filme de Sullivan será corajoso e realista, ele decide "viver entre os sem-teto" a fim de descobrir como é realmente a sensação de ser pobre e marginalizado… Claro, Sullivan é seguido por um luxuoso trailer em que estão a sua equipe e seus empregados. Ei – você não iria querer DORMIR de verdade na rua, iria?

Através de uma série de eventos, Sullivan é separado de sua equipe, separado de sua identidade, e torna-se de fato desabrigado. Ninguém vai acreditar que ele realmente é um poderoso diretor de Hollywood, e todas as barreiras criadas para manter as sujas multidões à distância do grande diretor agora mantêm Sullivan longe das únicas pessoas que podem confirmar que ele É Sullivan. Ele está sozinho, sem rumo para casa… como é isso? O diretor mais famoso de todos os tempos encontra-se tão desesperado e deprimido quanto os mendigos e bêbados e vagabundos ao redor dele.

Para animar aqueles homens sem esperança, foi exibido para eles um filme hollywoodiano. Um desenho animado bobo. Rostos carrancudos enquanto o desenho começa… então, risadas dispersas… a seguir, altas gargalhadas. Por alguns minutos, esses homens que perderam tudo estão autorizados a escapar de seus problemas. Assim que Sullivan olha para todos os homens rindo à sua volta, ele percebe que seu filme sério sobre o problema dos moradores de rua não é tão importante quanto o riso. Rir é o melhor remédio. O entretenimento alivia a dor da vida. Quando Sullivan finalmente recupera a sua vida como um famoso diretor de cinema de Hollywood, ele é um homem mudado. Ele agora sabe o valor de fornecer uma fuga para o público.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>  FIM DOS SPOILERS  <<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

Sullivans Travels poster1

Nosso trabalho como roteiristas é criar fantasias onde o público possa lidar, na segurança de um cinema escuro, com seus medos e com coisas que são dolorosas demais para se pensar. É também ajudar o público a desafogar as suas emoções mais sombrias – a raiva, a vingança – a fim de que eles fiquem menos propensos a levar essas emoções adiante na vida real. E proporcionar um desfecho em um mundo onde os problemas reais não são resolvidos a contento.

Ontem foi o aniversário dos ataques de 11 de setembro – sete anos desde que milhares de pessoas perderam suas vidas em um instante e que nós, americanos, percebemos o quão vulneráveis somos… e com que rapidez a vida pode acabar. Nesses sete anos tivemos Rita e Katrina, os incêndios na Califórnia e agora Ike e uma série de furacões. O resto do mundo teve a sua cota de tragédias também. Toda vez que você liga o noticiário, é uma notícia ruim. Toda vez que você lê o jornal, mais notícias ruins. No final de semana após os ataques de 11/9 recordes de bilheteria foram quebrados. As pessoas precisam fugir da realidade e entrar no mundo da fantasia por um par de horas. Depois de um par de anos lentos, tivemos dois grandes anos para o cinema. As pessoas estão buscando essa fuga.

Esta é a época do ano em que todos os sérios candidatos ao Oscar saem, mas o que o público quer ver no final de semana? Eu Sou a Lenda e Alvin e os Esquilos. Eles quebraram todos os tipos de recordes de bilheteria! Entretenimento tem mais apelo do que um filme sério quando os tempos estão difíceis. Parece estranho, mas quanto mais problemas na vida real, mais as pessoas querem ir ao cinema para *fugir*.

Equipes de resgate, bombeiros, policiais, médicos – estes são os verdadeiros heróis… mas mesmo heróis de verdade precisam esquecer a realidade por um par de horas.

Filmes podem parecer tolos e frívolos depois da tragédia do World Trade Center e de Nova Orleans, e da mais recente tragédia no noticiário da noite, mas em tempos como estes, as pessoas precisam de uma fuga mais do que nunca. A dor é forte demais. As emoções são esmagadoras. As pessoas precisam de algo que vá fazê-las sorrir ou gargalhar. Elas precisam de um lugar seguro para derramar as suas lágrimas. Um par de horas de fuga. Tolo e frívolo podem ser coisas boas. O riso torna o mundo um lugar melhor.

Vamos tentar fazer do mundo um lugar melhor.

smile

EU SEMPRE POSSO FAZER VOCÊ SORRIR.

NOTA: O autor reescreveu o artigo alguns anos depois de publicar o original, acrescentando algumas frases e retirando outras. Eu fiz uma união das duas versões, a antiga e a nova.

Boa escrita pra você hoje! :mrgreen:

Anúncios

2 Comentários

  1. Genial esse artigo, Valeria! =)

    Comentário por Leonardo — 02/03/2011 @ 19:11

    • Obrigada, Leonardo! Também adorei, esse autor é um dos meus favoritos, postarei mais textos dele em breve! 🙂

      Comentário por valeriaolivetti — 03/03/2011 @ 09:27


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: