Dicas de Roteiro

10/01/2011

A Parte Mais Difícil: Começar

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 10:26
Tags: , ,

Este artigo foi escrito por Ken Rotcop e tirado do site Writers Store:

Começar a escrever

"Eu vou escrever um roteiro."

"Bom!"

"Eu tenho essa ótima idéia para uma história. Estou muito animado."

"Vá nessa".

"Só que… eu tenho esse problema."

"Uhn?"

"Eu fico olhando para o meu computador e tudo o que ele faz é olhar de volta para mim!"

"Você já tentou usar as teclas do teclado?"

"Eu estou falando sério. Qual é o segredo para começar um roteiro? Você tem um segredo?"

"Para falar a verdade, eu tenho."

"É escrever cenas em fichas de 4×5” primeiro e depois espalhá-las todas na mesa de modo que você possa ver o começo, o meio e o fim?"

"Essa é uma maneira de fazer isso."

"É escrever as últimas dez páginas primeiro, assim você sabe para onde a história está se dirigindo e pode escrever até o clímax?

"Eu conheço um monte de escritores de mistério que escrevem dessa maneira. Isso funciona para eles."

"É escrever biografias de uma página de todos os seus personagens principais para que você os compreenda completamente e conheça suas motivações?"

"Você pode fazer isso, se funciona para você. Eu, pessoalmente, prefiro descrever os meus pontos de virada primeiro, e então criar personagens que trabalhem dentro dos meus pontos de virada."

"É fazer longas listas de tudo o que eu quero ver e ouvir no meu roteiro? Listas de cenas, de personagens, de diálogos. Apenas pegar tudo e por no papel. Listas funcionam?"

"Tenho certeza de que elas funcionam para alguns escritores. Não funciona para mim, porque eu acho que você perde a espontaneidade."

"Você apenas escreve FADE IN e simplesmente deixa seus personagens levarem você junto na jornada deles? É isso o que você quer dizer com espontaneidade?"

"Vários escritores em minhas oficinas afirmam que criam toda a história na cabeça, têm tudo planejado na mente, e podem ir direto para o FADE IN e escrever de uma tacada só a primeira versão inteira, de cabeça. Mas eu não acho que eu poderia fazer isso. "

"Então, pelo amor de Deus, qual É o seu segredo?"

"Eu escrevo uma carta."

"Uma carta?"

"Eu escrevo uma carta para alguém que não saiba nada da minha história. Eu costumava escrever para a minha mãe, mas quando ela faleceu eu comecei a escrever para Kimberly, a minha filha, que mora em Berlim."

"Espera um minuto. Nós estamos escrevendo um roteiro, não uma carta, lembra?"

"Eu escrevo: ‘Cara Kimberly, eu quero te contar a minha mais recente história. É sobre uma mulher que…’, e eu continuo a escrever a história toda, como se Kimberly estivesse no aposento comigo e eu estivesse falando pessoalmente com ela. Como ela não conhece a minha história, eu não deixo nada de fora. Às vezes, as minhas cartas têm de 10 a 12 páginas, mas quando eu termino, não está mais só na minha cabeça, mas no papel: todos os pontos principais, todas as nuances. Então eu reviso a carta, suavizo os pontos grosseiros, esclareço os elementos que estejam nebulosos, e moldo a história para me dar uma definitiva estrutura em três atos."

"Então você manda a carta para a sua filha?"

"Claro que não! Porque, na verdade, isso não é para ela, é para mim. Mas, ao contar a história para ela eu superei todas as dificuldades e estou pronto para ir ao FADE IN. Veja bem, para mim, definir a espinha dorsal da história é a parte mais difícil. Uma vez tendo feito isso, e estando tudo no papel, então, para mim, apenas adicionar o diálogo é fácil."

"Então ESSE é o seu segredo?"

"Esse é o meu segredo."

"Eu posso usar isso? Quero dizer, basta escrever uma carta?"

"Claro que você pode usar isso."

"Então, como é mesmo o nome da sua filha?"

 Envelope

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

19 Comentários

  1. Adorei essa materia. Faço ilustrações e tenho muita vontade de escrever uma história em quadrinhos, mas quando pegava o papel… Não conseguia escrever nada.
    Esse exemplo da carta é muito bom. Parabéns.

    Comentário por Marcio Bola — 11/01/2011 @ 11:48

    • Olá, Marcio, seja bem-vindo! 😀

      Que bom que você tenha gostado, espero que você escreva muitas histórias, pois eu sou fã de HQs! Dê uma olhadinha nos favoritos aqui do lado direito do blog, que tem alguns links de sites e blogs que falam de histórias em quadrinhos, são todos muito legais.

      Obrigada pela visita, Marcio, e quando tiver algum trabalho pronto, à venda ou online, avisa a gente, pra divulgar aqui!
      Um abração! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 10:40

  2. Oiii Valéria !!!

    Adorei esta matéria também. Tenho inseguranças quando o assunto é começar a escrever. As vezes, eu deixo até o roteiro de lado e passo para o outro. Tenho muito medo, mas esta idéia de carta foi muito boa. Vou fazer isto.

    Parabéns Valéria.
    Um abração e uma ótima semana.
    Igor.

    Comentário por Igor — 11/01/2011 @ 12:08

    • Oi, Igor!! 😀

      Que bom que você gostou! Tudo o que ajuda a gente a diminuir a nossa insegurança inicial natural é ótimo. O que eu realmente não sei é como existe gente que fica com o roteiro inteirinho na cabeça pra colocar ele de uma vez no papel, o meu cérebro precisa de um upgrade pra funcionar assim! 😆

      Valeu pela mensagem, Igor!
      Um abração e uma excelente semana pra você também! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 10:48

  3. Muito bacana esta matéria. É a mais pura verdade! huhauhauha
    Vou adotar essa ideia!!

    Beijos!!

    Ótima semana pra ti Valéria!

    PS: Nem pude agradecer pelo post sobre argumento e sinopse! Muito obrigada!

    ;D

    Comentário por Marcia Freddy — 11/01/2011 @ 12:20

    • Oi, Marcia!! 😀 😀

      Fico super feliz que tenha gostado… e de nada!! :mrgreen: Este carinho e apoio já é o meu pagamento, e sobra!! 😀 Valeu mesmo!

      Obrigadão pela visita, Marcia, um beijo grande, e uma ótima semana pra você também!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 10:52

  4. QUE LEGAL! Estou fazendo mais ou menos isso. Estou escrevendo a história toda e os seus pontos importantes como enredo. Mas, uma pergunta: no começo de carreira, devemos escrever roteiros de filmes que a sua realização seja barata para que sejam mais facilmente vendidos ou podemos sonhar alto como uma produção bem cara?

    OBRIGADÃO!
    =D

    Comentário por Marcello — 11/01/2011 @ 19:20

    • Oi, Marcello!! 😀 😀

      Olha, em relação ao orçamento do filme, todos recomendam que se escreva filmes baratos no começo de carreira, tanto aqui no Brasil quanto lá fora. Mas não devemos deixar de escrever nossas histórias que exijam um orçamento multi-milionário. Só acho que temos mais chance de vendê-la se for em formato de livro, não de roteiro. Um livro de ação e aventura, por exemplo, que faça sucesso, logo vai encontrar produtores interessados em transformá-lo em filme. Já as chances de vender um roteiro desses direto são bem menores.

      Então eu costumo fazer isso: as ideias que podem ser produzidas por uma quantia não muito alta eu transformo em roteiro, e as ideias que exigem um investimento absurdo, eu deixo para virarem livros. Assim a gente pode soltar a nossa imaginação sem amarras, e fazer o que bem entender! Vai que a gente faz sucesso feito a J.K. Rowling e sua série de livros Harry Potter, ou o Dan Brown, com sua série de livros que passaram a ser bestsellers depois de O Código Da Vinci! Todos viraram filmes de alto orçamento, e arrecadaram centenas de milhões de dólares! Eu tô nessa! :mrgreen:

      Um abração, Marcello, obrigadão pela visita, e disponha sempre! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 11:05

  5. Oi, Valéria!

    Muito interessante a matéria.

    Foi exatamente isso que fiz com o argumento. Escrevi para o Alex e contei a história como se eu tivesse conversando com ele.

    Ele disse que visualizou a trama toda!

    Também o trabalhão que me deu! A madruga que conte! (rsrsrs)

    Beijão!

    Eve

    Comentário por Eve Db — 11/01/2011 @ 21:56

    • Oi, Eve!! 😀 😀

      Que legal, se você escreveu assim então o seu argumento já está perfeito! As madrugadas insones não foram em vão, valeram muito a pena! :mrgreen:

      Estou doida pra ver o livro pronto, vou ser a primeira da fila para comprá-lo e lê-lo! Pode apostar! 😀

      Um beijão, Eve, e uma ótima semana pra você!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 11:09

  6. Oi Valéria! Fazia um tempão que eu não comentava seus posts!
    Mas agora vou voltar a comentar, e ler melhor seus últimos artigos, sei que serão ótimos para mim, pois estou entrando em uma nova fase.
    Já estava escrevendo o terceiro livro de uma série quando percebi que a melhor coisa que tinha a fazer era recomeçar tudo, tudo mesmo. Uma revisão não bastava, pois já fiz muitas, que melhoraram meu primeiro livro, é verdade, mas não o transformaram.

    Adorei esse post, pois vai me ajudar a começar nessa difícil empreitada. Beijos!

    Comentário por Milton G. Machado — 11/01/2011 @ 23:40

    • Oi, Milton!! 😀 😀

      Sabe, eu também já passei por isso, eu fiquei empacada num roteiro e não tinha nada que eu fizesse que pudesse melhorá-lo, pelo contrário, eu acho que quanto mais eu escrevia, ele tava ficando cada vez pior, tipo Frankenstein, cheio de remendos! Então eu deixei ele de lado um tempo e fui escrever outras coisas. Quando eu voltei a ele, vi que as revisões tinham levado a história para um outro lado, e que eu teria de me manter na história original, só que com alguns acréscimos. O interessante é que durante o tempo que eu me afastei eu acabei lendo e vendo matérias na TV que, por “coincidência”, me deram subsídios para melhorar aquele roteiro! Antes disso eu não teria material para melhorá-lo! Curioso, não?

      Então eu recomendo um tempinho de “férias”, quando você pode treinar escrevendo contos, curtas, qualquer outra coisa (mas não pare de escrever!), e ler e assistir programas interessantes que possam contribuir para a sua história. Quando voltar a ela, eu lhe garanto, você terá uma visão diferente, e enxergará com mais clareza suas qualidades e defeitos, o que torna muito mais fácil. Às vezes um pouco de distância é vital para a nossa escrita, muda bastante a nossa percepção das coisas.

      Um beijo grande, Milton, eu sempre fico muito feliz com a sua visita, obrigadão pelo comentário! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/01/2011 @ 11:27

  7. Divertida a proposta de um texto informativo em forma de dialogo ^^
    Gostei bastante do texto,mas acho que nem isso funciona comigo… já parei tres textos; começei com um, daí empaquei, me dei umas férias dele e começei outro pra treinar… empaquei, férias, outro pra treinar…ai se já sabe…
    Eu sou dificil pra começar, mas sou pior pra terminar, acho que o melhor a eu fazer é planejar tudo pra depois escrever certo… mas também é dificil pra mim O.o
    outra coisa legal desse texto é que ele sempre fala:”pode funcionar para outros escritores”- ou seja, ele deixa esse espaço, pra mostrar que mesmo que ele não consiga a pessoa pode tentar, então a proposta não é só mostrar um jeito de se fazer, mas tem vários citados no texto, então quem não consegue fazer a carta, tem uma renca de outros jeitos ai…
    Mas eu vou tentar esse da carta, por que eu noto que de um jeito bem parecido eu escrevo bem mais fácil… é quando eu converso com alguém, falando sobre a história, eu escrevo bem mais e tenho muitas idéias… e quando não tiver um ouvinte… vou tentar escrever a carta, agora é só eu descobrir como escrever uma carta (brincadeira)

    Atenciosamente Lucas Luciano

    Comentário por Lucas Luciano — 13/01/2011 @ 13:09

    • Oi, Lucas!! 😀

      Eu também gostei do jeito do autor de mostrar várias opções disfarçadas em uma só, ele não descartou nenhum dos outros caminhos, a gente vai tentando o que acha melhor e vê o que funciona, não é mesmo?

      O que está acontecendo com você já aconteceu comigo, acho que é insegurança de principiante. Até hoje eu acho complicado fazer um roteiro inteiro de longa-metragem, é um trabalhão danado e um imenso desafio emocional pra mim. Por isso, eu fui treinando com roteiros de curtas, de episódios de TV etc., textos menores que são menos “ameaçadores”! A vantagem disso é que a gente consegue terminar nossas histórias e tem aquela satisfação e auto-estima que vem de um trabalho bem feito (e finalizado) pra mostrar para os outros e ter feedback. Isso ajuda muito a gente a abraçar desafios maiores. A vida é assim mesmo, tudo que a gente aprende do zero tem de ir conquistando a passinhos de bebê até estarmos com pernas fortes para correr. Tenta escrever alguns curtas, acho que você vai se sentir bem terminando alguns. E ainda tem a chance de filmá-los você mesmo ou mandar para alguém filmar, o que é mais legal ainda! :mrgreen:

      Um beijão, Lucas, obrigadão pela mensagem e ótima escrita pra você! 😀 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 14/01/2011 @ 09:45

  8. É uma boa, todos os que peguei pra treinar eram contos enormes, talvez se eu escrever só textos fique bem mais facil… é uns roteirinhos pra tirinhas… depois de um tempo acho que pego a manha, e termino minhas duas histórias e o roteiro XD
    vou começar devagar pra ir crescendo… o importante é só não desistir.

    Comentário por Lucas Luciano — 14/01/2011 @ 15:57

  9. Já que tem tantos comentários vou aproveitar para dar os meus pitacos.
    Independente de qual seja o metodologia escolhida, acredito piamente que alguma se faz necessária para escrever um roteiro. Fichas, argumentos, story-lines, sinopses, perfil de personagens, escaletas, etc. Todas são válidas e podem-se usar todas elas juntas. O Bráulio Mantovani, roteirista de Cidade de Deus, já deu entrevistas relatando todo o seu processo de trabalho (vide youtube) e ele passa por todos estes processos, do story-line ao roteiro, passando pelo argumento, escaleta e tudo mais.
    E a não ser que você seja um esteta, mas um verdadeiro gênio que escreve de primeira o roteiro em versão final, não seja teimoso. Ordenar idéias já é em sim um problemão, portanto não se deve misturar isto com o problema de comunicar idéias. Primeiro pensar o que vai dizer e segundo como se vai dizer. E não devemos desanimar com os primeiros resultados, Ernest Hemingway já dizia que: “O primeiro tratamento de qualquer coisa é uma merda”.

    Comentário por Antunes — 16/01/2011 @ 19:43

    • Oi, Antunes!! 😀 😀

      😆 😆 Adorei o seu comentário!! :mrgreen: Extremamente divertido e acertado. Eu vou caçar as entrevistas do Mantovani, agora fiquei curiosa! 😀 E a frase do Hemingway é matadora! Não tem nem o que argumentar! 😆

      Obrigadão pelo comentário, Antunes, você foi direto ao ponto, falou e disse! :mrgreen:
      Um beijo grande, e uma ótima semana pra você! =D
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 16/01/2011 @ 20:22

  10. Penso em escrever quando penso, pausa seque-se outa pausa, passa uma brisa fria la se voi .
    No outro dia trabalhos e mais trabalhos,la se foi o dia, o desejo de escrever passa la em um cantinho da mente
    passa uma brisa quente,tiro a camisa,coloco um chortes,hi,la se foi do cantinho da mente o desejo de escrever,já sonhei como crianças sonham,passou os dias ,os anos ,as decadas,ainda continuo sonhando.

    Comentário por Rubens Borges — 22/01/2011 @ 13:50

    • Olá, Rubens, seja bem-vindo! 😀

      Sabe, eu realmente não concordo com a dica da escritora Rose Tremain: “Nunca comece o livro quando você sentir que deseja começá-lo, mas adie-o um pouco mais.” Na verdade, eu acredito que a maioria dos escritores têm tanta tendência a procrastinar e a ser vítima do bloqueio de escritor, que acabam é não escrevendo nada no final das contas. Se escrever quando a gente tem vontade já dá trabalho, imagina ficar adiando isso ao máximo. Pode até ter gente que consegue trabalhar assim, mas pela minha experiência, é a minoria. Por isso, é importante a gente sonhar, mas também botar o sonho no papel. Deixar de sonhar é que não dá, já que esta é a nossa maior qualidade (e por vezes, nosso maior defeito, por isso precisamos manter o equilíbrio).

      Um beijo grande, Rubens, e uma excelente semana pra você, com muita escrita! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 23/01/2011 @ 11:49


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: