Dicas de Roteiro

29/11/2010

“Jogue Fora” Os Seus Finais Surpreendentes

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 15:05
Tags: ,

Olá! O texto de hoje é de autoria do “roteirista pré-profissonal” (segundo suas próprias palavras), Nigel Anderson, e tirado de seu blog, Terraling:

surpresa

Jane Espenson fez uma bem-vinda volta ao seu blog, e recentemente a Rainha do Drama tem discutido sobre escrever comédia. Em um post recente, ela falou sobre a importância de “jogar fora” as suas melhores piadas:

“Eu percebo agora que é isto o que o meu showrunner em um programa chamado Monty quis dizer quando nos disse para não colocarmos a palavra mais engraçada no final da frase, mas certificar-mo-nos de que a frase continuaria depois dela.”

Esse conselho funciona bem para finais surpreendentes, também.

Eu tenho um roteiro acabado e bastante polido de um curta-metragem chamado Auto Karma, que tem estado parado na prateleira virtual por alguns meses. Um conto moral levemente cômico, com dois papéis fortes e uma única locação. Eu brincava com a idéia de filmá-lo sozinho, mas fiquei com uma pequena dúvida, se não haveria algo que eu podia fazer para dar a ele um pouco mais de eu-não-sei-o-quê-exatamente.

Em sua forma atual, ele termina com a grande revelação, um inesperado momento “Ah-rá!” que transmite o tema, e uma boa risada também, espero.

Mas deixa um pouco da sensação de “Certo, mas e daí?”, que é um problema comum para curtas com apenas alguns minutos.

Isso significa que a história toda termina e dessa maneira se mantém ou desaba com a revelação. É um bastante evidente “Tchã-ram! Não sou inteligente?” ‘câmbio-desligo do escritor, que provavelmente não é a melhor maneira de se conectar com o seu público.

A solução é tirar a pressão da revelação – “jogá-la fora”, como uma de suas melhores frases – e continuar escrevendo depois dela, para seguir em frente e colocá-la em seu lugar.

O que se segue precisa ser bom, é claro, tão bom quanto tudo o que veio antes da revelação, senão vai parecer inorgânico e forçado. Mas quando você progredir suavemente através de sua história curta e revelar a reviravolta, lembre-se de que o trabalho duro está longe de acabar, e que você precisa mostrar as consequências da revelação para tornar o conjunto mais satisfatório.

sonhos2Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

2 Comentários

  1. Oiii Valeria.
    Como está ?
    Eu tenho um outra pergunta(mais uma), sobre pilotos.

    Então, Realmente, para que serve um piloto em uma série ? Serve para contar a história ou fazer com que os produtores gostem ? Porque eu, as vezes não sei o que colocar. Tenho muito, mais muito medo do meu roteiro ser descartado. O que devo colocar ?

    Uma boa semana.
    Beijos !!!

    Igor.

    Comentário por Igor — 07/12/2010 @ 22:10

    • Oiii, Igor! Eu tô bem, e você? 😀

      Você acertou. O piloto serve para apresentar a história, os personagens e o tom da série, E TAMBÉM atrair os produtores! Ambas as coisas! Rsrs! Eu sei, é dureza, mas acho que só o que você precisa saber no momento é a parte estritamente técnica de como escrever um piloto (por isso que eu sempre digo que estrutura de roteiro vem a calhar quando a gente tá perdido!). Eu tenho alguns textos interessantes sobre isso, mas tem um artigo em especial (meio longo, por sinal), com 11 dicas bacanas para escrevermos um piloto. Já traduzi um terço e vou tentar postá-lo, no mais tardar, amanhã. Ele é bem abrangente, acho deve te dar uma ajuda.

      É isso, Igor, aguarde que amanhã esse artigo sai! Um beijo grande, e até lá! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 08/12/2010 @ 16:04


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: