Dicas de Roteiro

19/11/2010

Escrita de Roteiros: Elaborando o Argumento

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 12:34
Tags: , ,

Aqui vai mais uma explicação rápida da diferença entre argumento, sinopse e logline. Este texto foi tirado do site britânico Explore Writing:

caderno e caneta

Antes mesmo de iniciar o roteiro, muitos escritores começam com um argumento: um resumo da ação, temas e estilo do seu filme. Isso pode ter até várias páginas, dependendo de quão profundo seja. Enquanto em alguns casos os interessados vão querer ir direto para o roteiro acabado, alguns de fato pedem um argumento ou sinopse (e, invariavelmente, uma logline) antes. Loglines, sinopses e argumentos são planejados para gerar interesse e dar-lhe a opção de fazer isso antes mesmo de ter acabado de escrever o roteiro. Além disso, um argumento pode ser um instrumento útil para planejar as suas idéias, personagens, história, estrutura e temas, antes de colocar a caneta no papel.

O argumento

O argumento é geralmente mais abrangente do que uma sinopse (que condensa a história em poucos parágrafos), e também mais dramático. Sua finalidade é criar curiosidade e entusiasmo para o seu roteiro ao descrever os elementos básicos: os protagonistas, as cenas-chave, o enredo geral, o humor, o tom e/ou o gênero da obra, e quaisquer temas a serem desenvolvidos ou explorados. Diferente do roteiro em si, que deve ser extremamente prosaico, uma certa quantidade de prosa poética ou colorida é permitida, até mesmo recomendável, em um argumento, a fim de torná-lo mais "persuasivo". Enquanto o seu roteiro deve limitar-se a descrever em termos simples o que precisa ser filmado, um argumento tem permissão de especular (ou fantasiar) sobre como o filme acabado poderia se parecer, discutir o efeito geral que você está almejando, e dramatizar, não apenas descrever, a ação. Isto é mais uma questão de gosto, no entanto; alguns argumentos são apenas sinopses altamente detalhadas.

Sinopse

Uma sinopse geralmente implica em algo muito mais curto do que o argumento médio, provavelmente uma página no máximo. (Nunca subestime a aversão do pessoal de cinema para ler as coisas.) A menos que você tenha escrito um roteiro extremamente básico (ou seja, O Balconista, Estranhos No Paraíso), uma sinopse terá que omitir a maior parte da ação e focar nos pontos principais. Por este motivo, alguns roteiristas acham mais desgastante compor uma sinopse do que escrever o roteiro original. Imagine tentar resumir o enredo de O Poderoso Chefão ou de Matrix em um par de parágrafos! Economia de linguagem e de descrição é algo que vem mais fácil para os publicitários do que para os escritores, que naturalmente tendem para a quantidade e a eloquência, ao invés da concisão e da economia. Mas pode ser um exercício útil resumir o seu roteiro em um punhado de frases. Ser forçado a se concentrar no que é essencial para a história e para o tema pode ajudar a extrair a essência de sua obra e colocá-la sob uma nova perspectiva.

Como não é possível descrever a trama inteira em dois parágrafos, você precisará enfatizar o que constitui o fio condutor, o arco da história que leva os espectadores através de seu filme, e os modos pelos quais este arco desenvolve os personagens principais e o tema pretendido (supondo que haja um). Com o Matrix, por exemplo, poderia ser mais fácil focar na jornada do personagem principal, Thomas Anderson, conforme ele descobre a verdade de sua situação (que ele está vivendo dentro de um programa de computador, o seu corpo verdadeiro está sendo drenado de energia por máquinas), e reivindica seu poder como O Escolhido. Todo o resto seria delegado a uma importância secundária ou periférica, e excluído da sinopse.

Loglines

Finalmente, a logline, como é o resumo mais curto e mais conciso de todos, pode revelar-se a mais difícil de fazer até satisfazê-lo. Uma logline é exclusivamente para propósitos de “venda”: um par de bem escolhidas frases usadas para "apresentar para vender" o seu roteiro para potenciais compradores. Tente evitar o clichê de Hollywood do “filme X junto com o filme Y”, a menos que você realmente sinta que pode sintetizar o espírito do seu filme dessa maneira. Pense no que lhe inspirou a escrever o seu roteiro, o que você mais gosta nele e o que o faz se destacar dos outros filmes.

Com todos estes formatos – argumento, sinopse e logline – você deve concentrar-se nos elementos que sejam mais excitantes, desafiadores, intrigantes e originais no seu roteiro, tendo o cuidado de colocá-los em um contexto (o de gênero, por exemplo), que seja tanto familiar quanto acessível aos leitores, assim garantindo-lhes que o seu roteiro é "vendável". O ponto principal de toda negociação de cinema, afinal de contas, é o cifrão.

cifrao

money-emoticon Boa escrita (lucrativa) pra você hoje!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: