Dicas de Roteiro

13/11/2010

Recompense a Si Mesmo – Parte 3

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 18:57
Tags: ,

Aqui vai a penúltima parte desta série do blog The Bane of Your Resistance, escrita por Rosanna Bane.

agilidade canina

Blue anda na gangorra como uma profissional

Blue Aprende a Andar Na Gangorra

A maior parte do que os cães fazem em provas de agilidade são comportamentos naturais – correr, pular, subir – mas a gangorra não é. Dê uma outra olhada naqueles vídeos se você nunca viu um cão em uma gangorra. A gangorra tem peso de forma que uma extremidade fique no chão. O cão tem de subir correndo na prancha, fazer uma pausa no lugar certo, onde o seu peso faz com que a prancha se incline, e percorrer a prancha até que a outra ponta toque no chão.

O meu treinador me mostrou como as recompensas fariam a Blue saber que a gangorra era interessante, e não assustadora; e que interagir com aquilo era divertido, e não trabalho. Blue tinha apenas quatro meses de idade quando começou a treinar (a gangorra era reduzida para filhotes). Eu elogiava a Blue de vez em quando, mas nunca lhe pedi para fazer nada. Ela deu início a todos os seus movimentos; eu só recompensava aqueles que estavam próximos a uma série de comportamentos que nós estávamos procurando ("recompensar comportamentos aproximados.")

No início, eu clicava o clicker e dava à Blue um pequeno mimo toda vez que ela olhava para a gangorra, o que tornou a gangorra interessante, então a Blue começou a procurá-la quando íamos para a aula. Depois de várias sessões de treinamento de curta duração, eu aumentei só um pouco os riscos. Eu continuei a clicar e a dar à Blue uma recompensa toda vez que ela se aproximava da gangorra, mas parei de dar tantas recompensas por apenas olhar para a prancha. Quando a Blue farejava ou tocava a gangorra com uma pata, ela conseguia mimos extras.

Sempre que ela via a gangorra, os neurônios da Blue começavam a disparar e seu cérebro liberava dopamina. Ela estava animada e ansiosa para brincar, porque ela associava a gangorra com a obtenção de uma recompensa. Durante vários meses, eu recompensei a Blue por fazer coisas que acabariam por conduzir ao resultado final desejado da Blue andar na gangorra. Eu nunca “corrigia” ela; não havia "mau" comportamento, apenas comportamentos que eram recompensados e comportamentos que eram ignorados.

agilidade

Você Consegue Andar na Gangorra?

Para ilustrar a conexão entre ensinar o meu cão a andar em uma gangorra e ajudar você a escrever de forma mais consistente e com alegria, considere o quão entusiasmado e confiante um cão seria ao abordar uma prancha oscilante e trêmula, se o treinamento tivesse sido negativo, exigente, crítico e exigisse perfeição instantânea.

"Mau cachorro. Seja rápido. Não, não é desse jeito que se começa. Faça isto. Você é totalmente indisciplinado e preguiçoso. Você chama isso de correr numa gangorra? Você não tem o que é preciso para ser um cão de agilidade."

Mas esse é o tipo de "motivação" que muitos de nós nos damos como escritores. "Eu sou um escritor ruim. Eu já deveria ser acabado a esta altura. Essa é uma maneira estúpida de começar uma frase. Eu deveria estar escrevendo como _______. Eu sou totalmente indisciplinado e preguiçoso. Você chama isso de escrever? Talvez eu simplesmente não tenha o que é preciso para ser um escritor."

Comportamentos Aproximados de Escrita

Para motivar a si mesmo como escritor com reforços positivos, você tem que avaliar onde está agora e onde você quer estar. Então você precisa determinar quais são os passos intermediários que lhe levarão para o resultado final desejado e reforçar esses comportamentos com recompensas.

Eu queria que a Blue aprendesse a subir correndo numa gangorra, encontrasse o ponto de inflexão, inclinasse a prancha e corresse com segurança até que ela tocasse o solo, e em seguida saísse correndo ansiosa para fazer o próximo obstáculo. Ela não conseguia fazer nenhuma dessas coisas no começo, mas ela pode fazer todas elas agora com confiança e velocidade.

O meu instrutor me ajudou a descobrir quais passos de bebê recompensar ao longo do caminho: olhar para a gangorra, se aproximar da gangorra, farejá-la, tocá-la com o focinho, tocá-la com a pata, colocar uma pata nela, colocar duas patas nela, ficar sobre ela com as quatro patas, andar um passo nela, andar vários passos, caminhar até onde ela vira, incliná-la, andar por toda a extensão da prancha, trotar pela coisa toda. Levou meses, mas a Blue aprendeu a correr pela gangorra como uma profissional. Ela fez isso porque era divertido e interessante, não porque eu exigi isso dela.

Talvez seja mais fácil dar a um filhote de cachorro permissão para brincar e fazer algo que só se aproxime do resultado final que estamos procurando. Você pode se sentir bobo ao dar a si mesmo recompensas por fazer algo simples que apenas se aproxime da maneira que você eventualmente quer escrever. Mas a técnica vai funcionar. E quando você terminar de retreinar a si mesmo, não terá que recompensar cada pequeno passo.

Onde você está agora em seus hábitos de escrita? Se você está evitando completamente a sua escrita, vai precisar recompensar os comportamentos mais básicos de escrita, do que se você está comparecendo para escrever, mas não está terminando os projetos. Alguns dos passos intermediários que você pode querer recompensar, incluem:

  • Ligar o computador
  • Encontrar as páginas nas quais você trabalhou na última vez
  • Abrir um arquivo de escrita
  • Ler o que você escreveu antes
  • Escrever uma nova frase
  • Escrever livremente por alguns minutos
  • Escrever várias frases
  • Escrever livremente por 5 minutos
  • Encontrar uma coisa boa na escrita
  • Escrever uma primeira versão de merda
  • Revisar um parágrafo
  • Revisar uma página.

Em nossa 4ª e última parte de nossa série sobre Recompensar a Si Mesmo, você vai averiguar como a sua "gangorra" se parece e que tipos de recompensas ajudarão você a passar por esse desafio como um border collie.

Border-Collie

Boa escrita pra você!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: