Dicas de Roteiro

26/10/2010

7 Lugares Para Escrever o Seu Roteiro

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:47
Tags: ,

O artigo a seguir é de autoria de Christopher Rice, e foi tirado de seu blog, ScriptXRay:

St-James-s-Park--London

Casa

Stephen King sugere que você crie um espaço para si mesmo em algum lugar de sua casa onde você possa ir para fazer nada mais do que escrever. Seja na varanda, no escritório ou no banheiro, certifique-se de que você tenha um lugar para ir quando quiser escrever… que por acaso deveria ser todo dia, se você for um escritor de verdade. Por falar nisso, se você estiver escrevendo em um computador, certifique-se de que ele não esteja conectado à Internet… ela realmente cria bloqueios de escritor.

Barnes & Noble (Livraria)

Vamos encarar: a Barnes é a melhor livraria da cidade. Os funcionários são profissionais, bem vestidos e educados, a organização dos livros é impecável e clara, e o melhor de tudo: eles servem café da Starbucks em um dos cafés mais limpos no qual você jamais leu ou jantou. E é exatamente por isso que é um ótimo lugar para escrever. Se você é como eu, você precisa estar no meio da agitação do mundo cotidiano a fim de devanear em sua imaginação e produzir trabalho. Pegue uma mesa, peça um macchiato de caramelo com fava de baunilha em pó em uma caneca, e devaneie com nada além do seu caderno e caneta, laptop e fichas, ou giz antigo de homem das cavernas, e conte a sua história.

[N.T.: Não existem B&Ns no Brasil, mas temos outras excelentes livrarias que também são ótimas opções de locais para escrever. Aproveite!]

Chuveiro ou Banheira

Para a maioria dos escritores, o chuveiro é um dos lugares mais criativos da casa. Talvez o vapor crie uma zona tipo-zen, onde o inconsciente circule. Talvez seja um lugar onde deixamos a nossa mente vagar até ficar calma, e portanto, nos tornamos abertos a novas idéias. Se você precisa relaxar, desligar-se do mundo, e deixar os mundos da sua história tomarem conta, considere este o melhor lugar para você.

Parque

Quando foi a última vez que você foi a um parque? Quando foi a última vez que você leu Peter Pan? Você sabia que muito da história de Peter, bem como muitas das histórias de J.M. Barrie, foram em grande parte criadas no parque local? Há algo em se passear pela grama ao ar livre, ouvir o barulho do balanço, os risos das crianças, o farfalhar das folhas ou o gotejar da água dos chafarizes, que estimula a imaginação e encoraja a sua mente a voar alto como costumava fazer quando você era criança. Sem fronteiras. Sem limites. Imaginação pura.

Park_Bench_Companions

Trabalho

O seu trabalho diário é algo que você quer fazer para o resto da sua vida? Se não, você deve estar pensando em suas histórias a cada segundo do dia. Mesmo se você não está fisicamente escrevendo, a sua mente está ponderando, fazendo brainstorm, criando e produzindo novas idéias. Considere este momento o seu tempo para pensar sobre o que você escreveu ontem à noite ou de manhã cedo, o que você quer escrever esta noite ou amanhã de manhã, e para onde você está indo. Além disso, tenha em mente que, como um contador de histórias, o seu trabalho é contar histórias que reflitam a condição humana, então agora é também o tempo de observar e entender as pessoas e a vida. Se você puder, tome notas em seu caderno. Durante a sua pausa, escreva uma cena, explore uma idéia, e teste alguns nomes ou descrições. Você passa de oito a nove horas no trabalho… utilize o máximo que for possível desse tempo em sua escrita, sem ser demitido.

Veículo

Quando eu estava trabalhando em uma companhia produtora em West Hollywood, eu agüentava uma hora e meia de viagem de ida e de volta, todos os dias – que são três horas além das suas oito a nove horas por dia em que você poderia estar escrevendo ou, pelo menos, pondo em prática os seus sonhos de escrever. Eu mantinha um grande bloco amarelo no meu banco de passageiro o tempo todo (cadernetas não funcionam bem porque se você tem um pingo de sanidade mental enquanto escreve no seu carro, você vai olhar a estrada), e produzi muitos artigos, contos, e outros escritos. Isto deve servir melhor para os residentes de Los Angeles – porque o trânsito daqui realmente permite isso. O que você faria se ficasse preso em um engarrafamento infernal todos os dias da semana? Escreveria, certo? Eu não sou do tipo que usa gravador de voz, mas, ei, esse é um ótimo lugar para se escrever oralmente. Abaixe o rádio que você não está realmente ouvindo de qualquer modo, pegue o bloco e a caneta, e escreva à mão ao estilo George Lucas.

Sono

Mais uma vez, quando a sua mente está em repouso, as idéias fluem. Mantenha aquele “oh, tão prático” bloco amarelo perto da sua cama ou sofá ou rede ou onde quer que você durma, de modo que você possa facilmente anotar todas as grandes idéias que você sonhar. Se você não costuma acordar ou sonhar, considere botar o seu despertador para tocar nas primeiras horas da madrugada; as chances são de que você será acordado bem no meio de um sonho. Certifique-se de manter aquele bloco por perto; é quase garantido que você vá esquecer o seu sonho, a menos que você o anote ou o verbalize.

Banco borboleta

Em dois comentários do post original os internautas sugeriram também a biblioteca e a praia como bons lugares para se escrever. O autor então acrescentou que a biblioteca da UCLA é uma melhores que ele conhece, e que na verdade todo o campus da UCLA é excelente.

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

15 Comentários

  1. Enquanto não tenho um lugar para chamar de meu, minha grande vontade é comprar um notebook justamente para sempre que precisar me afastar de tudo e todos e ficar sozinho com a minha história.

    Tem dias que meu irmão inventa de jogar video game (que por acaso fica bem do lado do computador) e escrever em uma situação dessas é impossível! A gritaria é tanta que os pensamentos somem e tchau-tchau inspiração. A única inspiração que surge é para esganar ele e os amiguinhos dele HAHAHAHAHAHHA — Sério.

    Comentário por Fernando — 26/10/2010 @ 11:12

    • HAHAHAHAHA! Assim você me mata de rir, Fernando!! 😆 😆 😆

      Eu sei exatamente o que você está passando, eu tenho um irmão bem mais novo que eu, e ele gostava (gosta até hoje) de jogar no computador. Então sempre foi uma negociação ferrenha pra eu ter tempo de escrever! Tive que definir horários, assim eu não invado o tempo dele e ele não invade o meu. Quando eu não posso escrever no meu horário determinado, foi-se, perdi, só no dia seguinte!! Ou no papel mesmo! 😆 Arf! É a vida! Mas a gente vai levando! 😀

      Boa sorte com seu irmão, Fernando, eu aconselho o uso de táticas de manipulação, chantagem e suborno, às vezes funcionam bem! 😉 😆

      Comentário por valeriaolivetti — 27/10/2010 @ 09:56

  2. Grazas por compartir o meu contido cos seus lectores – Espero que axude!

    Eu normalmente non permiten que outros blogueiros para levar o meu contido e publicalo na súa totalidade, pero a ver como estamos a traballar en diferentes linguaxes, vou facer unha excepción. Todo o que pido a cambio é que conectar ao scriptxray riba ou por baixo do contido … o enlace que realmente me axudar! : D

    Espero que todo estea ben!

    Comentário por Christopher // Scriptxray.com — 26/10/2010 @ 15:28

  3. Oops, deixa para alí – só vin que Vostede engadíu a ligazón. Grazas, grazas, grazas!

    Sinto-se a liberdade de borrar os meus comentarios: D

    Comentário por Christopher // Scriptxray.com — 26/10/2010 @ 15:30

    • Hello, Christopher!! 😀 😀 😀 😀 ==> (I’m so happy with your visit!)

      Thank you very much for allowing me to publish your article. I love you blog, it’s really really cool. Thank you for you generosity in sharing your knowledge, you are doing a great job helping new screenwriters (now, a lot of Brazilian writers too! 😀 😉 ).

      I write my own posts, but I like to translate the most interest ones that I find because there are lots of Brazilian students that can’t read in English, and have no acess to this great information.

      Thank you very much again, Christopher, and sorry for my mistakes, I think I can translate better than I speak (or write) in English (lack of practice, I suppose).

      Best Regards,
      Valéria Olivetti =D

      Comentário por valeriaolivetti — 27/10/2010 @ 10:16

  4. Uau! Que bacana essa atitude do Christopher, coisa rara, hein, Valéria? Claro, tem o tom pragmático da coisa (mais típico aos anglo-saxões), a permissão à reprodução do conteúdo, mas há uma generosidade que se deixou transbordar, disso acredito que não há dúvida.

    Comentário por Cícero Soares — 27/10/2010 @ 11:01

    • Olá, Cícero! 😀

      É verdade, ele foi muito bacana permitindo a reprodução de seu texto. Ele queria apenas que eu colocasse o link para o site dele, o que eu sempre faço questão de colocar, ele viu isso depois. Eu gosto muito dos textos dele, acho que já postei vários aqui. Mas essa foi a primeira vez que ele percebeu! 😆

      Você tem razão, Cícero, os anglo-saxões são muito pragmáticos, mas também deve existir muita apropriação indevida lá, com o intuito de ganhar dinheiro nas costas dos outros. Como eu apenas estou divulgando o trabalho dele em outra língua, acho que ele viu que não era esse o caso.

      Um abração, Cícero, e obrigada pela mensagem! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 27/10/2010 @ 22:43

  5. Muito bacana esse texto.
    Graças a ele já escolhi um lugar perfeito para a minha escrita, que seria a roça (bucólico, huh?).
    Bom, o importante eu já tenho, o lugar para escrever. Acho que vai demorar um pouquinho mais para decidir sobre o que escrever.

    Enfim, abraços =)

    Comentário por Caio — 28/10/2010 @ 00:16

    • Olá, Caio!

      😆 Excelente escolha! Menos pra mim. A minha avó tinha um sítio e lá era cheio de uns bichos que eu odeio: SAPOS, RÃS e PERERECAS (até que as pererecas eram pequeninhas e bonitinhas, mas o resto…). Eu tinha pavor desses bichos que pulam (e ainda tenho!!). Eu pulava mais alto que eles, DE PAVOR! Eu também não gosto de cobras, mas como nunca vi uma, eu nem me preocupava. Já os sapos, eram uma praga, era só começar a anoitecer que o chão ficava coalhado, não dava pra dar nem um passo sem praticamente pisar em um ou mais. Êta bicho feio! Por isso, para manter a minha sanidade mental, física e emocional, eu fico bem longe da roça. Os sapos agradecem!

      Mas se o seu local de escrita é inspirador pra você, isso é ótimo, e significa que logo logo você vai ter um montão de ideias fluindo. Eu tô torcendo por isso (e pra você ficar longe dos sapos!) :mrgreen:

      Um abração, Caio!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 28/10/2010 @ 01:51

  6. Ola Valeria ! Quanto tempo !!!!

    Estou pegando aos poucos os posts sobre serie de tv para ler, e devem estar otimos. Gostei muito sobre este posts dos 7 lugares para escrever seu roteiro. Muito Bom !!!

    Eu tenho uma pequena duvida. Entao, como eu faço um roteiro de serie de epoca ?

    Abraçao !!!
    Otimo fim de Semana…

    Igor !

    Comentário por Igor — 30/10/2010 @ 06:55

    • Oi, Igor, que bom vê-lo aqui de volta! 😀 😀

      Que bom que você gostou deste post! E eu finalmente consegui terminar a série sobre TV, agora ela está completinha! :mrgreen:

      Olha, eu realmente não me lembro de ter lido nenhum artigo que dissesse que um roteiro de época deveria ser diferente do normal. Eu dei uma procurada e encontrei apenas um roteiro de TV original desse tipo, da BBC (que faz um montão de seriados de época), e ele me parece um roteiro como qualquer outro. Dá só uma olhada (a série chamas-se Merlin e se passa na Idade Média):
      http://www.bbc.co.uk/writersroom/insight/downloads/scripts/merlin_s1e9.pdf

      No site da BBC tem vários outros roteiros de outros seriados para você comparar: http://www.bbc.co.uk/writersroom/insight/script_archive.shtml

      Eu acredito que você apenas tenha de definir a época e o lugar genericamente no começo do primeiro episódio, e deixar o resto para o cenógrafo, o figurinista, o produtor e o diretor pesquisarem. O único cuidado extra que você tem de tomar é com os diálogos. Tente utilizar ao máximo a linguagem da época (muita atenção na hora das gírias), ou algo que se pareça com a linguagem da época (porque se fôssemos escrever como realmente falavam há quinhentos anos, por exemplo, ninguém ia entender neca de pitibiriba! 😀 ).

      É isso, Igor, se eu encontrar mais alguma coisa sobre este assunto, eu postarei aqui.

      Um abração e um ótimo feriado pra você! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 01/11/2010 @ 10:02

  7. Legal a atitude do Christopher, ótimo o texto dele, e muito generosa você Valéria por dividir com a gente essas palavras! Apesar de eu até compreender o Inglês com uma certa facilidade, nunca encontraria esse texto se você não o tivesse disponibilizado em seu blog.
    São ótimas dicas! Sou obrigado a concordar que a internet cria vários bloqueios mesmo… Para escrever eu não posso estar conectado.

    Então, valeu! Abração!!! 😀

    Comentário por spectromgm — 30/10/2010 @ 17:12

    • Oi, Milton! 😀 😀

      Obrigada por suas palavras gentis, elas me animam muito a continuar escrevendo, escolhendo e traduzindo artigos bacanas para o blog. Valeu mesmo! 😀 😀

      Eu também não costumo escrever conectada, na verdade eu escrevo no papel mesmo, e quando eu passo à limpo, não faz muita diferença se estou ou não conectada, é mais trabalho braçal do que inspiração. Mas o difícil pra mim é reescrever conectada. Porque eu volta e meia acho que preciso pesquisar melhor um detalhe, e a coisa acaba me consumindo tanto tempo que quando eu vejo já se passaram algumas horas e eu não escrevi chongas! 😆 É dureza! 😀

      Obrigada novamente pelo carinho e amizade, Milton! Um abração e um ótimo feriado pra você! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 01/11/2010 @ 10:19

  8. Sabe o que mais amo nesse site?
    É que toda vez que surge um medo, uma dúvida, até mesmo um obstáculo daqueles.. é aqui que encontro a motivação e a certeza que estou no caminho certo..
    UCLA.. em brave aí vou eu!!!

    TKS Val!!

    Comentário por Ana CaTrin — 30/10/2010 @ 17:32

    • Oi, Ana! Que bom tê-la aqui de volta! 😀 😀

      Uau, assim eu fico até sem jeito! Obrigadão por suas palavras de apoio, é você quem está me motivando! Fico muito feliz mesmo de estar ajudando! Torço que a cada dia você chegue mais e mais perto de seus sonhos! A UCLA que aguarde!! 😀

      Um beijo grande, Ana, e um maravilhoso feriado pra você!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 01/11/2010 @ 10:25


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: