Dicas de Roteiro

10/07/2010

Oito Semanas Para Um Roteiro – Parte 2

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:30
Tags: ,

Olá! Hoje temos a continuação do artigo do Richie Solomon, tirado do site Story Link:

calendar (1)

SEMANA DOIS – ESCREVENDO O ARGUMENTO

Fiona

Shrek, escrito por Ted Elliott & Terry Rossio e Joe Stillman e Roger S.H. Schulman
Baseado no livro de William Steig

Você não entraria de cabeça em uma viagem através do país sem um mapa, então por que você mandaria seus personagens para a jornada deles, sem um plano?

Você passou a última semana inteira pensando em sua história. Esperançosamente, agora você sabe a história que quer contar e tem um monte de ótimas idéias para contá-la. Se você é como eu, a sua mesa provavelmente está cheia de notas, pedaços de diálogo e descrições de cenas escritas em Post-its, em pedaços de papel e nos versos dos ingressos de cinema, e em qualquer outra coisa que estivesse disponível quando a inspiração bateu.

Agora vamos organizar essa bagunça em um argumento utilizável. Acho que eu acabei de ouvir um gemido coletivo. Estou impressionado pela forma como muitos escritores têm problemas com isso.

Eu tinha um amigo que escrevia cada cena em uma ficha de 12×8 centímetros e, em seguida, organizava as fichas num quadro de cortiça de 10×20 centímetros em seu escritório. Ele passava meses olhando para esse quadro: organizando, reorganizando, riscando e reescrevendo as fichas. Ele parecia o Einstein tentando resolver a teoria da fusão a frio.

Um pequeno problema, porém: ele passou tanto tempo tentando deixar o seu argumento simplesmente perfeito, que nunca de fato escreveu nenhum roteiro. Ele estava vivendo a ilusão de ser um escritor sem nunca ter escrito nada.

Argumentos não são cubos de Rubik (cubos mágicos), não há uma solução única perfeita.

cubo-magico  rubik-cube

No entanto, os escritores sempre ficam atolados em suas estruturas de três atos. Qual é a sua apresentação, o seu confronto, a sua resolução, o seu ponto de virada um e ponto de virada dois? O que eu preciso que aconteça na página 30, 60, 90 e assim por diante?

Eu vou lhe deixar por dentro de um dos segredos mais bem guardados do roteirismo. Eu retiro isso, é o segredo mais bem guardado de qualquer tipo de escrita.

Basta contar uma boa história!

Se você contar uma boa história, todo o resto vai se encaixar. Quando você assiste a um filme que ama, e está lá sentado, pensando: "Oh, nós chegamos aos 30 minutos, então esta cena deve ser o ponto de virada um e o início do Ato II?" Se for assim, o filme não é bom, porque fez você pensar na estrutura dele, ao invés de atraí-lo para a sua história.

Há mais na vida do que a estrutura de três atos. Há a estrutura de quatro atos, a estrutura de cinco atos, a estrutura de sete atos, a estrutura de nove atos, a jornada do herói, o salto-da-rã, o seqüenciamento, e o círculo de história Navajo. Só para citar alguns.

Todas elas são apenas orientações, ferramentas para você examinar se a sua história não está avançando.

Infelizmente, todo mundo já tem a estrutura de três atos enfiada em suas cabeças, mesmo pessoas que não são escritoras. Apenas tente explicar a um executivo de desenvolvimento que a sua história não segue a estrutura de três atos: "É mais um cruzamento entre o círculo de história Navajo e o salto-da-rã."

Os olhos dele vão se revirar e ele não irá ouvir nem mais uma palavra do que você diz. Ele simplesmente vai pensar consigo mesmo que se ele já está confuso demais com qualquer outro tipo de estrutura, então o público vai se confundir com a história, também. Antes mesmo dele ouvir a sua história!

Cubo mágico com teclas

É melhor ficar quieto sobre tudo o que se desvie da estrutura de três atos e apenas contar a sua história. Se você fizer isso, ninguém vai notar a sua estrutura.

É uma boa idéia pelo menos pensar na sua história na forma mais simples da estrutura de três atos, para que você possa responder a quaisquer perguntas que possam fazer. E isso significa:

  • Primeiro Ato – Apresenta o conflito.
  • Segundo Ato – É o conflito.
  • Terceiro Ato – Resolve o conflito.

Então, agora que a estrutura não é tão intimidadora, vamos escrever o nosso argumento. Assim como não há estrutura certa ou errada, não existe maneira certa ou errada de se escrever um argumento. Você deve escrevê-lo da maneira que funcionar melhor para você.

Eu, pessoalmente, experimentei vários métodos diferentes e descobri que o meu projeto específico dita qual estilo eu devo usar.

William Goldman gosta de usar descrições de uma palavra para cada cena, que resuma o seu propósito.

DIRIGINDO
TEMPESTADE
BATIDA

Essa é a abertura de Louca Obsessão. Cada palavra o lembra da idéia principal da cena. Este método requer que você realmente conheça a sua história e saiba do que se trata cada cena.

Eu tenho usado este estilo eficazmente nas minhas histórias pessoais, quando eu somente preciso de um pequeno lembrete do que quero dizer em cada cena. Eu também gosto deste método porque ele dá-lhe uma sólida estrutura para trabalhar, mas ainda permite que os seus personagens se expressem durante o processo da escrita propriamente dita.

Eu também utilizei os argumentos totalmente detalhados, ato por ato, cena por cena. Estes são os tipos populares em séries de TV, onde você quer saber exatamente o que vai acontecer em cada uma das cenas, inclusive o diálogo principal que precisa ser dito.

Estes argumentos são quase tão longos quanto os roteiros finais em si, e é muito fácil escrever a partir deles. Eles são realmente úteis quando você deseja obter feedback sobre a sua história antes de começar a escrever o roteiro.

Geralmente eu uso algo entre os dois extremos – mais tipo um argumento passo-a-passo ou beat sheet. Eu dou uma breve descrição de seqüências da história que eu quero transmitir. Elas poderiam até incluir diálogos específicos ou pensamentos que eu quero ter certeza de passar.

Você precisa encontrar o método com que você se sinta mais confortável para lhe ajudar a planejar o seu próprio roteiro. E tenha em mente que nada é permanente. Recortar e colar são ferramentas maravilhosas. Se os seus personagens começarem a levar a sua história para uma direção inesperada, mas bem-vinda, você sempre pode misturar ou eliminar cenas mais tarde.

Um argumento nada mais é do que um guia para manter você nos trilhos, do ponto A ao ponto B, da forma mais eficiente.

OK, então vamos começar a trabalhar. Pegue todas as suas anotações e comece a organizá-las no estilo que você acha que vai funcionar melhor para o seu projeto.

Provavelmente você ainda não tem todas as cenas escritas em suas notas, então organize o que você tem e comece a preencher os espaços em branco. Ela dá a sensação de ser uma boa história? Cada cena move a sua história para a frente? Você tem cenas redundantes que transmitem a mesma informação? Este é o melhor momento para corrigir tudo isso.

Quanto mais claro e detalhado for o seu argumento agora, mais fácil será a escrita mais tarde.

Eu também gosto de escrever uma logline [N.T.: O resumo do seu roteiro ou história em apenas uma frase.] bruta neste estágio. Não é necessariamente a frase de ouro que vou usar mais tarde ao tentar vender o projeto, mas apenas uma ideia esboçada de sobre o que é a minha história.

Todas as minhas cenas trabalham em direção a este sentido? Se não, elas provavelmente não pertencem ao roteiro.

Não se preocupe se ninguém mais conseguir entender o seu argumento, só que você precisa entendê-lo agora. Você consegue ver a sua história se desdobrando? Esta é a história que você quer contar?

Na próxima semana nós vamos pegar o seu argumento e começar a escrever o roteiro.

rubiks1 rubiks2

CUBO MÁGICO – 25 ANOS E AINDA ATUAL

Boa escrita hoje e até a parte 3!

Anúncios

2 Comentários

  1. Oi.
    Eu gostaria de ler mais sobre estas estruturas de roteiro que o texto cita: o salto-da-rã, a estrutura de quatro atos, a estrutura de cinco atos, a estrutura de sete atos, a estrutura de nove atos, a jornada do herói, o salto-da-rã, o seqüenciamento, e o círculo de história Navajo… mas não encontrei. Sabe onde é possível conhecer?

    Comentário por Fábio — 11/08/2010 @ 20:33

    • Olá, Fábio, seja bem-vindo!

      A sua pergunta é excelente, e merece um post só para respondê-la. Aguarde que já estou preparando a resposta para o próximo post. Espero que você goste! 😀

      Um abração, Fábio, e volte sempre! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 12/08/2010 @ 15:56


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: