Dicas de Roteiro

06/07/2010

Variações Sobre Um Tema

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:30
Tags: , ,

Continuando com o assunto de ontem, esta é outra versão da “Dica nº 12” do site Script Secrets do roteirista William C. Martell. Ontem eu havia informado que este texto não estava mais no ar, mas eu estava enganada. A terceira versão da dica foi parar no número 44 (que costumava ser o que agora é a dica nº 12, ou seja, trocaram de lugar)! A tradução abaixo é a da terceira versão, que inclui todo o texto da segunda e mais um trecho ampliado. Eu utilizei o título da segunda versão no post. O título da terceira é O Tema Assombroso de Piratas 3. Tá confuso demais, né? Deixa pra lá, é só ler o texto a seguir! 😀

leonid__afremov(1)

O que é um tema? É sobre o que o seu filme realmente se trata – o ASSUNTO ao invés do enredo. A moral da história. Quando eu comecei a escrever roteiros não pensei que tema sequer existisse. As pessoas me perguntavam sobre o que era o meu filme, e eu respondia: “É sobre um policial perseguindo um assassino em série”, e elas retrucavam: “Não, sobre o que se trata REALMENTE?”. Eu achava que elas eram todas pseudo-artistas pomposas e pretensiosas procurando por um significado oculto profundo num roteiro de ação.

Você sabe o que é estranho? Agora eu acho que tema é a parte mais importante de um roteiro. Eu acho que o danado do roteiro inteiro vem do tema. Quando as histórias dos filmes desmoronam, geralmente é porque não há nenhum tema para segurar tudo junto. É apenas uma série de eventos sobre um personagem que não chega a lugar algum. Contos de fadas têm temas, rimas infantis têm temas, então por que os filmes não deveriam ter?

Tema é o que nos atrai para uma ideia de história em particular. Todos nós temos temas pessoais, coisas que aparecem várias e várias vezes em nosso trabalho. Questões ou conflitos pessoais e emocionais que nos interessam a um nível subconsciente. Muitos dos meus roteiros são sobre lealdade. Outros são sobre fazer a coisa certa mesmo que você possa sofrer. Alguns são sobre levantar-se do chão após ter sido derrubado. Quando eu escrevi o meu filme-família Mamãe Invisível / Querida Você Sumiu! (Invisible Mom, 1996), eu sabia sobre o que ele “realmente era”, não subestimar o valor daqueles que você ama. Josh acha que a sua mãe é uma praga que está sempre querendo que ele arrume seu quarto. Ele deseja que ela simplesmente desapareça. Ele tem seu pedido concedido… e começa a sentir falta dela. O tema surgiu com o título neste caso!

invisible_mom

Mas e que tal grandes filmes de verão divertidos como Piratas do Caribe – No Fim do Mundo (Pirates of the Caribbean – At World’s End, 2007)? Filmes bobos precisam de um tema? Filmes bobos sequer têm tema?

A SEGUIR, SPOILERS DO FINAL DO FILME!

Pirates_of_the_Caribbean_3_poster

Primeiro deixe-me dizer que esta é uma análise “não autorizada”. Ela não tem nenhuma informação dos bastidores – Eu não converso com Terry & Ted há algum tempo, mas eu assisti o filme (então isto é apenas baseado em tudo o que eu descobri a partir do filme)…

O tema parece ser sobre escolher um lado. No começo todo mundo está trocando de lado – cada um tem seu próprio lado e só se alinha com o dos outros para conseguir o que quer. Mas há dois lados principais – o da Companhia Britânica das Índias Ocidentais (CBIO) e o dos Piratas. Os corsários coletivos não têm nenhum código de conduta – esfaquear pelas costas é apenas um bom negócio. E os Piratas, que também são corsários, têm um código (embora eles pareçam pensar que sejam mais sugestões). O problema é que os piratas se dividiram em facções e parecem todos estar esfaqueando uns aos outros pelas costas – eles perderam o seu rumo. Eles não estão do lado uns dos outros…

Quando deixamos os nossos heróis no final do último filme, Jack (Johnny Depp) tinha sido banido para o paiol de Davy Jones – uma espécie de limbo – onde ele não estava nem mesmo do seu próprio lado. Ele esfaqueou a si mesmo pelas costas. Para resgatá-lo, Will e Elizabeth e Barbosa e Tia Dalma formam uma aliança – mas cada um está realmente do seu próprio lado e sem se entenderem.

A história vai mostrá-los em seus próprios lados até eles perceberem que de fato devem escolher um lado e unirem-se para derrotar a CBIO e o Devy Jones. Para resgatar o Jack, eles têm de ultrapassar a borda do mundo para o outro lado – a morte. Aí é onde o Davy Jones deveria estar escoltando almas para o outro lado – mas ele saltou fora disso para perseguir os seus próprios objetivos egoístas.

Uma vez tendo resgatado o Jack, a única maneira deles saírem deste mundo é balançar o barco de lado a lado e virá-lo de cabeça para baixo. Mudando os lados de novo e de novo… até que o mundo mude de lado.

Depois de voltar para este lado da vida, o grupo continua a mudar os lados – traindo uns aos outros para conseguirem o que eles querem para si próprios (ao invés do que é melhor para o grupo). O Jack se alinha com a CBIO… Will se alinha com a CBIO… todo mundo tem uma chance de mudar de lado para conseguir o que quer.

Mas mudar de lado nunca dá a eles o que eles querem.

O objetivo egoísta de Will é resgatar o seu pai – que faz parte da tripulação de Davy Jones… Parte da tripulação, parte do navio. Há uma cena onde Will e seu pai lutam porque seu pai está do lado da tripulação de Davy Jones. O pai é outro personagem central que deve escolher um lado – Davy Jones ou seu filho?

A cena da mesa-redonda do Tribunal dos Piratas tem todos os tipos de pessoas trocando de lado – e fazendo tudo por razões egoístas. Todos os piratas votam em si mesmos para rei – ao invés de fazerem o que é melhor para o lado dos piratas. O voto de Jack é na verdade egoísta – mas esta também é a cena onde o Código dos Piratas e a ideia de um “lado dos piratas” são apresentados para os piratas por Teague, o guardião do código (Keith Richards). Antes disto eles estavam todos em seus próprios lados, e depois disto eles percebem que precisam na verdade trabalhar juntos para o bem maior – mesmo se isso significar que eles devem fazer sacrifícios.

Há também uma cena muito estilizada, onde os piratas e a CBIO se encontram numa faixa de areia em grupos de três e as pessoas trocam de lado. Para mim, este foi o “tema dos lados” decisivo.

Pirates_Of_The_Caribbean_1_Poster

Há também uma cena em que Elizabeth diz a Norrington que ele deve escolher um lado… e, eventualmente, Norrington escolhe um lado e ajuda os piratas. Em Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra (Pirates of the Caribbean – Curse of The Black Pearl, 2003), ele era um antagonista; em Piratas do Caribe – O Baú da Morte (Pirates of the Caribbean – Dead Man’s Chest, 2006) ele era um pirata; em Piratas do Caribe – No Fim do Mundo, ele começa como um antagonista e muda de lado quando percebe que o cara da CBIO estava jogando com ele – eles assassinaram o pai da Elizabeth – seu amigo e mentor. A Companhia Britânica da Índias Ocidentais fará qualquer coisa para vencer esta batalha, mas apesar dos piratas serem egoístas, eles realmente param subitamente de matar uns aos outros. Enganar uns aos outros, com certeza… mas Sao Feng não mata Will por tê-lo roubado, ele o usa como alavanca. Se Will tivesse roubado da Companhia Britânica das Índias Ocidentais haveria uma corda em seu pescoço… Na verdade, haveria uma corda em seu pescoço apenas por estar ligado a alguém que rouba da CBIO.

Quando todos os piratas resistem juntos – todos do mesmo lado – eles conquistam a CBIO… e a cena central aqui é quando o navio Holandês Voador muda de lado. O cara da CBIO acha que ele está do lado deles… mas o navio tem um novo capitão e está do lado dos Piratas. Quando cada um desses piratas (incluindo Jack) pára de ficar apenas do seu próprio lado e junta-se para formar o lado dos Piratas, eles podem derrubar a corporação repressiva do mal que dirige o governo e suspende os direitos humanos e enforca crianças (este filme parece ser secretamente sobre a política atual).

O grande momento do filme é quando o totalmente egoísta Jack – sempre do seu próprio lado – decide sacrificar a sua imortalidade para fazer o que é melhor para a equipe… e nos dá um feliz final pós-créditos.

Mesmo os dois soldados trapalhões efetivamente mudam de lado e fingem ser Piratas. Esta é a minha opinião. Talvez eu esteja errado, mas você pode assistir ao filme e ver tudo isso. Muitas conversas sobre lados e tomar partidos.

Pirates_of_the_Caribbean_2_poster

FIM DOS SPOILERS

Dois lugares para se encontrar o tema:

1) A maior decisão que o seu protagonista tem de fazer no roteiro.

2) A maior diferença filosófica entre o seu protagonista e o antagonista.

Algumas vezes o tema do seu roteiro é fácil de localizar, outras vezes você pode ter que escrever o roteiro para descobrir o tema. Você geralmente terá uma ideia geral do tema, mas é difícil indicar com exatidão os pormenores. Você precisa entrar lá e cavucar ao redor da história para encontrá-los. Uma vez tendo descoberto o tema, você pode reescrever o roteiro para destacar as cenas que exploram o tema através de ações. Crie personagens coadjuvantes que ilustrem aspectos diferentes do tema. Aluda ao tema nos diálogos. Crie cenas que ilustrem os lados positivo e negativo e os diferentes pontos de vista do seu tema. Tema é o que fica grudado em seu cérebro muito depois das luzes do cinema terem se acendido.

Então o que você está tentando dizer? Qual é a moral da sua história? O que é que o seu protagonista aprende na história que o torna uma pessoa melhor ao chegarmos ao final? Qual é o objetivo de contar esta história? Qual é o seu tema? Sobre o que o seu roteiro REALMENTE se trata?

Fantastic Paper Works30  helping man Paper Works

Boa escrita pra você hoje!

Anúncios

2 Comentários

  1. Que legal! Muito interessante o seu trabalho!

    Comentário por paloma — 17/09/2010 @ 13:36

    • Olá, Paloma, seja bem-vinda!

      Fico super feliz de você ter gostado do trabalho que venho fazendo! Muito obrigada por sua mensagem de apoio! 😀

      Um beijo grande, Paloma, e volte sempre! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 17/09/2010 @ 20:30


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: