Dicas de Roteiro

01/04/2010

Crash! Pow! Bang!!

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 17:27
Tags: ,

Este é um trecho do livro How Not To Write a Screenplay, de Denny Martin Flinn. O assunto de hoje é onomatopéia:

onoma_1

Não soe como uma história em quadrinhos do Batman

NÓS OUVIMOS UMA RESPIRAÇÃO… errática, pesada, esforçada. E PASSOS… passos hesitantes se arrastando através do terreno úmido e lamacento. ARRASTA, PATINHA, ARRASTA, PATINHA. De vez em quando as respirações forçadas se transformavam em gemidos. Vagarosamente a ESCURIDÃO…

Isto soa mais como instruções para o sonoplasta do que bom roteirismo.

big_bang

Aqui está uma montagem tipo passagem-de-tempo (de um roteiro comprado que teve de ser completamente reescrito):

CLANG!

Uma máquina antiga estampa um calendário: 1982.

BRING NG NG!

Os sinos indicam o final de outra refeição.

BUZZ Z Z Z

As campainhas sinalizam o começo de outro dia no orfanato.

BUZZ Z Z Z

Então, o Toque de Alvorada.

CLANG G G G! 1983!

CLANG! BANG! SLAM! BUZZ! RING! CLANG! SLAM! BUZZ! RING! SLAM! BANG! BUZZ! RING! CLANG! BANG! SLAM! BUZZ! RING! CLANG! BANG! SLAM! BUZZRINGCLANGBANGSLAMBUZZRINGCLANGBANGSLAMBUZZ!

                                                                                 CORTA PARA:

CLANG!

Outro calendário é estampado por nosso pequeno órfão extenuado. 1985!

Este é um exagero extremo de escrita idiota, e eu espero que você tenha captado a mensagem. Frases como ▬

Sam levanta a sua Beretta de 9mm. ZAP, foca a pontaria a laser. E BLOWIE! explode a cabeça do cara

▬ estão perigosamente perto da sátira.

gaston-grande-queda

Tentar colocar uma trilha sonora em palavras apenas irá deixar a leitura atrapalhada. Nós sabemos perfeitamente bem como ▬

SAMMY levanta a sua Beretta de 9mm devagar, cuidadosamente procura por sua vítima, e aperta o gatilho.

ÂNGULO na vítima de Sammy: A cabeça dele explode.

▬ soa. Você pode até escrever ▬

O BUM da grande arma reverbera no shopping vazio.

▬ para efeito. Nada de errado com um pouco de onomatopéia. Mas tenha cuidado com descrições que fazem o seu roteiro soar como uma história em quadrinhos. Apesar de que filmes de histórias em quadrinhos sejam exatamente o que a indústria esteja tentando produzir, Hollywood pensa neles como filmes.

onomato

Sinais de exclamação! LETRAS MAIÚSCULAS, palavras sublinhadas, e onomatopéias como BUM! podem ter suas utilidades.

Mas, como muitas outras coisas sobre as quais já falamos, o ritmo da leitura depende de sua escrita. Ler é um velho hábito, e MAIÚSCULAS tendem a ENFATIZAR as coisas. Se você usar isso em excesso, escrevendo TUDO EM MAIÚSCULAS, você não terá ênfase quando precisar. Você poderia, por exemplo, se realmente quisesse chamar a atenção para um ponto, dizer ▬

Então, para a surpresa daqueles assistindo lá embaixo, ele PULA DE UM EDIFÍCIO ALTO!

▬ mas se você for utilizar o estilo de jornalismo subjetivo e engajado de Tom Wolf, cheio de SILVOS, ZUMBIDOS, SOCIEDADES SECRETAS e OBJETOS!!! Então TENHA CUIDADO. LETRAS MAIÚSCULAS demais tendem a DEIXAR o LEITOR um pouco DOIDO.

ONOMATOPÉIA 2

Um dos métodos de descrição inclui botar um monte de coisas em LETRAS MAIÚSCULAS, qualquer coisa que seja SOM, da MÚSICA aos EFEITOS DE SOM, assim como cada NOME DE PERSONAGEM cada vez que ele aparece. Apesar de roteiros de filmagem algumas vezes colocarem em MAIÚSCULAS todos os EFEITOS para um reconhecimento rápido pelo pessoal técnico, continue com a forma normal de prosa tanto quanto possível. Quando o pessoal da produção estiver preparando o roteiro, se eles deixarem passar um efeito especial ou barulho por estar em letras minúsculas ao invés de maiúsculas, isso não será culpa sua.

Escreva em letras maiúsculas o nome de um personagem na primeira vez em que ele aparecer, mas não repita isso. Isto permite um reconhecimento rápido da apresentação de um NOVO PERSONAGEM, mas não confunda a questão quando vários estão andando ao redor. E você evitará parágrafos como…

CAROL olha atentamente para STEVE. STEVE não percebe, pois seus olhos estão em DESIRE, que agora fala com HAL pela janela. O volume da conversa está alto o suficiente para cobrir a MÚSICA, que se infiltra pela janela acima do BARULHO do TRÁFEGO da rua.

onomatopeia-1

Até amanhã! Boa escrita hoje!

Anúncios

3 Comentários

  1. Oi Valéria, como vai?

    Tenho duas dúvidas bem simples que ja encontrei lendo alguns roteiros em inglês:

    A primeira é para que situações usamos o sublinhado.
    E a segunda é que encontro em muitos roteiros o uso da palavra “Beat” entre alguns parágrafos.

    Ficaria grato se você soubesse me explicar.

    Até mais!

    Comentário por Ewerton — 09/04/2010 @ 23:41

    • Olá, Ewerton, tudo bem? Comigo tá tudo legal! 😀

      Em primeiro lugar, muito apropriadas as suas dúvidas, vou colocar um post sobre elas logo, logo!

      Os sublinhados são usados para vários propósitos, e acho que todos são para chamar a atenção para algo que o roteirista acha importante. Às vezes não ficam bem no roteiro, em outras até são úteis. Uma das situações em que eles são úteis é quando o roteirista quer que prestem atenção em algo que será importante na história posteriormente. Por exemplo:

      SOBREVIVENTE DO MASSACRE (morrendo) – Ele… ele estava assoviando “Amor Perfeito” de Roberto Carlos
      (No final do filme)- A Detetive Castro está se dirigindo para a casa da suposta próxima vítima quando um caminhão abalroa o seu carro. Ela fica muito ferida e desmaia. Acorda com alguém assoviando “Amor Perfeito” ao seu lado.

      Neste exemplo, o autor na realidade está pedindo um ÂNGULO EM, ou um CLOSE-UP, numa informação que na verdade é auditiva, e não visual. Daí o artifício de sublinhar. Lembrando sempre que isto deve ser usado com muuuuuuita parcimônia e só para coisas realmente importantes, senão perde o seu impacto e o seu sentido.

      Quanto ao tal de “Beat”, ele é usado principalmente em duas circunstâncias. Em primeiro lugar, ele serve para descrever aquelas cenas importantes que mudam a história, ou levam a história para frente, seja com mais informações, ou ações que tornem aquela cena mais significativa que as outras. Por exemplo, cenas de descoberta ou revelação de informações, cenas de decisão do protagonista, cenas de acontecimentos dramáticos. Cada uma dessas cenas seria um “Beat” da história, enquanto o resto seria basicamente encheção de linguiça.

      Porém, esse “beat” é mais usado nos diálogos, para descrever um tipo de pausa dramática. A palavra ‘beat’ quer dizer ‘ritmo’, ‘pulsação’. Então um exemplo seria:

      RICARDO – Alguém precisa ir lá fora pegar os detonadores, ou todos nós morreremos. (Um beat)
      TIAGO – Eu vou.

      O problema desse beat é que ele é também muito usado como pausa, tipo as nossas reticências. E pode ficar horrível:
      PATRÍCIA – Eu queria ir (beat). Mas não tenho essa coragem (beat). Obrigada, Tiago (beat). Eu te amo.

      Mas falarei mais sobre isso em um dos próximos posts. Adorei a inspiração para o tema de post, Ewerton, obrigada!!

      E adoro as suas visitas!! 😀 😀 :mrgreen:
      Volte sempre!!
      Um abração,
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 10/04/2010 @ 08:58

  2. […] This post was mentioned on Twitter by AloysioLetra. AloysioLetra said: Boas dicas para conter excessos de "sonoplastia" num roteiro: http://wp.me/pJ8ar-CM […]

    Pingback por Tweets that mention Crash! Pow! Bang!! « Dicas de Roteiro -- Topsy.com — 12/04/2010 @ 12:40


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: