Dicas de Roteiro

24/03/2010

Férias Forçadas

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 20:38
Tags:

Segunda-feira, 29/03/2010 (data real)

Olá, pessoal!

 Tenho que pedir mil perdões a todos pois serei obrigada a tirar uma semana de férias para resolver problemas pessoais. Infelizmente estou muito sobrecarregada, mas deste modo eu poderei deixar a vida em dia e voltar para o blog com força total no dia 04/04, domingo de Páscoa.

Estressado

Faço isso para não prejudicar a qualidade dos posts, publicando textos mal traduzidos e/ou mal escritos, e para não decepcionar ninguém, afinal de contas é muito frustrante ficar atualizando a página e não encontrar nada de novo, não acham?

atarefadíssima

Prometo que não deixarei o meu teclado ficar assim! :mrgreen:

Quando voltar eu trarei aquele “doce” que prometi e muito mais! Estou confiante de que vocês vão gostar bastante.

Peço novamente que me perdoem, e agradeço a paciência de todos.

Um super abraço, tenham uma excelente semana, e até domingo!

Valéria Olivetti

Anúncios

7 Comentários

  1. Não tinha me atentado nesse negócio de doce, que você prometeu ao final da tradução dos artigos do “The Screenwritters…” Passei batido. Mas agora que você tocou novamente no assunto, me atentei e… E não é que agora, de me atentar no assunto doce, o doce assunto me tentou? Então agora eu quero. Quer dizer, não agora, né, Valéria? Que o prometido não é pra agora. Mas no dia prometido… eu quero, Valéria. Como não vou ter o tradicional doce de Páscoa mesmo (o sem aspas, o de lambuzar os dedos), na Páscoa o meu quereres já fica de prontidão pelo doce com aspas, o de lambuzar olhos e mente. E promessa é dívida, viu? rs.

    Comentário por Cícero Soares — 29/03/2010 @ 11:36

  2. Descanse e aproveite as suas “férias”. Nesta semana vou aproveitar para reler alguns posts do blog. Até.

    Comentário por Antunes — 29/03/2010 @ 12:48

  3. Olá, Cícero e Antunes!!

    Muito obrigada pela compreensão e pelo apoio de vocês, espero poder retribuir tanto carinho em breve, com posts bem interessantes! Vocês me deram mais vontade ainda de voltar logo! E agora com responsabilidade multiplicada! Você, Antunes, relendo os posts antigos, e você, Cícero, sem um doce de Páscoa (Como assim, como assim?!!), me deixaram com a alma em fogo!! Ontem eu saí o dia inteirinho para resolver problemas, mas as palavras de vocês me deram energia para ficar das 11 da noite até as duas da madruga trabalhando nos próximos posts. Só parei quando percebi que a minha cabeça estava batendo e eu já não sabia o que estava escrito, não importava quantas vezes eu lesse. A culpa é de vocês!! 😉 Mas eu não fiquei cansada, não, já acordei com a corda toda, vou ralar hoje o dia inteiro mas estou doida para voltar logo e continuar o trabalho no blog!! A culpa é de vocês!! 😀 😀 😀 😉

    Muito obrigada mesmo, gente, eu voltarei a postar logo, logo, não se preocupem, promessa é dívida e eu vou adorar pagá-la! Um beijão! Vocês são demais!!
    Valéria Olivetti

    Comentário por valeriaolivetti — 30/03/2010 @ 10:19

  4. Oi Valeria!
    Espero que ja esteja se sentindo melhor! A minha semana passada tambem foi de matar, mas muito mais por stress do que por excesso de compromissos.
    Tou com uma duvida imensa em relação ao meu argumento.É o seguinte: No roteiro, a minha estoria vai começar no tempo atual, quando a personagem ja está com 39 anos, mas o passado da personagem se revela ao poucos, em alguns dialogos, ao longo de primeiro ato. Então a minha questão é se devo começar meu argumento contando o passado da personagem até chegar aos dias de hoje e seguir com a trama ou devo escrever como penso em fazer o roteiro?
    Um grande abraço, Janine Valadares

    Comentário por janinevaladares — 03/04/2010 @ 13:58

    • Olá, Janine, seja benvinda de volta!

      Obrigada pela sua preocupação :-), eu já consegui deixar a vida quase toda em dia esta semana, agora estou me sentindo bem mais tranquila. Estresse deixa a gente subindo pelas paredes, não é não? Espero que você esteja melhor também! 😀

      A sua pergunta é muito boa e me deixou encasquetada. Procurei em tudo quanto é livro que tenho para encontrar uma resposta específica para este problema, mas não encontrei nada. Na verdade eu não me lembro de ter lido um argumento que mostrasse
      flashbacks. A melhor dica que eu encontrei foi uma frase simples do Syd Field, que diz: “É a história que determina a estrutura; a estrutura não determina a história.” O que eu quero dizer com isso é que não importa o modo como você escreve o seu argumento, não há um “modo certo”, mas você deve pensar qual será a finalidade deste argumento para escrevê-lo de forma que ele lhe sirva melhor.

      Se você for escrevê-lo para si mesma, para servir de guia e clarear as suas ideias durante o processo de desenvolvimento do roteiro, então escreva-o livremente. Pode ser cronologicamente, linearmente, não-linear, do jeito que for mais confortável para você e que possa lhe inspirar mais e orientar melhor.

      Agora, se o argumento for servir como instrumento de venda de sua obra, você poderá querer tomar alguns cuidados. Tudo o que eu estou falando aqui são minhas opiniões pessoais, de acordo com minhas observações e experiência. Nada disso tem um embasamento “técnico”, portanto pense no que vou dizer apenas como uma conversa entre colegas. A decisão final é e deverá ser sempre sua (aliás em relação a todo o resto também, o roteirista deve estudar mas, no fim das contas, confiar mesmo é nos seus instintos).

      Quando a gente esconde informações do público e vai transmitindo-as aos poucos, acabamos criando suspense (mesmo que o gênero de seu filme seja outro, como romance ou drama). Esta estratégia sempre criará suspense. Se você quiser passar para o argumento a mesma sensação do roteiro, então precisaria transmitir as informações na mesma ordem em que aparecem na história. Pense bem, num filme de suspense policial, por exemplo, começamos com um assassinato e a história toda é baseada na investigação para descobrir quem é o culpado. O investigador irá aos poucos juntando as peças do quebra-cabeças, cada peça mostrando parte do que na verdade aconteceu. Se começarmos o argumento já contando como o assassinato ocorreu (que de fato é o começo do filme, sem o assassinato não existiria história), que graça o leitor achará nisso? Ele deve contá-la do mesmo modo que contaria a evolução de uma investigação, passo a passo.

      Só tome cuidado com uma coisa: evite transformar a sua personagem em uma cabeça falante. Se ela irá lembrar do passado aos poucos, evite comunicar tudo apenas através dos diálogos. Você pode começar com uma fala do diálogo, por exemplo, e mostrar visualmente o resto da cena, tipo flashback. O público sempre prefere ver do que ter de imaginar. Ficar apenas no diálogo uma vez ou outra não é ruim, mas se for passar o primeiro ato todo com várias revelações, separe as mais emocionantes e mostre-as ao invés de apenas falar sobre elas nos diálogos. Acho que fica mais interessante e mais impactante.

      Tente usar técnicas narrativas de ficção literária. Por exemplo: “Marina esbarra num grupo de crianças a caminho do trabalho. Isto lhe remete à dura perda de seu filho pequeno.” Você não está dizendo como mostrará isto no roteiro (pode ser num diálogo, num flashback, olhando para uma foto etc.), apenas está dizendo o que aconteceu, qual informação você quer transmitir. Se preferir, pode ser mais específica: “Marina topa com um grupo de crianças a caminho do trabalho e reage com melancolia. Ao chegar ao escritório, ela pega a foto de seu filho que está sobre a mesa, observando-a com tristeza.” Ou, “Chegando ao escritório, ela conversa com a amiga Júlia sobre a dor de ter perdido seu filho de 6 anos.”

      Mais tarde, numa cena subsequente, pode acontecer: “Marina briga violentamente com o namorado quando ele dirige com desatenção. Ela se lembra do momento em que estava distraída no trânsito, quando causou o acidente que matou seu filho.”

      Estas são apenas sugestões criadas aqui na hora, você pode desenvolver bem melhor, dando aquele sabor de suspense para fisgar o leitor (isso costuma sempre funcionar). A quantidade de detalhes também dependerá do tamanho de seu argumento, quantas páginas ele terá. Se for curto, separe do mesmo modo apenas as cenas mais importantes, não precisa dizer tudo o que está no roteiro.

      Tome bastante cuidado também com o uso excessivo de flashbacks e lembranças, pois eles costumam sempre quebrar o ritmo da história. Você tem cerca de 25 a 30 páginas para desenvolver o primeiro ato. Se for colocar meia dúzia de lembranças, já será uma lembrança a cada 4 ou 5 minutos. Se você está conversando com uma pessoa e ela lembrar de algo do passado a cada cinco minutos, pode não parecer exagerado, mas num filme fica parecendo que a pessoa não faz outra coisa. A não ser, é claro, que o seu primeiro ato se passe numa sala de interrogatório, numa conversa entre amigos, ou algo do tipo. Estou tentando imaginar as várias possibilidades de desenvolvimento de cenas de revelação, mas só você saberá qual é o melhor modo de fazê-lo.

      No site Roteiro de Cinema tem cinco exemplos de argumentos em português, dois já filmados e três inéditos. Não tive tempo de ler todos eles, mas acho que dão uma boa ideia de como escrever neste formato.

      Bem, espero ter dado uma mãozinha! Qualquer coisa, se quiser comentar ou perguntar sobre este ou outro assunto qualquer, fique à vontade, é sempre um prazer imenso ajudar, até porque eu acabo aprendendo muito também. Sua dúvida me fez encontrar tanta coisa sobre escrever argumentos, inclusive com alguns exemplos de escrita, que vou traduzi-las e postá-las aos pouquinhos aqui no blog durante este mês de abril. Espero que sirvam de inspiração para você.

      Um grande abraço, Janine, e volte sempre! Gostei muito de sua visita!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 04/04/2010 @ 10:58

  5. Nooooooooooooossa!!! Ce é show de bola, hein?! Obrigada, querida!
    Bom, a estória já está pronta, mas tem muito o que lapidar ainda. Primeiro quero organizar o argumento e torná-lo tão atraente quanto possível pra so então registra-lo, depois lapidar os diálogos no(s) roteiro(s)…escrever bons dialogos nem sempre é fácil…acho q vou ter que começar a andar com um gravadorzinho digital pq as ideias sempre aparecem nas horas mais improváveis, ja reparou nisso? As vezes, eu estou com todo o tempo do mundo, um domingo inteiro sem nada pra fazer, telefones “exageradamente” desligados, la fora uma chuvinha gostosa, dai, ponho um jazzinho inspirador, um pouco de Billie Holiday talvez, acendo um incenso, sento diante do computador, olho a tela branca e penso; “amada, solta o seu talento sem dó nem piedade! Joga tudo nessa tela” …e dai, sabe o que acontece? NADA! ZERO! Niente! Espremo, espremo, espremo e nem uma gota de criatividade sequer, nem uma palavrinha. Fico me sentindo um nada. Por outro lado…basta eu estar em situações absurdas…”tipo assim”…na sala de aula, no meio de uma explicação do tópico mais ferrado da gramática inglêsa, todos os alunos atentos, olhando pra mim com cara de interrogação, numa hora em que não há a menor possibilidade de eu parar a explicação pra escrever o que quer que seja, pronto, um turbilhão de cenas e idéias começam a jorrar. Tudo me inspira, o cadarço colorido do tenis do aluno, o esmalte azul-turquesa-surreal na unha da aluna, tudo inspira! E isso me faz perceber duas coisas: Primeiro que as ideias chegam a qualquer hora, independente do ambiente e do momento serem adequados ou não, portanto, se quero mesmo viver disso preciso desenvolver meios para fisgar as ideias e registra-las de forma segura onde quer que eu esteja e segundo: Onde quer que eu esteja a minha mente estará sempre num so lugar; nas estorias que amo e que quero contar.
    Valeria, o seu blog é uma ferramenta deliciosa pra quem quer escrever. Informa e inspira!
    Muito obrigada, um grande abraço, Janine Valadares

    Comentário por janinevaladares — 11/04/2010 @ 16:32

  6. Olá, Janine!

    😆 Essa situação que você descreveu é bem típica, acho que todo escritor já sofreu, sofre e/ou sofrerá desse “problema”: ter ideias no lugar errado, na hora errada. Essas danadinhas não são obedientes, vêm quando bem entendem!! 😀

    Muito obrigada mesmo pelo elogio e pelo apoio, são muito valiosos para mim. E também desejo que você tenha muito sucesso com suas histórias e seus roteiros! Manda ver!! :mrgreen:

    Um super abraço, Janine, volte sempre!!
    Valéria Olivetti

    Comentário por valeriaolivetti — 13/04/2010 @ 10:11


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.