Dicas de Roteiro

01/03/2010

Número de Cenas de um Roteiro

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 20:38
Tags: , ,

Olá! Hoje este post é uma resposta ao nosso colega Marcelo que deseja saber quantas cenas compõem um roteiro. Antes de tudo eu preciso falar sobre número de páginas. Eu sei que é uma coisa que muita gente já sabe, mas não custa recapitular:

→ Uma página de roteiro, formatada apropriadamente segundo o padrão hollywoodiano, equivale a um minuto de filme pronto.

Bem, isso é uma regra geral. Há cenas de diálogos com mais de uma página e meia que podem durar menos que meio minuto (por exemplo, cenas de brigas ou discussões, onde os atores falam muito rápido), e cenas de ação que são descritas em poucas linhas mas duram mais de cinco minutos. Supostamente uma coisa anula a outra, e o tempo total fica equilibrado, numa média de 1 minuto por página. Portanto temos:

Ato I = 25 a 30 páginas

Ato II = 45 a 60 páginas

Ato III = 20 a 30 páginas

O primeiro valor equivale a roteiros de 90 páginas, e o segundo, aos de 120 páginas. Muitos concursos de roteiros norte-americanos preferem os que têm de 100 a 110 páginas. É sempre bom lembrar que quanto mais páginas, mais cenas, mais locações, mais caro fica para produzir o filme, e menos chances de vendê-lo para produtores independentes.

A duração de um filme também dependerá de seu gênero. Filmes de drama, romance, ação, suspense, aventura e ficção científica de grande orçamento costumam durar duas horas ou mais. Já comédias, comédias românticas, documentários, animações, infantis (fantasia) e terror duram de 85 a 100 minutos. Um roteiro de 90 a 100 páginas é mais do que aceitável neste último caso. Para filmes mais longos, evitar fazer roteiros de mais de 130 páginas. Tem gente que ainda acrescenta 10% de tempo de tela ao roteiro. Ou seja, se você tem um roteiro de 100 minutos, o filme pode durar até mais de 110 minutos depois de pronto. Mesmo assim, evite mandar roteiros de 80 páginas para produtores, eles acharão que você não consegue ter idéias suficientes para preencher as 90 páginas mínimas requeridas.

Já dá para ver que nem no número de páginas há um consenso universal. Muito menos em relação ao número de cenas. Em primeiro lugar ninguém ainda chegou a um significado definitivo do que seja uma cena. Existem as seguintes definições:

1) Uma cena é tudo o que acontece entre um cabeçalho de cena e outro. Ou seja, se você tem os seguintes cabeçalhos: “INT. QUARTO DE PEDRO – NOITE”, onde Pedro se levanta da cama e sai em seguida para o corredor: “INT. CORREDOR – NOITE”; Pedro anda até a cozinha distraído, bocejando e coçando a barriga: “INT. COZINHA – NOITE”, Pedro pega um copo d’água; isso aí já seriam 3 cenas. Após um filme ter o sinal verde para ser produzido, o produtor e o assistente de direção ainda precisam desmembrar o roteiro todinho em cenas, preenchendo uma folha por cena, descrevendo o que será necessário para a filmagem de cada uma. Mas este não é o ponto de vista do roteirista, é o ponto de vista da direção e da produção, e o trabalho que eles terão de fazer a partir do roteiro. Nesses casos, a contagem de cenas pode ir de 120 a 200 cenas (a média é de 170 cenas), podendo chegar até o absurdo de 500 cenas!! Para um roteiro de 120 páginas!! Mas estas cenas não são divididas em termos de narrativa, mas em termos de filmagem. São cenas quebradas em cenas, quebradas em cenas, quebradas em cenas. Ou seja, o que para nós, roteiristas, é uma simples cena, para o diretor é uma dúzia ou mais, dependendo de seu preciosismo. No fundo não são cenas propriamente ditas, são praticamente tomadas.

2) Robert McKee divide um roteiro em 40 a 50 cenas. Ele define uma cena como uma parte do desenvolvimento do personagem. Se houver desafio, conflito, riscos, complicações, reviravoltas e/ou crescimento do personagem, então é uma cena. Este é o ponto de vista da narrativa.

3) Scott Myers, roteirista e professor de roteiro universitário, diz que há alguns anos 60 cenas era o mais comum, uma média de duas páginas por cena, mas que ultimamente os filmes têm tido uma linguagem mais acelerada, o que faz com que tenham entre 75 e 90 cenas hoje em dia, cerca de 1 1⁄2 página por cena.

4) Tem gente que divide o roteiro em 24 cenas maiores, onde coisas importantes acontecem, com duas ou três cenas menores entre elas.

Existem filmes que são basicamente uma cena só, se for analisá-los pelo ponto de vista da locação/tempo. Esses filmes são como teatro filmado, e se passam em um ambiente só, em tempo real (ou seja, duas horas de filme equivalem a duas horas de história), onde os atores ficam falando e interagindo entre si sem nunca mudar de locação e de tempo (dia para noite ou vice-versa). No entanto, em termos de narrativa muita coisa pode acontecer, não é apenas uma cena de jeito nenhum! O mesmo vale para filmes de TV que podem ter um ato inteiro (bloco entre comerciais) que seja apenas uma cena. Novamente, analisando isso como um diretor, não como um roterista.

Dizem que não se deve ultrapassar 2 páginas para cada cena, mas uns aceitam até 3 páginas. O fato é que filmes de drama e comédias românticas possuem muitos diálogos, e é muito fácil ver cenas com mais de 3 páginas em roteiros desses gêneros. O que significa que na contagem total eles têm menos cenas. Filmes europeus, com muitos diálogos, costumam ter menos cenas do que os filmes americanos. Já o oposto ocorre com os filmes de ação, aventura, suspense e terror: como possuem menos diálogos e mais ação, podem ter muito mais cenas. Uma cena de ação pode cobrir até mesmo apenas 1⁄8 da página.

Calma! Não precisa chegar a tanto!

Pessoalmente, eu acredito que essas regras podem servir de orientação, mas nunca como limitação para o roteirista. Não importa quantas cenas tenha o seu filme, desde que tenha um número de  páginas razoável (nem pequeno, nem grande em demasia) e conte uma história interessante. Essas regras são ocasionalmente quebradas por pessoas que imprimem o seu estilo original e acabam influenciando todas as outras. Também não importa se uma cena é longa ou curta: ela pode ser curta e chatérrima ou longa e interessantíssima.

Se estiver escrevendo uma história grande demais para um longa-metragem, transforme-a numa minissérie! É melhor do que ir cortando um monte de cenas interessantes e acabar fazendo um filme sem graça. Além disso, é sempre melhor escrever demais do que pouco. Na primeira versão do roteiro não devemos nos limitar. É mais fácil cortar depois os excessos do que criar cenas novas para tapar buracos.

Para ter uma ideia do que você pode fazer, é sempre bom estudar os mestres. Vá no site Roteiro de Cinema e pesquise roteiros de filmes que você goste muito e que sejam do mesmo gênero do que você está escrevendo. Se não conseguir ler em inglês, alugue o filme e assista-o, contando o número de cenas. Tem roteirista que prefere colocar cenas a mais no roteiro porque os produtores sempre gostam de mandar cortar algumas (para sentirem-se co-autores) e então o roteirista pode cortar aquelas que ele deixou ali para este fim. Se elas ficarem no filme, não farão mal; se não ficarem, não fará diferença. Melhor do que ter de cortar cenas importantes para satisfazer o ego do produtor!

Em suma, esqueça tudo o que eu escrevi acima. Apenas escreva, escreva, escreva. Quando estiver com o roteiro completo e for reescrever, essas dicas talvez lhe sirvam de alguma ajuda. O processo da escrita não é linear e não existe uma fórmula mágica ou uma fôrma pronta em que você possa encaixar a sua história. Tudo o que existe são orientações para que possamos corrigir algumas falhas gritantes de nosso roteiro, e torná-lo mais palatável para o público em geral. O resto é inspiração e intuição. E essas são as suas maiores armas; estude bastante, mas antes de tudo, confie nelas.

Boa escrita para você, com muita inspiração e intuição!

Anúncios

2 Comentários

  1. Olá Valéria Olivetti!
    Muito obrigado por ter sanado as minhas dúvidas. Então a minha escaleta com os números de cenas estão dentro do esperado.

    É muito bom ter um contato, mesmo que seja pela internet, com uma roteirista experiente como você.

    Boa noite e até mais.

    Abraços!

    Comentário por Marcelo — 08/03/2010 @ 20:19

    • Olá, Marcelo!

      Fico muito feliz que você tenha tirado as suas dúvidas. Estamos sempre aqui para qualquer coisa que precisar, não pense duas vezes em voltar e perguntar o que quiser, pois até me ajuda a encontrar temas para os próximos posts. E quem ganha mais com este contato na verdade sou eu, que fico super feliz de interagir com pessoas que têm as mesmas aspirações e paixões que eu.

      Uma ótima noite, e até a próxima.

      Um abração,
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 08/03/2010 @ 20:24


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: