Dicas de Roteiro

27/02/2010

Usando Fichas Para Planejar a História (1)

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 11:34
Tags: , ,

O artigo de hoje foi escrito por um colaborador anônimo para o site eHow e chama-se “Como Usar Uma Folha de Sequências Para Planejar a História”. Eu traduzi a palavra beat (que tem muitos significados) como sequência, pois foi este o sentido mais aproximado ao que foi usado pelo autor. Eis o artigo:

Não importa se você está escrevendo um roteiro, um romance ou um conto: delinear uma história que funcione e que prenda o público é mais difícil do que parece. Um modo de evitar ficar perdido pelo caminho é traçar um curso planejado através do mundo de sua história com uma folha de sequências. Este artigo irá lhe ajudar a botar ordem no caos de enredos, temas, personagens e cenários, e planejar histórias que funcionem.

Coisas de que você precisará:

— Caneta e papel

— Fichas de papel

— Computador

— Qualquer coisa que lhe permita escrever e rearranjar os elementos de sua história.

Instruções:

Defina Sequência

1- Uma folha de sequências (beat sheet) é simplesmente uma coleção das sequências da história. Beat é uma palavra que é usada de muitas maneiras diferentes no processo de escrita. Aqui nós estamos usando-a para definir um elemento distinto de sua história. É muito parecido com uma cena, apesar de que existem cenas que servem apenas de conecção entre outras cenas, e que podem tranquilamente ficar de lado neste presente estágio. Imagine-se descrevendo um filme para um amigo que não o tenha assistido. Você instintivamente divide a história mais ou menos em sequências (beats) ao fazer isto. Aqui vai um exemplo: Bob chama a polícia e volta ao escritório, mas o lugar foi limpo. A mobília toda se foi, não há ninguém lá, e o zelador do prédio diz que aquilo está vazio há meses. Os policiais acham que Bob só está tentando chamar a atenção, e dizem para ele não incomodá-los novamente. Isto seria uma sequência em sua história. Todos esses elementos — trazer a polícia para o escritório, encontrá-lo vazio, os policiais pensando que Bob está desperdiçando o tempo deles — isso tudo é uma coisa só. Observada como um bloco, ela move a sua história para frente.

2- Trace as suas sequências-chave estruturais. Pegue umas fichas de papel, ou abra um novo arquivo em seu computador, o que quer que você prefira usar, e trace as sequências-chave que irão formar a estrutura de sua história. Uma das coisas bacanas em relação à folha de sequências é que você não precisa fazer as coisas na ordem. Ao mesmo tempo, você quer alguns limites para não ficar só jogando aleatoriamente as coisas no papel. Existem cinco sequências-chave para se começar:

[N.T.: Até o final deste item nº 2 há spoilers do filme Guerra Nas Estrelas (Star Wars, 1977)]

Incidente Propulsor: O evento que inicia a história. Em Guerra Nas Estrelas, isto acontece quando a história entra na vida de Luke. Ele vê a mensagem da Princesa Leia.

Ponto de Virada do Primeiro Ato: Este é o momento em que o herói deixa o seu velho mundo para trás para entrar no mundo da história. Em Guerra Nas Estrelas, o império assassina a família de Luke, ele deixa para trás tudo o que conhece e parte com Obi-Wan Kenobi.

Ponto Central: O meio da história. Isto aumenta as apostas e geralmente muda o objetivo do herói. Em Guerra Nas Estrelas, isso acontece quando os nossos heróis se encontram presos na Estrela da Morte. Antes disso eles estavam apenas tentando levar os planos para os rebeldes, e encontrar a Princesa Leia. Agora eles estão num sério perigo e o seu objetivo é escaparem com vida.

Ponto de Virada do Segundo Ato: Esta cena é o oposto de seu clímax. Se você for ter um final feliz, o ponto de virada do segundo ato é uma notícia ruim. Do mesmo modo, se o seu herói for fracassar, o ponto de virada do segundo ato é quando parece que ele vai conseguir. Em Guerra Nas Estrelas, é a morte de Obi-Wan Kenobi. Como Luke conseguirá ser bem-sucedido por conta própria, sem o seu mentor? Tudo parece perdido.

Clímax: Este é o final dramático da história. Apesar de poder ainda haver algumas coisas para serem resolvidas em seguida, é para este ponto que a história estava se dirigindo. Em Guerra Nas Estrelas, é onde Luke explode a Estrela da Morte e salva o dia.

3- Agora que você tem traçado o esqueleto básico de sua história, você pode botar alguma carne sobre os ossos. Você precisa acrescentar sequências para ligar esses elementos. Com esta parte de sua folha de sequências já feita, você pode se focar em um segmento por vez. Por exemplo, o que acontece entre o incidente propulsor e o final do primeiro ato? Você tem a sequência do começo e a do final daquela parte de sua história. Tudo o que você precisa é descobrir como o seu herói irá de uma para a outra. Comece escrevendo sequências. Você pode deixar a sua imaginação correr solta nesta altura — você irá consertar mais tarde qualquer coisa que não esteja correta. Continue fazendo isto até que tenha levado o seu herói do começo ao final e tenha uma versão básica de sua folha de sequências.

4- Conte as sequências. Se você tiver todas as sequências do começo ao final, você pode se afastar e ver o quadro geral. A primeira coisa a se notar são as proporções de sua história. A folha de sequências deveria simplesmente “parecer” correta. A cena do ponto central deveria estar no meio, é claro. E o primeiro e o segundo pontos de virada deveriam ter aproximadamente a mesma distância do ponto central. Idealmente, o ponto de virada do  primeiro ato deveria estar a cerca de um quarto do início da história, e o ponto de virada do segundo ato, a cerca de três quartos do começo. Em outras palavras, estas três sequências dividem a sua história em quatro segmentos aproximadamente iguais. Você não precisa ser preciso em demasia quanto a isto, mas se você tiver um segundo ato muito curto, e um terceiro ato realmente longo, você pode querer dar uma revisada nisso.

5- Baseado na sua visão geral feita no Passo 4, acrescente novas sequências, abandone aquelas que parecerem desnecessárias, rearranje as sequências, mova-as de um ato para o próximo. A sua folha de sequências deve ser uma ferramenta de trabalho. Use-a como um guia quando estiver escrevendo, e deixe-a evoluir enquanto você faz escolhas criativas e fica mais familiarizado com o modo que a sua história está funcionando. Uma folha de sequências feita corretamente nunca está escrita em pedra. Mas, ao mesmo tempo, ela pode ajudá-lo a decidir o que você precisa fazer a seguir, e lhe dar a certeza de que a sua história está no caminho certo.

Dicas e Avisos:

Se você quiser ser caprichoso, pode usar fichas de papel coloridas para indicar coisas tipo de qual personagem é o ponto de vista em determinada sequência. Então você pode distribuir as fichas e ver um mapa visual de como essas escolhas se apresentam na sua história.

Ainda hoje eu postarei um outro artigo que complementará este aqui. Boa escrita para você e até logo!

Anúncios

2 Comentários

  1. Para você ver o efeito que o blog teve em mim:

    Corri na papelaria para comprar o material necessário para começar o planejamento da minha história.

    Comentário por Ewerton — 10/04/2010 @ 14:51

    • Olá, Ewerton!!

      Muito bom, muito bom mesmo!! 😀 😀 Agora você está armado e perigoso!! E pronto pra ação! 😆 Aliás, eu dei uma passadinha na sua página do twitter e me diverti horrores! 😆 Sério! Você tem de colocar esse talento todo para trabalhar em roteiros, sem perda de tempo!! Agora, agorinha, nesse instante, já, já!! :mrgreen:

      Adorei a foto, é a primeira que me mandam pelo blog e já viciei!! :mrgreen:

      Valeu por tudo Ewerton, assim eu fico com mais ânimo de trabalhar neste bloguinho todo dia! Por gente talentosa como você! Que sua carreira de escritor seja cheia de alegrias e muito, mas muito sucesso!!

      Um abração!
      (O quê?!, ainda não está escrevendo? Corre corre que eu tô doida, doidinha, doidona pra ver o seu filme!!) 😀 😀 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 11/04/2010 @ 08:05


RSS feed for comments on this post.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: