Dicas de Roteiro

16/02/2010

Como Escrever Um Filme de Sci-Fi Para TV

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 08:11

Hoje estou apresentando a tradução livre do artigo de Bill Cunningham para o site Pulp 2.0, chamado Para Aqueles que Querem Escrever Um Filme Original Para o Sci Fi Channel. Cunningham transmite uma conversa que o roteirista e diretor Steve Latshaw teve com um diretor de desenvolvimento daquele canal, onde ele explica a estrutura de um roteiro de sci-fi de um longa televisivo.

Eu sei que a maioria dos filmes originais do Sci Fi Channel são terríveis, mas isso não é culpa da estrutura do roteiro. Muitos desses filmes possuem premissas e situações recheadas de clichês, personagens nem um pouco realistas e diálogos ridículos, sem contar a péssima atuação do elenco, a direção amadora e os efeitos especiais de quinta categoria. Como eu disse, não é culpa da estrutura do roteiro, pelo contrário, a estrutura impediu que os longas fossem piores ainda.

Aqui vai o artigo, acrescido de alguns de seus comentários, que servem de adendo ao texto, pois dão algumas informações mais detalhadas:

O Sci Fi Channel, como a maioria de vocês sabe, apresenta um filme original feito-para-canal-a-cabo, todas as noites de sábado. O que talvez você não saiba é que há certas condições estruturais que eles exigem dos roteiros que eles co-produzem e exibem.

Isso é uma cortesia do Fórum Retromedia (clique no link, onde eu recomendo veementemente que todos vocês se registrem e se juntem à diversão) e a experiência do escritor e diretor Steve Latshaw (Lightspeed, Planet Raptor: Raptor Island 2, American Black Beauty):

“Na verdade, baseado em uma conversa que eu tive com o diretor de desenvolvimento deles em 2005…

1- Eles preferem uma estrutura em 7 atos.

2- O primeiro ato dura cerca de 17 minutos… abre com um teaser (N.T.: Uma situação provocante cuja função é despertar a curiosidade) de 3 minutos (3 páginas) que imediatamente mostra o ponto alto do monstro atacando.

3- Os seis atos restantes duram de 8 a 15 minutos. Cada ato (inclusive o primeiro) deve terminar com um gancho (N.T.: Situação de suspense para manter o espectador preso ao canal). Eles monitoram os índices de audiência minuto a minuto — literalmente. Qualquer declínio é considerado como desinteresse do público.

4- O conceito deve ser simples em relação ao monstro, à história etc. Não se arraste com uma trama excessivamente confusa.

5- O ritmo e o tom deve ser urgente e rápido. Já comece com ação. Eles gostam da urgência de séries como 24 Horas, onde tudo está acontecendo AGORA. Alta tensão, personagens com problemas urgentes que ficam cada vez piores. Isto é muito importante.

6- Não faça cenas coda (cenas pós-créditos) longas ou prolongadas. Mate o monstro, os heróis sobrevivem, boom, entram os créditos finais. Fim acelerado.

Eles usaram, como um exemplo perfeito de tom, um excelente filme britânico chamado Cães de Caça (Dog Soldiers, 2002). Eles amaram esse filme.”

——→ STEVE LATSHAW

Assim como há diferentes estruturas de roteiro entre cinema e televisão, há diferentes estruturas de roteiro entre diferentes redes de TV, e para a Internet também. Todos eles são feitos sob medida.

P.S.: O meu amigo, Jeff O’Brien (Insecticidal), acabou de me enviar o seguinte:

“Um colega que fez um pitch (N.T.: apresentação oral de uma idéia ou da história de um filme a fim de convencer os possíveis clientes – diretores e produtores – a comprá-la) para a Cinetel a alguns meses atrás disse que eles estavam procurando por roteiros de 8 atos, sendo o oitavo ato uma breve coda — e também que a ameaça imediata deveria ser enfrentada e eliminada, mas a previsão de uma ameaça ainda maior estaria lá ainda — para a sequência.”

Para a sua informação, Cinetel é uma das companhias que regularmente produzem esses filmes para o Sci Fi Channel. As necessidades deles podem variar levemente daquelas do canal — mas não tanto. As experiências podem variar.

——→ BILL CUNNINGHAM

OS HUMANOS ESTÃO ENTRE NÓS

Comentário de Andrew Bellware Eles ainda estão patrocinando os filmes originais? Eu pensei que isso tinha sido basicamente cortado ano passado. Eles provavelmente têm alguns originais que contrataram nos últimos anos ainda em produção, mas eu tive a impressão de que “A Noite Mais Perigosa da Televisão” tinha passado a ser de filmes de estúdios com orçamentos maiores.

Resposta de Bill Cunningham → Esta deve ser a linha de conduta da companhia, mas o fato é que ainda há muitas companhias produtoras produzindo continuamente filmes sob as bençãos do Sci Fi Channel, entre elas:

Cinetel
Nu Image / First Look
Asylum
American World etc…

Eles podem não ser feitos especificamente para o canal Sci Fi, mas essas companhias contam, em seus planos de negócios e de marketing, com a venda de seus filmes para este canal.

Eu tive dois filmes meus no Sci Fi Channel (Scarecrow, Scarecrow Slayer) e ambos teriam sido filmes muito melhores se eu tivesse seguido muitas das “regras” que o canal segue. Eles os compraram assim mesmo, mas nunca fará mal à sua carreira ter um trabalho com uma apresentação melhor, se você tiver condições disso. Se o seu produtor disser: “Nós estamos procurando muito por um roteiro para vender para o Sci Fi Channel”, então valerá a pena o escritor estruturar o seu roteiro de acordo.

Comentário de Andrew Bellware Eu tive a impressão de que os filmes orçamentados entre 750 mil e 2 milhões de dólares, que eles estavam fazendo como “Filmes Originais Sci Fi Channel”, estavam em seus últimos dias. O que não impede, de forma alguma, uma companhia produtora como a Nu Image de fazer uma venda direta para este canal.  Mas estas vendas levam muito menos dinheiro do que os 750 mil que eles estavam dispostos a torrar para a produção de seus “originais”.

(Além do mais, eu pensei que os filmes da Asylum eram em sua maioria escolhidos como produto de catálogo, e que esses filmes não estavam indo muito bem em termos de índices de audiência do canal Sci Fi).

Mas, ei, eu poderia estar errado! Oras, eu ESPERO estar errado. Eu apenas não estou a par de futuros planos de produzir mais filmes, de modo a indicar que eles ainda estejam trabalhando deste modo. Eu posso ter deixado passar essa informação sem saber. Ou talvez eu esteja apenas amargurado por eles não terem comprado o meu último filme! 😉

Entretando, eu preciso dizer uma coisa. O que é legal em relação ao Sci Fi Channel é que eles certamente são fáceis de se conversar. É a rede de TV mais acessível que eu já contatei.

Resposta de Bill Cunningham → Eu escrevi um roteiro a um tempo atrás e os produtores levaram-no primeiro para o pessoal do Sci Fi Channel — que gostou e recomendou o projeto para a companhia com a qual eles fazem negócios regularmente.

Este é o ponto principal — conhecer os seus mercados e escrever o seu material pensando neles. Eu não teria escrito um suspense romântico dirigido para o público feminino e esperado vendê-lo para uma companhia cujo maior produção tenha sido para o Spike (Lee?), mas eu o mandaria para uma produtora que tivesse negócios com a Lifetime. Se o Sci Fi Channel está mudando para filmes de maior orçamento — ótimo — mas eles ainda irão querer que certos parâmetros da história sejam seguidos porque eles levam em conta as pausas para comerciais etc… melhor fazer estas pausas durante a fase do roteiro do que arriscar a ter o seu filme porcamente cortado no estágio da exibição.

Comentário de CraigObrigado por esta discussão — muito útil pois eu venho escrevendo a primeira versão de um longa para o Sci Fi Channel ou algo do gênero, mas não tinha certeza se ainda valia a pena fazer isso, ou o que eu deveria fazer com ele. Parece que a melhor coisa que eles poderiam fazer, se gostassem de algo, seria encaminhá-lo para uma companhia produtora, não é? Cinetel também diz que eles não aceitam material não-solicitado, então a pessoa precisaria de um agente ou um contato até mesmo para chegar até eles, certo? Vale a pena contatar algum desses lugares?

Resposta de Bill Cunningham → É, você precisa arranjar um produtor interessado, ou ter um agente para oferecer o seu trabalho a uma companhia produtora. O pessoal do canal Sci Fi me recomendou porque era fácil, mas eles não fazem isso por todo mundo. Os produtores com quem eu estou conectado têm um histórico de filmes vendidos para o Sci Fi Channel. Eu diria para você ir em frente e escrever o roteiro, usando-o como um cartão de visita para estes filmes mais baratos. Estes trabalhos estão ficando cada vez mais difíceis de se arranjar…

Comentário de McTheory Eu já escrevi 4 roteiros de sci-fi e gostaria de encontrar um agente que esteja atualmente procurando por projetos para o Sci Fi Channel. Onde eu posso encontrar um agente assim?

Resposta de Bill Cunningham → Esta é fácil. Faça uma lista de filmes originais do canal Sci Fi que sejam semelhantes ao seu. Descubra quem são os escritores desses filmes. Use o IMDB Pro, o Google ou o Done Deal e descubra quem representa esses escritores. Mande uma carta de apresentação para esses agentes, empresários ou advogados.

Procure na Internet pela lista de “Quem Vendeu o Quê” (“Who Sold What”) do ano. Descubra quantos roteiros de sci-fi foram comprados ou filmados. O mais importante é quantos foram filmados, porque em termos de roteiros de especulação (spec scripts), eles são apenas amostras. A maioria dos produtores não vai querer filmar o seu roteiro de especulação. Eles querem contratá-lo para que você escreva o material que eles já possuem.

Ah, Carnaval… época de tantas loucuras…!!

(Esse folião aí a levou às estrelas!)

É isso por hoje. Amanhã tem mais dicas. Inté!!

Anúncios

5 Comentários

  1. Muito bacana, postei o link no blog sffb.wordpress.com, obrigado, renato

    Comentário por sci-fi filmes de ficção científica do brasil — 09/07/2010 @ 13:13

    • Olá, Renato, seja bem-vindo!

      Muito obrigada pela divulgação, adorei o seu blog, super bacana pra quem gosta de ficção científica e cinema em geral! Vou até te colocar nos meus sites favoritos aqui do blog, pro pessoal conhecer. Adorei mesmo!

      Um grande abraço, Renato, continue com o excelente trabalho, e volte sempre! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 10/07/2010 @ 09:06

  2. Se o filme tem premissas e situações cheias de clichê, isso não é problema de roteiro?

    Comentário por juliana — 13/07/2010 @ 10:09

    • Olá, Juliana, seja bem-vinda!

      Sim, com certeza, premissas e situações repletas de clichês são grandes problemas que os roteiristas devem evitar. Mas não são problemas de ‘estrutura’ de roteiro. Os clichês estão relacionados a um tipo de “fórmula” que muitos querem acreditar que se aplicam a todos os filmes. No entanto, mudança de atos, apresentação, conflito e resolução, viradas no enredo, personagens tridimensionais e arco dos personagens, estão entre algumas coisas que fazem parte da estrutura de um roteiro. Essa é a parte técnica do ofício. E a parte técnica não inclui nenhum clichê, é o modo como o roteirista vai “preencher” essa estrutura que poderá ser super original ou super batida. Dependerá da criatividade de cada um, e é aí que entra a arte.

      O problema de se confundir a estrutura com um clichê ou uma fórmula é que o roteirista que ignora a estrutura para tentar escapar do previsível, acaba cometendo erros básicos de narração de histórias. Se estamos escrevendo para um grande público, e não para um público alternativo, precisamos preencher as expectativas dele. Apesar da maioria das pessoas não saber conscientemente o que é uma estrutura narrativa, elas sabem inconscientemente, dos anos e anos assistindo filmes, novelas e seriados. E, apesar de não conseguirem expressar tecnicamente o que sentem, elas sabem quando o roteiro falhou em qualquer um dos pilares da estrutura. O público nunca deve ser subestimado nesse sentido (isso acontece até com nós mesmos, quando vemos um filme de que não gostamos, mas não sabemos apontar exatamente o quê nos desagradou. Quando isso ocorre, frequentemente o problema está na falta de estrutura).

      Como eu disse no post, os filmes do canal Sci-Fi, em sua maioria, não são bons exemplos de originalidade, mas as 6 dicas de estrutura são muito válidas para filmes televisivos, que têm que capturar o interesse do espectador logo de cara, e manter esse interesse entre os comerciais.

      É isso, espero ter conseguido me expressar com clareza! Qualquer dúvida, é só falar!

      Um beijo grande, Juliana, obrigada pelo comentário, e volte sempre! 😀
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 13/07/2010 @ 11:54

  3. Olá, Newton Alves!

    Eu gostaria de avisar que eu deletei seu comentário com aquela sinopse de roteiro sem nem lê-lo, por dois motivos:

    1- Eu nunca leio sinopses de roteiros não-produzidos, porque estou escrevendo meus próprios roteiros, e considero isso a coisa certa a se fazer.

    2- Se você publica uma sinopse grande e detalhada daquela num blog, é muito mais fácil a sua ideia ser roubada! Você quer mandar o seu roteiro para produtores e diretores, e não publicar na internet pra todo mundo ver e pegar! Fica quase de domínio público! Se você quer realmente publicar o seu trabalho, escreva num blog próprio, em forma de prosa, ou publique em um dos vários sites e blogs que aceitam obras de ficção para serem publicadas online. Não desperdice a sua ideia numa atitude impensada, não vale a pena.

    Mas se você acredita que não tem nada a perder e quer colocar o seu roteiro para a avaliação do público em geral, aqui vai uma dica: o site Autores, tem vários roteiros originais ainda não-produzidos postados lá.

    É isso, Newton, espero que o seu roteiro encontre bons compradores, e que faça muito sucesso!
    Um abraço,
    Valéria Olivetti

    Comentário por valeriaolivetti — 16/12/2010 @ 22:39


RSS feed for comments on this post.

%d blogueiros gostam disto: