Dicas de Roteiro

10/02/2010

Abrindo portas com curtas – Parte 3

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 23:58

A tradução livre de hoje é de um artigo chamado Como Escrever um Filme Mudo de Curta-Metragem, escrito por Carl Hose para o site eHow:

Uma comédia silenciosa depende de ações engraçadas para ser divertida. Este tipo de história ficou popular com os primeiros filmes de Charlie Chaplin. Filmes de comédia mudos são mais fáceis de obterem sucesso porque o elemento visual favorece o desenvolvimento das gags. Escrever comédia silenciosa para um curta significa não ter diálogos, e dar ênfase na ação engraçada. Isto é desafiante e requer um senso de timing, esperteza e habilidade de escrever visualmente.

Instruções:

1- Escreva um argumento contando a sua história, seguido por um esboço definindo os principais pontos de virada. Pense visualmente e anote quaisquer cenas divertidas com que você possa trabalhar. Como você está trabalhando com um curta mudo de comédia, você não poderá usar nenhum diálogo para fazer as suas piadas serem compreendidas. Tudo o que você escrever deverá ser visualmente engraçado para os seus leitores.

2- Use uma metáfora bem-humorada para fortalecer o seu texto. Um exemplo disto poderia ser:

“Gerald acordou ao som do despertador. Ele estica o braço e o desliga com um tapa. Ele então se senta ereto e apóia os pés no chão, levantando-se um pouco rápido demais — ele ainda está agarrando os anjos da noite passada.”

A expressão “agarrando os anjos” é uma metáfora que indica que Gerald ainda está meio bêbado, ou alto com o álcool. Metáforas cativantes e atraentes podem ajudar a expressar o humor de seu curta.

3- Entre na cabeça de seus personagens. Você não pode escrever diálogos, mas no roteiro eles podem ter pensamentos. Você não deve fazer isso de maneira excessivamente óbvia, atribuindo uma frase de diálogo para cada coisa que o seu personagem pense. Você precisa trabalhar os pensamentos na narrativa em si.

“Ele sentou-se no banco da praça e as suas bochechas se encolheram — não as bochechas do seu rosto. Frio, é assim que estava, e não era um friozinho qualquer. Ele sentiu como se tivesse acabado de se sentar num imenso picolé. Ele começou a se levantar e parou abruptamente quando sentiu que o seu traseiro grudou no banco congelado; ele percebeu que as calças que estava vestindo hoje tinham sido as que tiveram o seu fundilho rasgado no dia anterior… agora o seu traseiro estava em apuros.”

No exemplo acima não há nenhum diálogo mental, mas o ponto de vista é claramente o do personagem que acabou de ter o seu traseiro colado num banco de praça congelado.

4- Desenvolva as cenas que você escrever. Não se acomode com a primeira versão do roteiro. O que poderia tornar a cena acima mais engraçada? Trazer mais alguém que poderia parar para bater um papo com o Gerald, que então precisaria fingir que está tudo bem. Talvez uma pessoa corpulenta se aproxime e se sente no banco ao lado dele, tomando tanto espaço que Gerald tem de se afastar, apesar do fato de que o seu bumbum ainda esteja preso no banco da praça. Ele não quer admitir isso, então ele faz o melhor que pode para dar espaço para a pessoa corpulenta, sem revelar a sua difícil situação. Há muitas maneiras de acrescentar humor visual à história.

5- Observe as pessoas e tome notas. Você pode não usar as suas anotações de imediato, mas haverá uma hora em que você estará sem idéias e poderá pegar o seu caderno e achar algo que lhe inspire. As pessoas fazem coisas engraçadas em público sem jamais dizerem uma palavra. Se você observá-las o bastante, poderá encher um caderno inteiro com comédia silenciosa e engraçada.

“Cinema Mudo”

É só isso por hoje. E aqui vai outro site brasileiro com curtas interessantes: Porta Curtas

Amanhã tem mais uma parte da série. Boa escrita para você e até lá!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: