Dicas de Roteiro

09/02/2010

Abrindo portas com curtas – Parte 2

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 23:30

Continuando a estudar curta-metragens, hoje faremos a tradução livre do artigo Como Escrever Um Filme de Curta-Metragem: Estruturando histórias em um formato curto, escrito por Doug Sinclair em 11/março/2009 para o site Writing for Stage/Screen. Note que cada autor tem opiniões próprias sobre o que deve ser feito. Isso é interessante para enriquecer o nosso cabedal de informações e abrir o leque de nossas possibilidades. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra, por isso é bom conhecer pontos-de-vista diversos. Eis o artigo:

Mesmo nos limites de um filme de curta-metragem, os fundamentos de uma história são vitais. Ao se trabalhar com um tempo curto para contar a história pode haver uma grande tentação de jogar fora as convenções da narração. Mas um bom curta-metragem exige que se leve em conta a regra mais fundamental de toda narrativa: uma história é sobre alguém que quer algo e age contra os obstáculos para obtê-lo.

Comece Com Um Personagem

Muitos curtas começam com uma premissa, não com um personagem. E a premissa é geralmente grande demais para uma narrativa curta, requerendo muito tempo para ser estabelecida. O filme terminado costuma ter vários minutos de apresentação, frequentemente com uma reviravolta no final que os cineastas esperam que seja surpreendente o suficiente para justificar esta introdução tão longa. Você pode encontrar centenas de filmes deste tipo no YouTube, poucos deles se conectam de fato com o público.

O melhor lugar para começar é com um personagem. Estabeleça o que esse personagem quer, e o que o atrapalha de consegui-lo. Uma premissa fascinante é ótima, mas você precisa achar um modo de atrair o público para esta premissa de modo que ele se identifique com ela, e o melhor modo de fazer isso é através de um personagem claramente motivado.

Exemplo: Balbezit, escrito por Iris Huizinga. Não é de modo algum uma premissa complexa: um homem quer a sua bola de futebol de volta. Ainda assim a história é imediatamente cativante, mesmo se você não entender o idioma.

Estruture a Sua História

É difícil encaixar os três atos de uma história em poucos minutos. Tão difícil que muitos roteiristas de curta-metragens desistem, e permitem que os seus roteiros se tornem uma série de gags e pontos de virada sem nenhuma estrutura verdadeira. Isso pode ser engraçado, mas raramente leva a uma narrativa atraente. Curtas assim geralmente se parecem mais com cenas cômicas improvisadas do que com filmes.

A estrutura é tão importante em um curta quanto em um longa ou em um episódio de TV. Não importa se o seu filme dura 30 minutos ou 30 segundos, focalize nos princípios estabelecidos de apresentação, pontos de virada, ação crescente, clímax e resolução. Mesmo que você tenha que comprimir um ato em um único momento, estes estágios são a espinha dorsal da história.

Exemplo: Presto, escrito por Doug Sweetland. Uma série de gags, com certeza, mas note atentamente os pontos de virada da ação e a tensão que aumenta enquanto o mágico fica paulatinamente mais fora de si. Há três atos completos ali, tudo num curta de cinco minutos. Note também como as motivações dos personagens são simples mas, ainda assim, atraentes.


Escrever é Reescrever

Ironicamente, há muitos curta-metragens que são longos demais. Com um curta é duplamente importante voltar à sua primeira versão e procurar fazer pequenas melhorias que não lhe ocorreram da primeira vez. Duas cenas poderiam ser uma, cinco linhas de diálogo poderiam ser duas. Alguma coisa expressada através de uma conversa poderia, ao invés disso, ser expressa através de uma imagem simples. Sempre há modos de fazer um roteiro de curta ser mais curto, e você não pode ter medo de encontrar e cortar o que estiver sobrando.

Lembre-se do Básico

Um curta-metragem, como qualquer outra obra narrativa, é uma história. O formato de um curta não é uma desculpa para deixar de lado os fundamentos que fazem uma história funcionar. Como os curtas geralmente são menos comercialmente motivados do que os longas ou os programas de TV, há certamente espaço para ser um pouco experimental. Mas engajar verdadeiramente um público requer a fundação sólida de uma história simples, firmemente focada e bem-estruturada.

Por hoje é só. Aproveite para assistir a mais alguns curtas interessantes; este site aqui tem curtas internacionais: Top 10 Short Films of 2009.

Uma boa escrita para você e até amanhã!

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: