Dicas de Roteiro

10/11/2010

O Terror de Escrever Terror

Filed under: Roteiro — valeriaolivetti @ 14:26
Tags: ,

Este artigo foi escrito pelo roteirista Ben Magid, para o site ScriptShark / ScriptJournalBlog:

o_chamado

Terror é um gênero difícil e subvalorizado por muitos motivos. Primeiro, é difícil inventar novas maneiras de assustar o público, especialmente um versado em horror. As probabilidades são de que eles já viram tudo aquilo e sabem o que está por vir. O desafio consiste em romper com as convenções e regras, e mostrar coisas que sejam inesperadas. A outra questão que eu tenho em relação ao terror é a diferença entre o terror verdadeiro e sangue e tripas. É fácil enojar alguém, mas é incrivelmente difícil realmente assustar alguém.

Veja a diferença entre Jogos Mortais e algo tipo Sinais. O primeiro Jogos Mortais tinha um grande gancho para o filme e foi feito muito bem para um pequeno orçamento. Seu objetivo era perguntar ao público: “O que você está disposto a passar para viver?”, e levantou estas questões através da abordagem mais sangrenta de matar alguém ou cortar fora sua perna. Neste caso isso funcionou, principalmente por causa do ótimo conceito, ainda que os sustos em si fossem mais do tipo nojento. Do tipo que você se recusa a ver. Agora vamos dar uma olhada em Sinais, não é um filme perfeito, de modo algum, mas teve algumas cenas que realmente causaram impacto. Vamos focar na cena da festa de aniversário. Todo mundo se lembra dela, e eu lembro das pessoas gritando no cinema. Ela me assustou pra caramba. No final das contas, ela era muito simples: aumente o suspense e depois compense-o com o alienígena andando pelo beco, tudo captado por uma câmera de mão. Incrível cena.

O truque é criar expectativas ou, em outras palavras, suspense, e depois dar ao público algo que eles não estão esperando.

Eis um dilema estranho que se aplica a escrever roteiros de terror: muitas vezes, o que é assustador na página não fica assustador na tela, e vice-versa. É um efeito estranho, e a maioria dos produtores e executivos não compreende isso. Terror é muito sobre atmosfera e tom, e o quão bem um diretor consegue filmar a história.

Vamos dar uma olhada em alguns exemplos. Poltergeist, Alucinações do Passado e Aliens são bons. Uma das cenas mais assustadoras de todos os tempos é a cena do palhaço em Poltergeist, que ainda se mantém até hoje, e me assustou pra diabo quando eu vi o filme quando garoto. No entanto, quando você lê o roteiro, ela não é tão assustadora. O mesmo acontece com a cena em Aliens, quando eles descobrem que os alienígenas estão no teto, bem como a cena terrivelmente assustadora de Alucinações do Passado, quando ele vê a enfermeira com os tentáculos na junta, ou a cena da maca. Todos estes roteiros são magistralmente executados, mas tudo se resume ao tom, ao ritmo e à qualidade da direção.

Agora veja o lado oposto. Eu amo Steven King. Ninguém é melhor em escrever com atmosfera do que ele. No entanto, muitas de suas histórias de terror não se traduzem para a tela, porque elas não ficam tão assustadoras na mídia diferente. Exceto, talvez, pelo palhaço em It, que funcionou tão bem na minissérie quanto no livro, mas, na minha opinião, palhaços são sempre assustadores.

palhaço simpatico

Portanto, como escritor, a melhor coisa que você pode fazer é não escrever demais o terror. Lembre-se das coisas que lhe assustavam quando criança – ir para o porão escuro, ou o que tem debaixo da sua cama. Mantenha-se fiel aos seus instintos primitivos, seja imaginativo, e você não vai errar.

dormindo de conchinha

Boa escrita apavorante pra você hoje! Muahahahahahahahahá!!!Inté

12 Comentários

  1. Muito bom o texto. Estou escrevendo, ou melhor, tentando escrever um livro de terror e me deparando com esse problema a cada parágrafo. Percebo que o que penso ser aterrorizante não o é depois de posto em palavras e digitado no word. Estranho isso né, mais muito verdade. Acho que vou repostar esse artigo no meu blog. Posso?

    Comentário por Fenix Resurrected — 10/11/2010 @ 21:11

    • Olá, Bartyra! Seja bem-vinda! :D (Lindo o seu nome, por sinal)

      Fico super super feliz que você tenha gostado do texto (sabe, eu também sou fã do gênero). Desse jeito você até me incentiva a postar outros sobre este assunto (dicas de terror nunca são demais, né?). Você pode repostar o texto no seu blog, sim, nem precisava perguntar, será uma honra! Aliás, você também está fazendo um ótimo trabalho em seu blog, ajudando escritores principiantes. E você ainda escreve e faz tirinhas!! Isso é que é ser multifuncional!! (Ou melhor, polivalente! Multifuncional também serve para pessoas além de impressoras?). Eu também adicionei seu blog nos meus favoritos aqui ao lado, acho que muita gente vai gostar!

      Mas não julgue muito o seu texto baseado no que está no papel, como disse o autor, às vezes só depois de filmado é que aquilo mostra seu verdadeiro potencial. Confie nos seus instintos, a cena que você imaginou e visualizou com terror está mais perto do que vai aparecer na tela do que as palavras no papel.

      Obrigadão pela força, Bartyra, fiquei muito feliz com sua visita! :D
      Um beijo grande,
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 11/11/2010 @ 10:10

  2. Fiquei com medo de ler, Valéria… onde arrumastes essas fotos?
    No the faerie chronicles (aquela história do meu Blog) eu tava pensando em colocar uns momentos meio terror, no inicio de cada post, a apartir de quando eles entram no mundo das fadas… e um pouco de comédia no decorrer do texto… mas como eu não sou bom em nem um nem outro, me contento só com aventura e fantasia XD
    (eu irira usar no começo do post, um conto de fadas mais puxado pro terror e tals, como um preludio para a história que se passaria no mundo daquele conto de fadas)
    XD
    Atenciosamente Lucas Luciano

    Comentário por Lucas Luciano — 10/11/2010 @ 21:54

    • Oi, Lucas, como vai? :D

      Eu assustei mesmo com essas figuras, né? Nem eu mesma tô aguentando, preciso postar logo outros textos, pra não ficar vendo essas imagens horrorosas toda vez que eu entro no blog! Rsrsrs! Eu nem me lembro mais de onde tirei essas imagens, na verdade eu vou navegando em um monte de sites, e copio todas as imagens interessantes com que eu topo, pensando que um dia elas poderão ser úteis. Eu tenho várias imagens deste tipo no meu arquivo, inclusive outras em gifs animados, que serão utilizadas nos próximos posts de terror (sim, tem mais coisa apavorante vindo por aí!!). Mas realmente não me lembro de onde as tirei, faz um tempão que estão arquivadas aqui.

      Sabe, eu também tenho inseguranças com determinados gêneros (comédia romântica, por exemplo), e acho que não seria capaz de escrever bem este tipo de história, mas só de pirraça fiz alguns textos assim, pra testar meus limites. Ficou uma porcaria. Mas eu descobri que quanto mais eu escrevo, mais eu afio as minhas habilidades. O que estava ruim antes, eu não repito. Eu vou aprendendo com meus erros. Ao botar algo na prática, você acaba ficando alerta para o assunto. Aí, ao assistir um filme do gênero, você passa a observá-lo com olhos clínicos: “Ah, então é assim que eles fazem!” E a gente passa a entender como os outros criam o clima de terror, de romance, de comédia, de suspense, e por aí vai. É muito interessante, comece a escrever aquilo que você acha que não consegue, que logo logo você verá que aquilo pode se tornar o seu ponto mais forte. Sério! Tenta só pra ver! Misturar terror, com fantasia, aventura e comédia pode resultar em algo super original e espetacular! Não desista antes de tentar! ;-) :D

      Um abração, Lucas, e obrigadão pela visita, adorei! :mrgreen:
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 11/11/2010 @ 10:27

  3. Oi, Valéria!

    Realmente, as imagens que vc conseguiu são apavorantes!

    Eu não sou fã de terror tipo “Poltergeist”, “O Exorcista”, não é que tenho medo, aliás, essas coisas não me assustam, mas não gosto de dar moral para o… (vocês sabem quem).

    Assisti um deste gênero recentemente que me provocou alguns sustos, mas não de medo, mas por causa da boa direção, se chama “Caso 39″ com a Renée Zellweger. Gostei do filme, mas é daqueles que eu citei acima.

    O filme “Contatos de 4º Grau” com a minha preferida atriz Milla Jovovich, também foi interessante, mas também não faz meu gênero.

    O que gosto mesmo é de um bom suspense que tenha um mistério por trás que me faça pensar e desvendar.

    O filme “Aliens” eu adorei! Inclusive foi quando assisti “Aliens – O Resgate” em 1986 no cinema, que começou minha paixão pela sétima arte e me tornei uma cinéfila.

    Não gosto dos filmes do autor Stephen King, geralmente o final é ridículo. Fica sempre algo no ar…ah, detesto filmes que me fazem ficar quase duas horas sentada na poltrona para no final ficar com cara de boba! Pra mim, não dá!

    A série “Jogos Mortais” não assisti nenhum, porque não gosto de filmes de violência gratuita, nem perco tempo em ver.

    Agora, deixo bem claro, que isso é questão de gosto, cada pessoa tem um e eu respeito.

    É isso!

    Ótimo posts e figuras apavorantes!

    Booo…

    Amiga, deixei um recadinho para vc no Twitter.

    Beijão!

    ALOHA!

    Eve.

    Comentário por Eve — 15/11/2010 @ 17:54

    • Oi, Eve!

      Eu adoro filmes de terror, mas aqueles com boas histórias. Eu também não gosto de filmes de serial killers, me dão sono! E não assisti “Contatos de 4° Grau”, nem nunca tinha ouvido falar, acredita?

      A maioria dos filmes do Stephen King, especialmente aquele “O Apanhador de Sonhos” são um horror! (No mau sentido!) Parece que o cara tava doidaço quando escreveu aquilo! (Eu não li o livro, mas se o roteiro foi fiel ao original, vou te contar!…)

      Filmes de terror que tenham um suspense inteligente e bem construído, são os melhores! Aí vale o preço do cinema. Infelizmente são raros.

      Obrigada, amiga, pela força e pelo comentário, eu já respondi no Twitter!

      Um beijão, e continue com seu ótimo trabalho, seu blog está espetacular!
      ALOHA!
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 16/11/2010 @ 10:16

  4. Estou escrevendo um terror Tipo Serial Killer, vivo sem idéias para assassinatos assustadores mas aos poucos estou me identificando com as personagens e acho isso um grande passo para concluir um conto, se você não se entrosar com o Vilão e com os mocinhos até mesmo os que tem pouca participação, voce para na metade, um bom terror é aquele de inicio meio e fim. Que deixa os telespectadores querendo cada segundo ter uma surpresa, sem querer desgrudar da cadeira, e é isso que estou TENTANDO fazer ^^ ótimo artigo Parabéns ao site :D Obs: ja está nos “Favoritos”

    Comentário por Sophia — 17/02/2011 @ 18:21

    • Olá, Sophia!

      Antes de mais nada, obrigadão pela força e apoio, fico super feliz que esteja gostando do blog! :D

      Você está certa, é preciso se identificar com os personagens, entrar na pele deles, mas muitas vezes é difícil, principalmente quando se trata de psicopatas ou personagens com características de vida e personalidade totalmente diferente das nossas. Mas esse é um desafio interessante, e é muito legal quando a gente finalmente consegue realizar isso, portanto, persista que vale a pena! E o público (ou os leitores) agradecerão!

      Boa sorte e sucesso com sua história, Sophia!
      Um beijo grande, muito obrigada pela mensagem e volte sempre! :D
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 18/02/2011 @ 09:26

  5. Olá, Valéria.
    Fico feliz que tenha lido meu comentário :) obrigada, Então, Realmente dificil escrever um terror, porque se você for prestar atenção o povo sempre tem uma idéia do que acontecerá com “AQUELE PERSONAGEM EM TAL CENA” porque tantos terrores se igualam que as vezes da até medo de escrever e o povo se desapontar porque não vêem novidade no script, apenas coisas que eles faziam tal idéia de que ia acontecer.
    Ótimo blog, visito sempre ! Como ja avia dito, Está nos favoritos :D
    Um grande beijo, E continue com esse desempenho porque o Blog ta nota 10. Parabéns.

    Anna Sophia.

    Comentário por Sophia — 19/02/2011 @ 19:07

    • Oi, Sophia!

      Fugir dos clichês é um dos grandes desafios de todo escritor, não se preocupe, isso é super normal. Por isso que histórias originais são tão difíceis de serem encontradas. Dê um tempo de maturação e reflexão para a sua história. O importante é não ter pressa e dedicar muita atenção na qualidade, que o esforço será recompensado.

      Um beijo grande, Sophia, e obrigadão novamente pela força! :D
      Valéria Olivetti

      Comentário por valeriaolivetti — 19/02/2011 @ 21:35

  6. Olá Valeria :) !
    Então… Pois é, mas agora sinto-me mais confiante porque tem uma amiga que está me ajudando a escrever essa história, ela já havia escrevido alguns livros, e com a força dela me sinto mais tranquila :D

    Beijos!

    Comentário por Sophia — 19/02/2011 @ 21:53

    • Que bom, Sophia! Bom trabalho e muito sucesso pra você! :D Beijos!

      Comentário por valeriaolivetti — 20/02/2011 @ 08:24


Feed RSS para comentários sobre este post.

O tema Rubric. Blog no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.264 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: